Blind Guardian: brilhante, mais uma vez, em novo álbum

Resenha - Blind Guardian - At the Edge of Time

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Nono álbum de estúdio do Blind Guardian, "At the Edge of Time" retoma a sonoridade explorada pela banda alemã em seu melhor disco, "Nightfall in Middle-Earth" (1998), um dos grandes álbuns da história do heavy metal.

Blind Guardian: liberada "Point Of No Return", primeira música do projeto orquestradoSaúde: bater cabeça pode causar danos ao cérebro

O CD já começa de maneira espetacular com "Sacred Worlds", uma faixa excelente com mais de nove minutos de duração. Grandiloquente, repleta de pompa e bom gosto, é o tipo de composição que tem tudo para se transformar em uma das preferidas dos fãs. Com ótimos solos de Andre Olbrich e Marcus Siepen, "Sacred Worlds" conta com um elaboradíssimo arranjo vocal, que se alterna entre a voz principal de Hansi Kürsch e coros arrepiantes.

Outro ponto alto de "Sacred Worlds" são as suas partes orquestradas. Trabalhando pela primeira vez com uma orquestra de verdade, o grupo reforçou os aspectos sinfônicos de sua música, e isso fica evidente em "Sacred Worlds", reforçando ainda mais as características épicas da composição.

"Tanelorn (Into the Void)" une agressividade com melodia de maneira exemplar. "Road of No Release" lembra em alguns momentos "Nightfall", mas com um andamento mais rápido. A ótima "Ride Into Obsession", na linha de "Mirror Mirror", irá levar os fãs do Blind Guardian às lágrimas com linhas vocais na melhor tradição da banda.

O desfile de excelentes composições continua com "Curse My Name". O início acústico coloca na mesa as influências da música da Idade Média sempre presentes no som do Blind Guardian. Ricas passagens instrumentais adornadas por violões, flautas e instrumentos acústicos nos transportam para o mundo fantástico de J.R.R. Tolkien. O fantástico crescimento da música em seu final, com a composição evoluindo de uma canção de celebração a um verdadeiro hino de batalha, a transforma em uma das melhores faixas não só de "At the Edge of Time", mas também de toda a carreira do Blind Guardian. A qualidade segue nas alturas com "Valkyries", com excelentes coros e magnífica performance instrumental dos músicos. Outro grande momento do disco.

"At the Edge of Time" ainda reserva momentos de grande satisfação com a balada "War of the Thrones", feita sob medida para ser cantada a plenos pulmões pelos fanáticos seguidores da banda. "A Voice in the Dark", o primeiro single e clipe do álbum, é uma composição com as características marcantes do Blind Guardian, ou seja, um power metal com excelentes linhas vocais e arranjo grandioso. A épica "Wheel of Time", outro grande momento do trabalho, encerra o play com chave de ouro.

Individualmente o destaque vai para Hansi Kürsch. O que o vocalista do Blind Guardian está cantando é um absurdo! A decisão de passar o baixo para Oliver Holzwarth e concentrar-se apenas nos vocais mostra-se pra lá de acertada. Suas linhas vocais únicas, aliadas a interpretações intensas, ratificam a sua posição entre os maiores vocalistas do heavy metal. A banda toda soa afiadíssima, mas Hansi está, sem dúvida alguma, um nível acima.

Concluindo, "At the Edge of Time" é um discão, o melhor trabalho do Blind Guardian desde "Nightfall in Middle-Earth" e figura certa nas listas de melhores de 2010.

Brilhante, mais uma vez!

Faixas:
1 Sacred Worlds 9:17
2 Tanelorn (Into the Void) 5:58
3 Road of No Release 6:30
4 Ride Into Obsession 4:46
5 Curse My Name 5:52
6 Valkyries 6:38
7 Control the Divine 5:26
8 War of the Thrones 4:55
9 A Voice in the Dark 5:41
10 Wheel of Time 8:55




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blind Guardian"


Blind Guardian: liberada "Point Of No Return", primeira música do projeto orquestrado

Tolkien: A influência do autor no rock e no heavy metalTolkien
A influência do autor no rock e no heavy metal

Top 10: Álbuns conceituaisTop 10
Álbuns conceituais

Game of Thrones: a inspiração do Blind Guardian e HammerfallGame of Thrones
A inspiração do Blind Guardian e Hammerfall


Saúde: bater cabeça pode causar danos ao cérebroSaúde
Bater cabeça pode causar danos ao cérebro

Thrash Metal: 10 novas promessas - incluindo uma brasileiraThrash Metal
10 novas promessas - incluindo uma brasileira

Axl Rose: Texto analisa rivalidade com Kurt CobainAxl Rose
Texto analisa rivalidade com Kurt Cobain

Guitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comTed Nugent: "não estou no Rock Hall Of Fame porque mato animais inocentes"Scott Weiland: As Top 10 bandas favoritas do vocalista

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336