Resenha - Dogs Of War - Saxon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar Correções  

8


Além de marcar a despedida do guitarrista Graham Oliver, que cedeu lugar a Douglas Scarrat, "Dogs Of War" simbolizava, também, um novo direcionamento para o Saxon em meados da década de 90. Sua faixa título, imortalizada com um belo – e já clássico – videoclipe (que costuma passar esporadicamente na MTV), deixava isso bem claro.

Guitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidos

Raimundos: "Me Lambe" é a única música cuja letra tem um problema, diz Canisso

Menos pesado que o comum, muito mais calcado no hard rock – "Burning Wheels" chega a assustar, no bom sentido, neste aspecto – dando maior ênfase à veia melódica, de riffs primorosamente suingados e linhas vocais mais emocionais que agressivas. No geral, a música está bem mais cadenciada que o habitual do Saxon, e as construções frasais triplicadamente açucaradas. Em "Dogs Of War", cada camada, fraseado e digressão é explorada devidamente, gerando uma variedade minimalista e interessante, ainda que nem sempre perfeita e necessária.

Qualquer desavisado hesitaria em classificar "Hold On", quase um Mr. Big, "Don’t Worry" e "Walking Through Tokyo" como músicas do Saxon, tamanha as tonalidades do hard oitentista.

Em contrapartida, "Big Twin Rolling" parece saída de algum álbum do AC/DC, enquanto "The Great White Buffalo" é Saxon puro, genuíno: guitarras tensas e atmosféricas, descambando para um delicioso virtuosismo e culminando num estribilho e refrão cuidadosamente preparado, e magnífico! – não a toa a música aparece novamente como bonus track, desta vez ao vivo. Outros grandes momentos são "Demolition Alley", igualmente perfeita, e "Yesterday’s Gone".

"Dogs Of War" é um álbum de extremos: composições verdadeiramente excelentes ao lado de outras, digamos, nem tanto. Mas a balança, indubitavelmente, pende para o lado positivo. Além do que, todos os integrantes estavam em ótima forma, especialmente Biff Byford e Paul Quinn (uma obviedade, eu sei). A presente bolachinha faz parte dos relançamentos de antigos álbuns da banda que a SPV já fez, com encarte diferenciado, comentários de Byford e duas faixas bônus, sendo a última simplesmente "Denim&Leather".

Não é o ápice dos caras, contudo, além de agradar sobremaneira, ainda é Saxon. E isso fala por si só.

Formação:
Biff Byford (Vocais)
Paul Quinn (Guitarra)
Doug Scarratt (Guitarra)
Nibbs Carter (Baixo)
Nigel Glockler (Bateria)

Site Oficial: www.saxon747.com

Hellion Records – Nacional – 2006.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Hammer: dez estranhas colaborações no metalMetal Hammer
Dez "estranhas" colaborações no metal

Heavy Metal: dez álbuns que fizeram de 1980 o ano do gêneroHeavy Metal
Dez álbuns que fizeram de 1980 o ano do gênero


Guitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidosGuitar World
Revista elege os 50 guitarristas mais rápidos

Raimundos: Me Lambe é a única música cuja letra tem um problema, diz CanissoRaimundos
"Me Lambe" é a única música cuja letra tem um problema, diz Canisso


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin