Resenha - To Mega Therion - Celtic Frost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Celtic Frost, formado na Suíça em 1984, causou furor na mídia especializada quando colocaram no mercado este seu terceiro registro de nome “To Mega Therion”. Graças a esta pérola do black metal oitentista, este grupo ainda consegue gerar enorme influência no underground metálico mundial até os dias de hoje.
501 acessosCeltic Frost: vídeo oficial de duas músicas no Wacken 20065000 acessosKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"

Tom Warrior, seu mentor, já era membro ativo na cena black metal com o conjunto Hellhammer, porém, sua sede de desenvolvimento artístico fê-lo montar o Celtic Frost, musicalmente mais maleável e que começou a angariar um representativo número de apreciadores de sua arte desde seu debut, o bastante cru “Morbid Tales”. Lançam ainda em 1985 um EP chamado “Emperor's Return”, sempre conquistando mais adeptos.

Porém, a essência da banda está realmente aqui, em “To Mega Therion”. Totalmente gravado em Berlin por Horst Müller no estúdio Casablanca no ano de 1985, tudo neste disco chama a atenção, a começar pela belíssima e totalmente anticristã arte da capa. A considero uma das mais inteligentes já feitas dentro do estilo, apresentando o demônio segurando uma imagem de Jesus em posição de crucificado. Esse Cristo serve como uma funda, uma arma, visando o observador. O Mal usando o Bem para atingir o Homem, numa excelente abordagem que dá o que pensar.

Além de Thomas Gabriel Warrior na voz e guitarra, este disco contou com a participação de Reed St. Mark na bateria e Martin Eric Ain (também ex-Hellhamer) no baixo em algumas poucas faixas, pois a relação deste com Tom não estava em sua melhor fase. As linhas de contrabaixo da grande maioria das canções ficaram ao encargo de Dominic Steiner.

Musicalmente, muita coisa era diferente na época de seu lançamento. Celtic Frost fez com que “To Mega Therion” fosse o primeiro disco de música extrema a inserir efeitos de orquestrações e vocalizações femininas em seu black metal. Esta linha musical foi a maior herança que deixaram para a próxima geração de bandas européias, sendo seguido por Bathory em alguns destes aspectos e massificando-se depois de uns 10 anos, com a aparição do black metal sinfônico e o gothic metal.

“To Mega Therion” trazia canções relativamente rústicas, porém donas de uma frieza e densidade espantosas, graças aos riffs cavalares e eficazes que são uma das marcas registradas deste disco. A introdução bombástica e sinfônica de “Innocence And Wrath”, com seu rufar de tambores, são um excelente prenúncio para a poderosa “The Usurper”, Heavy Metal direto e sem concessões.

O lado sinfônico continua na sombria “Dawn Of Meggido” e na última faixa, “Necromantical Screams”, que apresenta a bela voz feminina operística e que é uma aula de música obscura e gótica. Fazendo contra-peso com esta inesperada faceta musical que o Celtic Frost apresentava, as outras canções que compõem este registro já vão numa linha musical que mistura bem o som de Motörhead e Venon. "Circle Of The Tyrants", a mais pesada, é um ótimo exemplo do poder de fogo do Celtic Frost, seguido de perto pelas outras faixas, sejam velozes ou cadenciadas.

Mas o ser humano nunca está satisfeito. Mesmo tendo uma verdadeira legião de fãs, alguns anos depois o Celtic Frost praticamente põem tudo a perder com o lançamento do disco “Cold Lake”, de 1988. Visando alcançar os dólares do mercado norte-americano, Tom Warrior e Cia. resolvem mudar, adotando o mais perfeito visual glam, aparecendo em roupas coloridas e fazendo mil poses estranhas no novo material promocional, para a mais completa decepção de seus antigos fãs. Muitos destes nunca mais voltaram os olhos para a banda, mesmo quando esta tenta retificar seu erro com seu próximo registro “Vanity Nemesis”, mas não teve jeito... A banda encerra suas atividades logo em seguida.

Independente de o caminho trilhado pela banda suíça ter sido o correto ou não, “To Mega Therion” é um trabalho absolutamente poderoso e referência para se compreender o desenvolvimento da atual cena da música extrema. Há poucos anos é que alguns conjuntos black e gothic começaram a fazer uso desta abordagem de maneira inteligente e obterem êxito comercial, tanto que bandas deste estilo viraram uma tendência que já vêm saturando o mercado.

CELTIC FROST - To Mega Therion
(1985 – Noise Records)

01. Innocence And Wrath
02. The Usurper
03. Jewel Throne
04. Dawn Of Meggido
05. Eternal Summer
06. Circle Of The Tyrants
07. (Beyond The) North Winds
08. Fainted Eyes
09. Tears In A Prophet's Dream
10. Necromantical Screams

DISCOGRAFIA:
1984 - Morbid Tales
1985 - Emperor's Return [EP]
1985 - To Mega Therion
1986 - Tragic Serenades [EP]
1987 - Into The Pandemonium
1988 - Cold Lake
1990 - Vanity Nemesis

Homepage: www.celticfrost.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de To Mega Therion - Celtic Frost

2550 acessosCeltic Frost: a tradução do clássico To Mega Therion

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Rock e MetalRock e Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

501 acessosCeltic Frost: vídeo oficial de duas músicas no Wacken 20060 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Celtic Frost"

Celtic FrostCeltic Frost
Sombrio, brutal e revolucionário; a biografia da banda

VinilVinil
Os 10 LPs mais raros e valiosos dos anos 1980

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1984

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Celtic Frost"

Collectors RoomCollectors Room
A coleção de cerca de vinte mil títulos de Kid Vinil

BurzumBurzum
A polêmica história e filosofia de Varg Vikernes

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1981

5000 acessosHistória do Rock: dos primórdios aos anos 705000 acessosJack Bruce: "Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"5000 acessosKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"5000 acessosBrasil: Bandas que gravaram discos ao vivo em nosso país5000 acessosMegadeth: Chris Broderick e Shawn Drover explicam saída5000 acessosVan Halen: as verdades e mentiras de "Live; Right Here Right Now"

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online