Resenha - Songs Of Darkness, Words Of Light - My Dying Bride

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno R. T. Rebello
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Bom gosto!! Só pode ser esse o segredo do My Dying Bride para fazer sempre ótimos álbuns. Bom gosto aliado a criatividade e honestidade, principalmente no Doom Metal onde os riffs densos podem se tornar cansativos e repetitivos (opa!). Falando nisso, esse "Songs of darkness, words of the light", embora seja de certa forma uma repetição de tudo que o My Dying Bride tenha feito nos álbuns anteriores, em nenhum momento é enjoativo e manjado.

Aerosmith: As 20 frases mais ultrajantes de Steven TylerVocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Aqui você não encontra nada de muito novo; às vezes dá até pra sentir que de repente vai entrar um violino no inicio ou no meio de uma música, mas com a saída Martin Powell (tecladista e violonista, hoje no Cradle of Filth) em 1998 isso foi deixado de lado. Na minha opinião pessoal, nem faz tanta falta.

Os vocais de Aaron Stainthorpe estão excelentes, precisos, conseguem variar do gutural aos característicos lamentos. Esse álbum em algumas faixas me dá a impressão de que ele está cantando mais e melhor, como em "My wine in silence" onde a música começa numa melodia muito bela e depois em momentos de mais peso ele solta os vocais guturais com perfeição e também em "the Prize of beauty". Desta última foi feito um clipe.

Mesmo com algumas modificações na formação da banda as guitarras continuam densas e pesadas como sempre e com aquela melodia que junto com o som dos teclados dá um clima bem obscuro e melancólico, teclado que ficou nesse álbum a cargo de uma mulher, Sarah Stanton. O som está um pouco mais direto; nenhuma música ultrapassa os 8 minutos, o que em se tratando desta banda é raro. Além do amadurecimento que fica evidente, nenhuma música extrapola... sem exageros.

E as novidades não param por aí. Provavelmente em Setembro desse ano eles deverão estar lançando um DVD, que alám de shows vai trazer vídeo clipes e bastidores.

Finalizando, um álbum que faz você viajar do começo ao fim num mundo assustador, confuso, triste (não muito diferente do real) e porque não, sentimental. Quando termina você se sente leve e satisfeito!

PETARDO!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "My Dying Bride"


Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Loudwire: as dez melhores bandas de Doom Metal da históriaLoudwire
As dez melhores bandas de Doom Metal da história


Aerosmith: As 20 frases mais ultrajantes de Steven TylerAerosmith
As 20 frases mais ultrajantes de Steven Tyler

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o NoisecreepVocalistas
As vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep


Sobre Bruno R. T. Rebello

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336