Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba


Resenha - Echos - Lacrimosa

Por Rafael Carnovale
Em 28/03/03

Nota: 7

Taí uma banda complicada para resenhar. Os alemães do Lacrimosa (de fato apenas Tilo Wolff e Anne Nurmi) se utilizam de uma mistura de estilos que vai do clássico, passando pelo gótico, com algumas passagens pop e metal. Ou seja, uma mistureba dos diabos. E se saem bem. Apesar de particularmente ter sentido a falta de peso em seu antepenúltimo cd ("Elodia") o seu sucessor ("Fassade") veio para corrigir tal erro. E agora, após serem aclamados como um dos melhores nomes do cenário gótico, a banda solta mais um petardo, o aguardado "Echos". Mas, o que se esconde no caldeirão de Tilo e Anne?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Kyrie", a primeira faixa, não dá grandes pistas. Trata-se de um instrumental de 12 minutos com uma orquestra afinadíssima e uma sonoridade que serviria de trilha sonora para qualquer seqüência épica de filmes. Soa agradável aos ouvidos, mas torna-se cansativa pelo exagero de movimentos, de andamentos. Já "Durch Natch and Flut" (ou "Through Night and Flood’, já que o encarte traz a letra como ela é cantada em alemão e sua tradução para o inglês) já soa mais agradável, com a orquestra sendo complementada por um ritmo mais pop, aonde contrastam as vozes de Tilo e Anne, com um belo resultado. A levada mais agitada compensa muito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Lacrimosa peca neste cd por abusar de climas, de arranjos exagerados e por tentar criar uma atmosfera densa, que soa por demais cansativa, como ocorre em "Sacrifice" (com seus 9 minutos que se fossem 4 seriam bem menos enjoativos). Já "Apart" (ou "Getrennt" – esta é cantada em inglês), soa bem mais agradável, com a banda economizando, sendo mais compacta e a voz de Anne soando como um sussurro agradável.

O resto do cd mantém a temática inicial de fusão de orquestra-gótico-rock-pop, com bons resultados, como na melancólica "Ein Flauch Von Menschlichkeit" (ou "A Touch of Humanity") e na emotiva (a orquestra aqui está muito bem colocada, sem os exageros) "Eine Natch in Euvigkeit" (ou "One Night in Eternity") e na mais pesada "Malina" (com belos arranjos de teclados). Mas quando tudo ia bem, eis que o cd fecha com "Die Schreie sind Verstummt" (ou "The Screams are Silenced") com mais 12 minutos de excessos, alternâncias de andamento e orquestras em exagero, sendo um final entediante.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É injusto afirmar que trata-se de um cd ruim. Nem de longe. Há um cuidado todo especial na produção, na elaboração e composição. Mas o Lacrimosa precisa decidir se vai compor óperas exageradas ou músicas mais compactas. Nada contra a banda, mas uma ou duas músicas mais diretas seriam o ideal. No geral, um cd razoável.

Site oficial: Http://www.lacrimosa.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Resenha - Leidenschaft - Lacrimosa




Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.