Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemAndre Matos sempre foi de esquerda e reprovaria governo atual, diz irmão do maestro

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSyd Barrett em 1967 analisando os principais singles lançados em julho

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemDaniel Cavanagh, do Anathema, sobrevive a tentativa de suicídio

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemComo CDs e MP3s decepcionaram Jimmy Page

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"


Stamp

Resenha - Rude Awakening - Megadeth

Por Rafael Carnovale
Em 11/04/02

Nota: 8

Após quase 20 anos de estrada o Megadeth nos brinda com um cd ao vivo, e duplo! Gravado durante a tour de divulgação do razoável The World Needs a Hero, o cd mostra uma banda coesa e com boa execução das músicas. Mas é triste notar que este cd, como o relançamento de Killing is My Business... And Business is Good, acabaram sendo um canto de cisne, já que Mustaine, líder, mentor e criador da banda abandonou o barco no dia 3 de abril, por motivos de saúde.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O cd abre com as 2 inéditas da coletânea Capitol Punishment, Dread and the Fugitive Mind e Kill the King, aonde a banda despeja toda sua fúria e agressividade. Neste início, a bateria do competentíssimo Jimmy de Grasso parece estar muito baixa, devido ao alto volume das guitarras, fato que se repetirá em outras músicas, mas sem muito comprometimento no resultado final. A banda realmente resolveu arregaçar tudo logo de cara, pois a seqüência é muito bem escolhida: In My Darkest Hour (com boa interpretação de Mustaine), Angry Again (Dave Ellfeson fazendo ótimos backings), She Wolf (uma das melhores músicas do bom Criptic Writings) e Reckoning Day.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De cara nota-se que o vocal de Mustaine não é tão bom ao vivo, chegando em alguns instantes a soar um pouco irritante, principalmente nas notas mais altas de Reckoning Day. Mas para isso ele conta com os competentíssimos backings de Ellfeson e de Al Pitrelli, que faz um excelente trabalho, seja nas músicas que gravou ou nas mais antigas. O cd segue com Train of Consequences, bem executada, embora o início que lembra um trem em partida não ficou tão bom, mas ao vivo.... pelo menos não meteram um overdub. Outros destaques seriam os clássicos Hangar 18 (empolgante como sempre), Peace Sells, Holy Wars, Mechanix (uma pérola!!!) e a excelente Symphony of Destruction. O set está bem balanceado, com músicas antigas, mas dando maior ênfase ao período de Youthanasia e do cd The World Needs a Hero, mas considerando que não foi colocada nenhuma música do fraquíssimo Risk, já é um lucro. O segundo cd abre com a pesada porém melódica Almost Honest e traz a nova 1000 times Goodbye. Além dos clássicos já citados e da "sarcástica" Sweating Bullets, e a baladinha Trust, que não compromete o cd.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No geral é um bom cd, mas mostra que a voz de Mustaine não é competente para tons altos, embora se dê relativamente bem em vocalizações mais baixas, e mostra uma formação muito habilidosa e que seria capaz de levar o Megadeth a muitos anos de estrada. O som está bom, sem comprometimento, digno de um bom cd ao vivo, não parecem haver overdubs, mas só o estúdio dirá. Em suma: um bom cd. Vale como registro de uma ótima banda, que conseguiu chegar ao topo e se manter próxima a ele sem precisar apelar (apesar do cd Risk...). Confira!


Outras resenhas de Rude Awakening - Megadeth

imagemResenha - Rude Awakening - Megadeth

Resenha - Rude Awakening - Megadeth

Resenha - Rude Awakening - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.