Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba


Stamp

Resenha - Bedlam Born - Steeleye Span

Por Raul Branco
Em 12/02/01

A saída da cantora Maddy Prior, última remanescente da primeira formação da banda, parece que mexeu com os componentes do Steeleye Span. Bedlam Born (PRKCD55, Park Records, 2000) será, provavelmente, um choque para fãs antigos e mais voltados para o folk, mas é animador ver um conjunto consagrado e com mais de 30 anos de carreira buscar um novo som e, de volta às raízes, mais rock do que nunca.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Das bandas inglesas que surgiram inspiradas pela fusão de rock e música tradicional, o Steeleye Span foi a única que ousou encarar esta mistura pelo prisma do rock ao invés do folk. A guitarra do Steeleye Span, por exemplo, sempre dividiu a honra dos solos com o violino, enquanto que, em outros grupos, seu papel era, basicamente, fazer a cama para outros instrumentos e mesclar seu timbre apenas para dar um toque de modernidade ao som, deixando o solo para acordeões, violões e violinos.

A introdução da primeira faixa, "Well Done Liar!", já causa estranheza no ouvinte desavisado, que procura um som a la Enya ou Loreena McKennitt: a bateria de Dave Mattacks soa como um cruzamento de Charlie Watts com Lee Kerslake, seguido de um riff de guitarra dobrado pelo baixo, e aí você jura que vai entrar Mick Jagger cantando. Em vez disso, ouvimos Bob Johnson, que, infelizmente, participou em apenas seis das 14 músicas que compõe o álbum. Mal o disco foi lançado, ele e sua Fender Stratocaster largaram o grupo para cuidar de sua vida pessoal, após 28 anos de bons serviços prestados.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Esse clima de riffs de guitarra, baixo e bateria pesada aparecem em outras peças, como "The Beggar", "We Poor Labouring Men" e "John Of Ditchford", onde o destaque fica, nesta última, para o baixista/tecladista/guitarrista/vocalista Tim Haries, figura que vem ganhando cada vez mais espaço na banda. Tanto a levada quanto a frase que Tim executa antes de cantar lembram muito o baixista anterior, Rick Kemp, que retornou ao grupo para a excursão de lançamento do cd, permitindo que Tim assumisse a guitarra.

O mais importante para se entender esta nova fase do grupo é sentir o clima do disco, muito denso. Mesmo uma balada como "I See His Blood Upon The Rose", cantada por Gay Woods, tem um acompanhamento que, para descrevê-lo, precisamos, no mínimo, de adjetivos como "opressivo", "claustrofóbico", "cavernoso" ou "angustiante".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco tem momentos que lembram a velha fórmula, como nas músicas compostas por Peter Knight, "Who Told The Butcher" e "Poor Old Soldier", e numa peça de clima mistíco/onírico (falamos de Enya, certo?), "Beyond The Dreaming Place", mas são exceções. O melhor exemplo é "We Poor Labouring Men". Nunca gravada anteriormente, fazia parte do repertório da banda em shows, onde a base do arranjo eram os vocais harmonizados de Maddy, Gay, Tim, Peter e Bob, secundados pelo teclado com timbre de piano elétrico e a guitarra com o som limpo, sem efeitos, de Bob. Em Bedlam Born, a base passa a ser tanto a guitarra cheia de overdrive quanto o vocal, áspero e seco, ambos por conta do guitarrista Bob Johnson. Esse arranjo condiz mais com a letra, orgulhosa e sarcástica, onde os trabalhadores falam de sua importância, subestimada por uma "elite" profissional composta por fazendeiros, açougueiros e padeiros.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Falando-se em letra, somente cinco são tradicionais. Todos os componentes do grupo, mais do que excelentes arranjadores, são compositores e letristas de grande habilidade, sendo que algumas capturaram tão fortemente a essência do folk que as músicas parecem ter origem popular.

Em resumo: Bedlam Born é ao mesmo tempo uma reviravolta e uma surpresa agradável. Resta saber se, com a ausência de Bob Johnson, a banda manterá esta linha ou partirá para outro tipo de trabalho.

Ficha Técnica:
"Bedlam Born" – Steeleye Span
PRKCD55, Park Records, produzido pelo grupo e mixado por John Etchells e Steve Watkins
Gravado nos estúdios Warehouse (Oxford, Inglaterra) em 2000
Peter Knight: Violinos acústicos e elétricos, teclados e vocais
Bob Johnson: Guitarra, violão e vocais
Gay Woods: Vocais e percussão
Tim Harries: Baixo, guitarra, teclados e vocais
Dave Mattacks: Bateria e percussão
Músicas: "Well Done Liar!", "Who Told The Butcher", "John of Ditchford", "I See His Blood Upon The Rose", "Black Swan", "The Beggar", "Poor Old Sodier", "Arbour", "There Was A Wealthy Merchant", "Beyond The Dreaming Place", "We Poor Labouring Men", "The Connemara Cradle Song", "Stephen" e "The White Cliffs Of Dover".

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Folk Rock Inglês - Os Avós do Folk Metal



Sobre Raul Branco

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Raul Branco.