Sonic Youth: resenha do "The Destroyed Room" pela própria banda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Brunelson T., Fonte: Rock in The Head
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em Dezembro/2006, o SONIC YOUTH lançava o seu 15º álbum de estúdio, "The Destroyed Room". Esse disco na verdade apresenta músicas que ficaram de fora de alguns álbuns do grupo, lados-b, trilhas sonoras e outras raridades.

Sonic Youth: Kim Gordon lançando álbum-soloMegadeth: Mustaine fala sobre bandas satânicas

Foi a deixa final referente ao fim do contrato com a sua gravadora desde 1990, Geffen Records.

E no encarte do livrinho que acompanha o disco, os membros da banda dissecaram cada música dando a sua própria versão - e na mesma ordem do álbum. Confira:

1. "Fire Engine Dream" (ficou de fora do 13º disco, "Sonic Nurse", 2004).

Nós entendemos que daríamos início a esse bebê com uma jam de mais de 10 minutos. Parafraseando, ou neste caso, citando diretamente a inimitável banda HAIR POLICE: "Vamos ver quem está aqui e quem não está".

2. "Fauxhemians" (ficou de fora do 12º disco, "Murray Street", 2002).

Retirado de quando estávamos apenas começando a compor as músicas que seriam lançadas no álbum "Murray Street", Kim e Thurston (baixista e guitarrista, ambos vocalistas) se instalaram no estúdio sentados num sofá, com algumas cadeiras ao redor e Aaron Mullan gravando numa máquina portátil digital de 16 faixas - que Thurston havia conseguido no eBay. Intitulado após um ensaio, descrevendo o surgimento de jovens moradores privilegiados de New York e assumindo os ares românticos da tradicional e genuína cidade que abraçou vários artistas (boêmios) do passado, sendo de New York, a diferença mais óbvia além dos imóveis super inflacionados, é que agora esse comportamento se tornou um estilo de vida proibido.

3. "Razor Blade" (ficou de fora do 8º disco, "Experimental Jet Set, Trash & No Star", 1994).

Doce canção renegada das sessões do nosso álbum de 1994...

4. "Blink" (trilha sonora do filme Pola X, 1999)

Gravado em 1999, que é o ano em que lançamos e percorremos (apenas na Europa) a turnê do disco só de covers, "Goodbye 20th Century", que na verdade são gravações/execuções das nossas interpretações radicais no cânone da música contemporânea acadêmica do século XX. O cineasta francês, Leos Carax, solicitou especificamente ao SONIC YOUTH uma canção para o seu filme, Pola X.

5. "Campfire" (ficou de fora do 11º disco, "NYC Ghosts & Flowers", 2000).

Em uma campanha pelas luzes criativas da Tannis Root (que fazem toda a merchandising do SONIC YOUTH, como camisas, bonés, etc) - para promover a incrível máquina de som Groovebox Synth/Sampler - um punhado de amigos nossos como BECK, PAVEMENT e o próprio SONIC YOUTH, foram convidados a compor faixas instantâneas na besta. Não só foi divertido, mas também conseguimos grava-las. Muito legal, exceto que esquecemos a mala com as gravações no carrossel de bagagens do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. Como Mike Watt diria (vocalista/baixista do MINUTEMEN): "Doe!"

6. "Loop Cat" (para álbum tributo em honra ao filme de 1971, Two Lane Blacktop, 2003)

Durante as gravações para o disco "Murray Street", no Murray Street Studio (descanse em paz), Jim O'Rourke (quando a banda incluiu um 3º guitarrista no grupo, entre 1999 à 2005) passaria por vários efeitos sonoros, ouvindo, ouvindo, ouvindo e nós estávamos sentados lá e pensando: "Como essa música de processo em tempo real soa legal". Também foram feitas tentativas em executar funções numa máquina DAT para capturar alguma coisa... Por isso que essa música fez parte do conceito que a Plain Recordings tinha para artistas, lançando um disco com canções de CAT POWER, ALVARIUS B, SANDY BULL... Eles queriam apresentar músicas com alguma relevância estética para o incrível filme de 1971 de Monte Hellman, Two Lane Blacktop.

7. "Kim's Chords" (ficou de fora do 13º disco, "Sonic Nurse", 2004).

Uma canção baseada em torno de uma linha descendente em ondas na guitarra, que era como Kim estava tocando na época. Bastante completa em conceito, nós nunca continuamos a desenvolvê-la além desse estado, que por sinal, é um bom estado para ser.

8. "Beautiful Plateau" (ficou de fora do 13º disco, "Sonic Nurse", 2004).

Obviamente, essa música é extraída de uma improvisação em grupo, onde um momento totalmente sonoro de meditação rock'n roll ocorre, saindo de um congestionamento estendido de ruído - e assim, uma canção nasce. É aquela coisa única que só poderia existir naquele momento... Tínhamos que retalha-la mais um pouco e bolar um título, para esmagá-la de vez em um disco oficial.

9. "Three Part Sectional Love Seat" (ficou de fora do 12º disco, "Murray Street", 2002).

Do mesmo período que a canção "Fauxhemians", essa música foi uma das primeiras a ser investigada na época e foi instigada por uma figura de guitarra elétrica atrás da ponte que Thurston havia introduzido. Uma estrutura desajeitada e aberta sendo balançada aqui e uma que nós resolvemos deixa-la do jeito que está.

10. "Queen Anne Chair" (ficou de fora do 12º disco, "Murray Street", 2002).

Outro dessa mesma sessão que, ao que parece, nós a tínhamos pronta no gatilho. Você pode ouvir a indicação das mudanças de seções específicas no topo da música e há uma versão alternativa dessa canção, onde uma quebra da guitarra mais metal é inserida - mas esta versão aqui, como um todo, soa melhor.

11. "The Diamond Sea" (lançada no 9º disco, "Washing Machine", 1995).

A canção mais antiga dessa coletânea. Nós tocamos essa música todas as noites no final dos nossos shows na turnê do Lollapalooza Festival/1995. Foi a situação consumada onde nos agarramos a uma fervorosa emoção popular para ficar "perdido" - algumas noites muito perdido mesmo, numa simbiose total com essa canção quando tocada. Esta versão é o take não editado, o qual teve que ser encurtado para o álbum "Washing Machine". Provavelmente, é a culminação de nosso desejo em borrar as linhas entre composição e improvisação (que se tornaria mais tarde muito mais uma atividade híbrida, particularmente no disco "Sonic Nurse").

É essa a distinção de mundo sonoro do SONIC YOUTH que decidimos apresentar no álbum "The Destroyed Room", em oposição a quaisquer músicas mais tradicionais e diretas que estão por aí em nossa selvagem discografia. Para nós, é um aspecto artístico do SONIC YOUTH que estamos ansiosos para apresentar, não apenas à cena musical radical e underground com a qual estamos em comunidade, mas também no contexto de nossa amigável gravadora, Geffen Records.

Então, segure firme, vote pela paz e nos veremos em breve.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Sonic Youth"


Sonic Youth: Kim Gordon lançando álbum-solo

Capas de disco: como seriam se fossem gifs animadosCapas de disco
Como seriam se fossem gifs animados

Nirvana: Kurt entrou no camarim e beijou Eddie Van Halen na bocaNirvana
"Kurt entrou no camarim e beijou Eddie Van Halen na boca"

Gigantes do Rock e Metal: alguns músicos muito, muito altosGigantes do Rock e Metal
Alguns músicos muito, muito altos


Megadeth: Mustaine fala sobre bandas satânicasMegadeth
Mustaine fala sobre bandas satânicas

Doors: Perguntas e respostas e curiosidades diversasDoors
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1980Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1980

Halloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a dataHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea

Kerry King: gostaria de tocar com Zakk WyldeKerry King
"gostaria de tocar com Zakk Wylde"

Johnny Depp: nunca mais deve beber em noitadas com Keith RichardsJohnny Depp
Nunca mais deve beber em noitadas com Keith Richards


Sobre Brunelson T.

Vocalista/guitarrista da banda Terrakiuz.

Mais matérias de Brunelson T. no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336