Lobão: Assim sangra a mata

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fotoboard Tramparia, Fonte: Lobão - Autobiografia
Enviar correções  |  Ver Acessos

LOBAO foi convidado a participar de um programa de televisão com gravação em um garimpo na Amazônia. O objetivo dessa matéria era destacar que apenas naquele garimpo, dentre vários outros garimpos na região amazônica, não possuía mercúrio no processo de extração dos minérios.

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixa 11: Profunda e Deslumbrante Como o Sol | Álbum: O Rigor e a Misericórdia | LOBAO | Gravadora: Tratore

O grande Lobo, que não era nem um paspalho, logo percebeu do que se tratava.

Descontente em saber que foi enganado, o astro do rock nacional desistiu de fazer parte daquela maracutaia. 

O trecho a seguir conta o lado positivo da visita do Lobo ao pulmão da Terra.

Essa passagem foi retirada do livro LOBAO - Em Busca do Rigor e da Misericórdia.

Local de Publicação: Rio de Janeiro | Ano: 2015 | Páginas: 224 | Editora Record | Layout de Capa: Estúdio Insólito, sobre foto de João Puig.
Local de Publicação: Rio de Janeiro
Ano: 2015
Páginas: 224
Editora Record
Layout de Capa: Estúdio Insólito, sobre foto de João Puig.

A missão do programa era fazer propaganda enganosa segundo a qual o tal garimpo se diferenciava de todos os demais por não usar mercúrio no processo de extração.

E é claro que usava, como descobri, impedido, no entanto, de divulgar a verdade na "reportagem".

Tampouco pude tratar da situação devastadora das terras periféricas do garimpo, que sofriam um terrível processo de desmatamento.

Eram vetos intrigantes, porque sobre os dois fatos jornalísticos mais relevantes de nossa excursão.

Esses episódios pouco enobrecedores, mais outros tantos da mesma natureza, precipitaram minha saída do tal programinha.

Mas essa miséria moral não mataria a capacidade de a Amazônia me alegrar e inspirar.

Assim, quando me pus a compor febrilmente para o novo disco, em meados do ano passado, me veio à memória um teminha folk/fluvial que cantarolava na barca que me levava pelo Rio Madeira.

Um teminha que, na verdade, compusera por ocasião de meu Acústico MTV, lá pelos idos de 2006, e para o qual nunca elaborara uma letra.

Direto da Coleção Cifranegriana: Pôster do show do Lobão em maio de 2016.

Comecei assobiando uma melodia que lembrava uma música do Burt Bacharach, tipo "The world needs love", num compasso de três por quatro (típico de valsas) e com uma levada bem Neil Young no violão. O teminha saiu inteiro!

E não foi à toa que me voltou enquanto navegava Amazônia adentro, contemplativo, bucólico e fluvial. Aquilo me emocionava. E o teminha era a trilha sonora que se impunha naturalmente.

Embriagado por aquela nostalgia, peguei meu violão folk, um lindo Taylor, e me pus a tocar o tema, ao mesmo tempo provocando minha memória e invocando as sensações que me marcaram naquela profunda experiência amazônica: estrelas cravejantes num céu de negro profundo e fundido com a terra no breu da selva, a saudade de minha mulher querida de olhos de farol, olhos que se corporificavam nas estrelas lá em cima e que me apareciam quando deitava na rede, já em outro céu, uma lua que surgia entre as nuvens.

Todas aquelas emoções díspares de desconforto, hospitalidade, calor de dia, frio de noite, me invadiam a alma.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O carinho dos habitantes do garimpo, o deslumbramento, a saudade, o pertencimento, a tristeza, a esperança, a devastação da floresta, o vapor do mercúrio naquelas imensas piscinas prateadas que, incrustadas naquele terreno avermelhado, vivo, de carne esfolada recém-deflorada, mais pareciam a paisagem de outro planeta.

Tantos entreveros sombrios e, ainda assim, mais uma canção.

Mais uma que, após ultrapassar sentimentos hostis, nascia bela e serena, com uma recompensa, como se minha alma quisesse me dizer: "Tudo pode virar beleza." Eu a batizei de "Assim sangra a mata":

Canto em silêncio e a memória me traz
Seus olhos em milhões de estrelas
A lua tropeça nas nuvens e o amor
Me invade em plena floresta

Ah! O vento que sopra
Ah! Me traz um perfume
Ah! E a noite transborda
Com a minha alegria estampada no céu!
No céu!

Nada se vê além de um negro profundo
No coração da floresta que a noite engoliu
As vezes a noite é um insight da morte
Enquanto a aurora a vida que há de vir

No embalo da barca ao sabor da maré
O negro e o vermelho das chamas
Nas margens igreja em igarapés
Fiéis a clamar esperança

Ah! E assim sangra a mata
Ah! O vapor do mercúrio
Ah! É o preço do ouro
Sangue e fumaça beleza cruel
Cruel

Minha alma vagueia no embalo das águas
Em meio ao fascínio de furioso esplendor
Mesclando o luto do abandono
Com a alegria intensa de ter meu amor

E encher meu coração de esperança
Com as gotas de sonho que o vento me traz
E crer na chuva como benditas lágrimas
E que a boa vontade inunde essa terra de luz

Essa matéria faz parte da categoria Trecharias BioRockers e da Biblioteca Cifranegriana - Portalblog cifranegramisterial.com

Faixa 7: Dilacerar | Álbum: O Rigor e a Misericórdia | LOBAO | Gravadora: Tratore

Faixa 14: O Rigor e a Misericórdia | Álbum: O Rigor e a Misericórdia (2016) | LOBAO | Gravadora: Tratore

Faixa 4: Assim Sangra a Mata | O Rigor e a Misericórdia (2016) | LOBAO | Gravadora: Tratore




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Lobão"


Lobão: Titãs é uma bandinha chechelentaLobão
Titãs é uma "bandinha chechelenta"

Lobão: cantor critica Fiuk, Restart e Luan Santana em rádioLobão
Cantor critica Fiuk, Restart e Luan Santana em rádio


Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte


Sobre Fotoboard Tramparia

Fotógrafo artístico que registra e cria cenários com objetos ligados a cultura pop/rock, como CDs, livros, camisetas etc. Edita textos, fotos e divulga bandas no Portalblog cifranegramisterial.com. Desde os tempos de guri, ouve Led Zeppelin, The Cult, Rush, AC/DC, Iron Maiden, Guns N' Roses, Alice In Chains, entre outras inúmeras lendas do rock/metal. Toca piano e teclado, pratica esportes e está sempre em busca de energia rock and roll e da natureza.

Mais matérias de Fotoboard Tramparia no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280