Matérias Mais Lidas

imagemMaranhão Open Air anuncia line-up com 24 bandas em dois dias

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemCinco músicas lançadas após o ano 2000 que se tornaram clássicos do rock - Parte II

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemRaul Seixas: o clássico que presta homenagem ao brega e foi feito com Paulo Coelho


Dream Theater 2022

Coroner: o retorno e a promessa de disco novo para 2017

Por Ricardo Cunha
Fonte: Esteril Tipo
Em 19/08/17

publicidade

Havendo começado modestamente como roadies para o lendário Celtic Frost, os membros da banda Coroner construíram uma das carreiras mais originais da cena thrash metal européia. No início foram taxados de "convencional", mas com composições complexas e musicalidade caótica, rapidamente conquistaram a maioria dos críticos, alguns dos quais os chamaram de "o Rush" do thrash metal. Ao longo de oito anos e de seis álbuns, eles lutaram constantemente para se expandir dentro das limitações do metal, mas, conquistaram pouco sucesso comercial. Ainda assim, sua coragem de experimentar permitiu que seus álbuns resistissem ao teste do tempo melhor do que muitos dos seus similares mais famosos.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

O guitarrista Tommy T. Baron (nome verdadeiro Thomas Vetterli) e o baterista Marquis Marky (também conhecido como Marky Edelmann) fizeram várias turnês de trabalho como roadies para a seminal Celtic Frost antes de fundar o Coroner com o baixista / vocalista Ron Royce em 1985. Tom Warrior chegou a cantar em sua demo Death Cult.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Conseqüentemente assinando com o selo alemão Noise, o trio estreou com o disco R.I.P. de 1987, logo seguido de Punishment for Decadence (para muitos, o melhor disco da banda e um dos melhores do gênero) de 1988, que contou com um cover surpreendente de "Purple Haze", de Jimi Hendrix. Com o disco No More Color, de 1989, o Coroner inaugurou sua época dourada e elevou seus padrões em todas as frentes: desde a arte estilizada do álbum até os ritmos mais lentos e mais pesados, que revelaram sua incrível proficiência técnica em experimentos que começaram a romper com as limitações do thrash metal, tanto musical quanto liricamente. Mental Vortex simboliza uma visão mais ambiciosa, que incluía uma releitura para a clássica "I Want You (She's So Heavy)", dos Beatles.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Gravado pelo produtor top do thrash Tom Morris, muitos esperavam que o álbum desse um "up!" na carreira da banda, levando-os a um outro nível e à um público mais amplo. Mas se devido à mudança mercadológicas (o rock alternativo acabara de chegar), ou simplesmente pelo fato de "talvez" estar à frente do seu tempo, as coisas simplesmente não como se esperava. Decepcionados, a banda se reuniu e planejou um álbum ainda mais ousado. Com Grin, de 1993 abandonou em grande parte, a agressividade "thrash" dos primeiros dias e se concentrou em dinâmicas mais atmosferas e misteriosas. Ironicamente, este movimento se mostrou radical demais para os fãs vereranos, e isto os dividiu sobre muitos aspectos do álbum.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A banda ficou aparentemente insegura e sucumbiu às pressões, resolvendo separar-se. A Noise Records, gravadora, não estava pronta para deixar a banda morrer, e parece ter forçado o guitarrista Baron a continuar. Então, em 1995, um ano após o fim da formação clássica, a banda lança uma coletânea simplesmente intitulada "Coroner". Para gravar o material inédito contido neste lançamento a banda convida o baterista Peter Haas, que substituiu Marky Edelmann. Após este lançamento, Vetterli temporariamente liderou sua própria banda, Clockwork, antes de se juntar ao thrashers alemães do Kreator com quem gravou o álbum Outcast.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Edelmann assumiu as tarefas de bateria com a antiga banda de Tom Warrior, o Apollyon Sun. Em 2011, Tommy Vetterli, Ron Broder e Marky Edelmann começaram a tocar ao vivo novamente sob o nome de Coroner, mas não tinham planos de lançar qualquer novo material. Edelmann deixou o grupo dois anos mais tarde, e foi substituído por Diego Rapacchietti. Em 2016, a banda assinou um acordo mundial com a Sony Music suiça e a Century Media para relançar mundialmente os discos do grupo. Uma caixa com o singelo nome de "Autopsy" contendo uma montanha de material saiu no mesmo ano, bem como um anúncio de que o grupo lançaria um novo álbum de estúdio em 2017.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991

Thrash metal: 10 grandes álbuns do estilo lançados em 1988

Suíça: 10 grandes bandas de rock and roll e metal que surgiram na terra dos relógios

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.

Mais matérias de Ricardo Cunha.