Megadeth: Dystopia tem a essência dos primeiros álbuns, diz Ellefson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carol Manzatti, Fonte: Blabbermouth
Enviar correções  |  Ver Acessos

No início de Agosto, o baixista David Ellefson concedeu uma entrevista ao site HeavyMetal.dk, da Dinamarca. Entre várias perguntas feitas, ele comentou sobre a relação com Dave Mustaine, como funciona o equilíbrio da banda:

Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaSeparados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano Huck

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Eu diria que o MEGADETH é definitivamente uma visão que Dave Mustaine teve" disse Ellefson. "E é interessante como isso tudo foi dando certo, porque quando ele e eu nos conhecemos, ele havia saído do METALLICA, pouco mais de 1 mês e acho que ele estava tentando descobrir qual seria o próximo passo. Eu acho que em qualquer banda, você precisa de parceiros, você precisa de pessoas que estão dispostas a 'comprar o sonho' junto com você e eu certamente fui esse cara desde o começo. A banda em si, é o carisma dos riffs de Dave, a maneira dele cantar."

Ele segue: "Nós estávamos falando sobre isso esses dias. Há ótimos vocalistas, cantores mesmo. E há também os que assumem o microfone com tanta convicção que assusta as pessoas. E é isso que Dave faz. É tipo a primeira frase da música Sweating Bullets, a entonação dele. Tem convicção. A proeza vocal não é tão importante quanto a convicção que você tem naquilo que faz, isso eu aprendi desde o dia em que eu o conheci. Provavelmente eu sou o yin do yang, eu sou o equilíbrio disso. E todas as bandas precisam disso, tem que ter equilíbrio. É isso que traz harmonia ao MEGADETH. Depois da entrada do Kiko, nos tornamos uma verdadeira equipe."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falando sobre a presença de Kiko Loureiro e Dirk Verbeuren, ele diz: "Eu lembro que quando terminamos de gravar o Dystopia, Dave disse pra mim 'Cara, estou tão feliz que o Kiko está aqui. Sinto que tenho um verdadeiro parceiro de guitarra. Eu cresci com essa visão de 'guitarra gêmea', quando os caras se complementam tipo ouvindo o THIN LIZZY, JUDAS PRIEST, IRON MAIDEN, KISS e agora eu tenho isso na nossa banda também'. Com o Dirk, ele realmente tem uma concepção de músico, de estudante e de fã. Ele entende a essência dos bateristas anteriores, que fizeram parte da história da banda. Então agora, eu sei que nós somos A banda. Somos o MEGADETH perfeito."

David também fala sobre o porque Dystopia foi tão bem recebido: "Fomos pegos de surpresa, eu admito. Sempre que nós escrevíamos a melodia ou algum riff, nós chegávamos ao ponto de parar e falar 'ok, aqui esta o refrão' e saia assim, fácil. Nós nunca escrevemos músicas desse jeito. In My Darkest Hour é um exemplo perfeito, havia uma compilação constante de riffs e de repente nós parávamos e dizíamos 'vamos mudar o rumo disso aqui pra outra direção'. No momento em que gravamos Symphony Of Destruction, do Countdown To Extinction descobrimos aonde nós queriamos chegar com a banda, qual rumo tomar. E muito disso, dessa nova visão, foi graças a formação que tínhamos. Marty trouxe um excelente componente melódico, Nick tinha um verdadeiro carisma e estilo para tocar. Nós realmente fomos analíticos sobre tentar levar o MEGADETH até onde sabíamos que poderíamos chegar e conseguimos. O problema é que, uma vez que você consegue alcançar esse nível, fica difícil voltar a ser aquela banda dos primeiros quatro disco. Dystopia finalmente nos trouxe a esse período de "Killing Is My Business", "Rust In Peace", no sentido de riffs e complexidade nas músicas. Não é apenas estar ocupado trabalhando mas ser realmente musical, ser complexo e ter tudo isso junto. Sobre voltar a 'ser a banda dos primeiros 4 discos' quer dizer que trouxemos de volta a essência mas temos agora um grupo de caras trabalhando juntos, dentro do som temos harmonia, temos melodia, soa bem. Tem a essência dos primeiros trabalhos porém mais maturidade."

A banda planeja entrar em estúdio no final do ano para trabalhar no sucessor do Dystopia, lançado em 2016. O próximo disco será a estréia de Dirk Verbeuren em um álbum de estúdio com o MEGADETH e eles planejam o lançamento para 2018.

Relembre a performance da música Dystopia, no Hellfest de 2016:




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Megadeth"Todas as matérias sobre "David Ellefson"


Marty Friedman: por que ele prefere comer vidro que ouvir Jimi Hendrix?Marty Friedman
Por que ele prefere comer vidro que ouvir Jimi Hendrix?

Kiko Loureiro: as polêmicas do Grammy e a vida de rockstarKiko Loureiro
As polêmicas do Grammy e a vida de rockstar


Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaFotos de Infância
Max e Igor Cavalera, do Sepultura

Separados no nascimento: Edu Falaschi e Luciano HuckSeparados no nascimento
Edu Falaschi e Luciano Huck


Sobre Carol Manzatti

Ex-baterista, cozinheira, apaixonada por rock'n'roll. Viveria da música se possível, mas ainda não foi aceita no Iron Maiden, então seguirá só escrevendo sobre bandas. Fã do Darth Vader.

Mais matérias de Carol Manzatti no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280