Caravan e Soft Machine: rock progressivo com levadas de jazz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Flávio Siqueira
Enviar Correções  

Em 1968, o prog rock tem sua primeira divisão, tendo como elemento principal na sonoridade progressiva o jazz. Surge então a Canterbury scene, vertente do rock progressivo cujos maiores expoentes foram as bandas Soft Machine e Caravan. O jazz então passou a ter destaque entre alguns músicos da cidade de Canterbury, sudeste da Inglaterra — por isso a denominação "Canterbury scene" ou "cena Canterbury" para a primeira divisão do prog. O Soft Machine tinha em sua formação uma lenda do Canterbury, Robert Wyatt, baterista e vocalista do grupo que fatalmente, em 1973, sofreu um acidente que o deixou paraplégico. A banda gravou o primeiro álbum, The Soft Machine, durante uma turnê em que abriam shows para Jimi Hendrix Experience. No entanto, no primeiro disco da do Soft Machine, o jazz ainda não estava tão impregnado.

publicidade

Já no segundo álbum, Volume Two, de 1969, o jazz é mais presente: improvisações e complexas harmonias davam tom ao álbum. Em Volume Two, a utilização de saxofone acentuou ainda mais o clima jazzístico da banda. Mas é inegável que já no primeiro disco o Soft Machine tinha o jazz como uma das bases de suas músicas. Os instrumentais "Priscilla" e "Plus Belle Qu’une Poubellee", por exemplo, são os exemplos mais claros dessa nova forma de fazer música e, sobretudo, fazer rock progressivo. O ritmo da bateria nessas canções é jazz. Puro jazz. Também é patente tanto em The Soft Machine quanto em Volume Two que a banda conservava o teor psicodélico que caracterizou grupos que fizeram parte da fase proto-prog do rock progressivo.

publicidade

A exemplo do Soft Machine, o Caravan, outra grande banda de Canterbury, lançou o primeiro álbum, o autointitulado Caravan, com sutis referências de jazz, seguido de If I Could Do It All Over Again, I'd Do It All Over You, disco com influências mais incisivas e perceptíveis da sonoridade jazzística. O primeiro data de 1968. Já o segundo é de 1970. No disco autointitulado, a canção "Love Song With Flute" permeia entre acordes ternos e acolhedores até culminar numa inebriante levada jazzística a partir de dois minutos e 40 segundos.

publicidade

Em If I Could, a música "Can’t be long now" é o exemplo mais evidente da junção do rock psicodélico do grupo ao jazz, explícito sobretudo através das linhas melódicas de saxofone nessa canção. E aí nota-se mais uma coincidência entre Soft Machine e Caravan: a utilização de instrumentos de sopro a partir do segundo álbum que produziram. Contudo, as coincidências não param por aí. Essas duas bandas se originaram a partir da fragmentação do The Wilde Flowers, grupo da cidade de Canterbury formado em 1965 que se dividiu nas duas bandas mais representativas da primeira vertente do rock progressivo.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: os segredos de Enter SandmanMetallica
Os segredos de "Enter Sandman"

Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbisRob Zombie
Sua lista dos 5 Melhores Filmes de Zumbis


Sobre Flávio Siqueira

Nascido e criado em Brasília, aos 14 anos pegou emprestado um "The Best of" do Pink Floyd. O choque foi tão grande que resolveu aprender guitarra somente para executar o solo de "Time". De lá pra cá vem estudando guitarra e apreciando bandas de stoner, grunge e rock progressivo, além de muito blues e algumas coisas de jazz e música erudita. Atualmente toca guitarra numa banda que mescla influências de stoner, grunge e uma pitada de rock psicodélico.

Mais matérias de Flávio Siqueira no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin