Epica & DragonForce: Farra e trilha de primeira no Rio de Janeiro

Resenha - Epica & DragonForce (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 06/03/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcelo Prudente
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Poucas coisas conseguem ser melhores do que a combinação de uma noite de sexta-feira, começo de mês com salário na mão, amigos e ótimos shows como trilha sonora da diversão, e foi dessa forma que o público carioca pôde saborear a noite da última sexta (06) quando o duo DragonForce e Epica garantiram a farra e o soundtrack de primeira.

Slayer: assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Imagem

Imagem

O esquenta da noite ficou por conta da banda convidada, os ingleses do DragonForce portando o estandarte de seu intenso e ultra veloz power metal. Por ser o ‘opening act’ da noite, a banda fora obrigada abreviar boa parte de seu repertório, mas sua breve estada no palco foi festejada e saudada pelos cariocas durante toda a apresentação.

Sabiamente, a banda – Marc Hudson (vocal); Herman Li (guitarra); Sam Totman (guitarra); Frédéric Leclercq (baixo); Gee Anzalone (bateria) e Vadim Pruzhanov (teclado) – se dispôs apresentar o mais recente álbum de estúdio, ‘Maximum Overload, intercalando com temas mais antigos, assim, canções do teor de “The Game” e “Symphony of the Night” encontraram perfeita sintonia em “Valley of the Dammed” e “Through the Fire and Flames”.

Imagem

Imagem

O porém – que também persistiu no espetáculo da atração principal – da apresentação dos ingleses foi reservado aos momentos que a equalização sonora cismava embolar a massa sonora que chegava ao público, o que dificultava o entendimento e, lógico, apreciação da canção.

Nem parece que já se passaram mais de uma década desde o lançamento do primeiro álbum dos holandeses do Epica, e foi nesse ínterim que, inteligentemente, a banda soube lapidar sua arte, absorvendo novas influências, mas mantenho sua identidade reconhecível para si mesma e, claro, para seu cativo público, que fez – e faz – questão prestigiar todos os seus feitos e sucessos.

Imagem

Imagem

A atração principal da festa da última sexta-feira deu pontapé com “The Second Stone” e sem direito a respiro e/ou gole d’água que “The Essence of Silence” mostrou que o peso e uma banda bem afiada seriam o tom da noite.

O atual Epica respira vitalidade e o brilho nos olhos é mais intenso desde entrada de Isaac Delahaye (guitarra e vocal); Ariën van Weesenbeek (bateria) e Rob van Der Loo (baixo) – completa a banda os veteranos Mark Jansen (guitarra e vocal); Simone Simons (vocal) e Coen Jassen (teclado) –, o que é, facilmente, perceptível nas apresentações ao vivo aonde ganharam acentuado peso, técnica e um quê a mais de: estamos nos divertindo a valer e estamos compartilhando isso com vocês, fãs.

Imagem

Em quase duas horas de show, a banda conduziu, com maestria e elegância, o público ao supra-sumo de sua carreira, mesclando temas dos primórdios aos mais atuais, o que garantiu um ótimo equilíbrio à apresentação.

Citar essa ou aquela canção como destaque seria covardia, visto o aprumo da performance dos holandeses, com isso, temas como “Unleashed”; “Sensorium”; “Cry for the Moon”; “The Last Crusade”; “Sancta Terra”; “Unchain Utopia” e “Consign to Oblivion” tiveram suas respectivas relevâncias para o saldo positivo da festança.

Nada melhor que começar o final de semana com o pé direito, e graças às bandas DragonForce e Epica, o público carioca não pôde reclamar, afinal, ambas as bandas presentearam seus respectivos fãs com uma grande e excepcional festa.

Fotos: Alessandra Tolc

Imagem

Imagem

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Epica"

Colírio pros headbangers
Uma galeria de fotos de Simone Simmons

Simone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

Feias que me perdoem
Musas do Rock e Heavy Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de março de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Epica"Todas as matérias sobre "Dragon Force"

Slayer
Assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"

Buckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Queen
As 10 melhores músicas da banda segundo a UCR

Tom Araya: ensinando filhos a ouvir MetalPlanet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os temposLoudwire: os melhores álbuns de rock de 2013 até agoraUltimate Classic Rock: As músicas mais subestimadas do MegadethMarilyn Manson: em programa de TV na MTV antes de ser famosoReligiões: as guerras santas abordadas em letras de Heavy Metal

Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.

Mais matérias de Marcelo Prudente no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online