Tradução - Knights Of The Cross - Grave Digger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando P. Silva, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 



5000 acessosO lado escuro do rock: você acredita em magia negra?5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura


"Knights of the Cross, de 1998, é o segundo disco da trilogia sobre temas da Idade Média, iniciada em “Tunes of War” e finalizada em “Excalibur”. Conta a história da Ordem dos Cavaleiros Templários, criada durante o período das Cruzadas e cujo objetivo era o de defender os peregrinos cristãos que se dirigiam até a Terra Santa, e que mais tarde se tornaria a maior organização secreta da história. As letras, no entanto, não se atém a descrever somente a trajetória da Ordem dos Cavaleiros Templários; abordam, de uma maneira geral, o contexto histórico daquela época, marcada principalmente pela crise do sistema feudal que atingia diretamente as classes dominantes: a nobreza, que buscava novas terras e riquezas; a burguesia, que buscava novas rotas comerciais com o oriente; e a Igreja que tentava reafirmar sua autoridade, embora usando de meios condenáveis como a perseguição e a intolerância religiosa através de seus tribunais da Inquisição.

DEUS LO VULT

This is the fascinating tale of the Templars,
probably the most powerful and mysterious
organizations of the Middle Ages.
The Order of The Poor Knights Of Christ
and the Temple Of Salomon, originate from a
group of nine Aristocrates, whose sole aim was the
protection of the Holy Land. So let us undertake a
journey into the past, back to the origin, rise and
fall of the Order of the Templars. A journey, which
will lead us to the legendary world of the Knights
of the Cross

DEUS QUER ASSIM*

Esta é a fascinante história dos Templários,
provavelmente a mais poderosa e
misteriosa organização da Idade Média.
A Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo
e do Templo de Salomão, origina-se
de um grupo de nove Aristocratas cujo
único objetivo era a proteção da Terra Santa.
Então vamos iniciar uma jornada ao passado, de
volta à origem, ascensão e queda da Ordem dos
Templários. Uma jornada que nos levará ao lendário
mundo dos Cavaleiros da Cruz .

* Deus Lo Vult = Do latim, “Deus Quer Assim”. Palavras proferidas pelo papa Urbano II em 1095, durante o Concílio de Clermont, ao justificar a convocação das Cruzadas para reconquistar Jerusalém das mãos dos “infiéis” (muçulmanos).

KNIGHT OF THE CROSS

It is the end of the eleventh century
The Christians rule
European countries
The Pope is the head of church
Representing God on earth
His words are the law
His mind is set on war

In the name of God they kill
In the name of God they rape
Blood leads to glory - for God's sake

Knights, knights of the cross
Murder, murder
Fight to defend Jerusalem
From the unholy devils

Pope and priests cry out for holy war
God and Jesus they think to be fighting for
The Islam conquered Byzanz
Slaughter Christians everywhere
Knights of the Cross invade the East
Where the Islam dwells

Knights in the name of God
Stab women and men
Burning, raping, eating human flesh
Satanic bloodlust in their eyes
The first crusade is won
The knights realize too late
Their ankles are covered with Christian blood

CAVALEIRO DA CRUZ

É o fim do décimo primeiro século
Os Cristãos governam (os)
Países europeus
O Papa é o soberano da igreja
Representando Deus na terra
Suas palavras são a lei
Sua mente está voltada à guerra

Em nome de Deus eles matam
Em nome de Deus eles estupram
Sangue conduz à glória – pelo amor de Deus

Cavaleiros, cavaleiros da cruz
Matam, matam
Lutam para defender Jerusalém
Dos demônios profanos

O Papa e os sacerdotes clamam pela guerra santa
Deus e Jesus, eles pensam estar lutando por eles
O Islã conquistou Bizâncio*
Massacra os cristãos em todos lugares
Cavaleiros da Cruz invadem o Leste
Onde o Islã reside

Cavaleiros em nome de Deus
Apunhalam mulheres e homens
Queimando, estuprando, comendo carne humana
Sede satânica de derramamento de sangue em seus olhos
A primeira cruzada* é vencida
Os cavaleiros percebem tardiamente (que)
Seus tornozelos estão cobertos de sangue Cristão

O movimento das Cruzadas é geralmente definido como uma série de expedições armadas realizadas pelos cristãos contra os muçulmanos, entre os anos de 1095 e 1270, com o propósito de romper o cerco a que vinham submetendo a Europa desde o século VIII. Portanto, a idéia de libertação de lugares religiosos tradicionais como Jerusalém, transformou-se em bandeira desse movimento mas servia também como uma espécie de fachada aos reais interesses da Igreja, que tentava encontrar uma forma de reagir à crise do sistema feudal e se restabelecer no Oriente. Outros fatores também contribuíram para a constituição das Cruzadas, como o interesse comercial da burguesia (sobretudo dos comerciantes italianos) e a busca de novas terras por parte da nobreza feudal.

* Primeira Cruzada (1096-1099) = Cruzada dos Nobres. Comandada por Godofredo de Boullion, Raimundo de Toulouse e Boemundo, foi a única cruzada que obteve efetivos sucessos, reconquistando Jerusalém em 1099, organizando a região de forma feudal. Possibilitou ainda, a criação de ordens monásticas como a dos Hospitalários e a dos Templários (fundada em 1118). Porém, meio século mais tarde, Jerusalém voltaria para o domínio muçulmano, ocasionando assim a Segunda Cruzada, esta sem nenhum sucesso.

* Bizâncio = Cidade européia, situada às margens do Rio Bósforo, fundada pelos gregos no séc. VII a.C, e que se tornou a capital do Império Bizantino (330 a 1453 d.C), tomando o nome de Constantinopla (atual Istambul, Turquia).

MONKS OF WAR

Knights of the Cross
Winners of the battle
The Christians rule the Holy Land
In the East they settle
Hugo de Payens
A frenchman and duke
Promises the King of Jerusalem
To escort the pilgrim route

We are the monks
Protectors of God
A legend is born
Worship the Lord

Monks of war
Killers in the East
Monks of war
Killers or priests

The Order expands
Thousands prepare
To wearing the cross in red
To holy Warfare

The poor and the rich
Kings and queens
Giving money giving gold
Hugo de Payens means
Pope and priests
Patronize the Order
And they regard them
As heroes of this time

MONGES DA GUERRA

Cavaleiros da Cruz
Vencedores da batalha
Os Cristãos regem a Terra Santa
No Leste eles se estabelecem
Hugo de Payens**
Um francês e duque
Promete ao Rei de Jerusalém
Escoltar a rota dos peregrinos

Nós somos os monges
Protetores de Deus
Uma lenda nasce
Adorar ao Senhor

Monges da guerra
Assassinos no Leste
Monges da guerra
Assassinos ou sacerdotes

A Ordem se expande
Milhares se preparam
Para usar a cruz de vermelho
Para a Guerra santa

O pobre e o rico
Reis e rainhas
Dando dinheiro, dando ouro
Os recursos de Hugo de Payens
O Papa e os sacerdotes
Patrocinam a Ordem
E eles os consideram
Como os heróis desta época

* Monges da Guerra é uma referência a Ordem dos Templários. Tudo começou quando um grupo de 9 cavaleiros aristocratas decidiu escoltar as várias rotas de peregrinos que seguiam em direção a Terra Santa (após sua retomada das mãos dos muçulmanos ocorrida na Primeira Cruzada), transformando-se mais tarde, na maior e mais poderosa organização secreta da história. Estes monges guerreiros possuíam muitos fabulosos tesouros religiosos incluindo, assim se dizia, a coroa de espinhos usada por Cristo quando padeceu na cruz e o Santo Gral. A Ordem possuía uma riqueza imensurável. Os Reis da Europa viviam negociando empréstimos. Criaram muitos aspectos fundamentais do sistema de operação bancário internacional dos nossos dias como as notas bancárias e as cartas de crédito. Contudo, fiéis aos seus votos solenes de pobreza, os membros desta sociedade secreta eram paupérrimos.

** O francês Hugo de Payens foi o fundador da Ordem dos Templários e seu primeiro Grão-Mestre.

HEROES OF THIS TIME

Now the time has come
The pagans are finally gone
Jerusalem in Christian hands
The Templars raise their banners
Innozenz gives them their benediction
Epic songs all over the land
Knights of the Cross die for religion
Death in action brings the Promised Land

Heroes of this time
In their honour
Church bells never
Cease to chime

Heroes of this time
Paradise comes
When blood flows
Like wine

Martyrs made of steel
Longing for God to reveal
Outremer deadly holy ground
Lives are lost
Celestial bliss found
In the middle of the twelfth century
Their glamorous empire starts to crumble
Fanatic assassins are seeking victory
King Saladins army starts to rumble

HERÓIS DESTA ÉPOCA

Agora é chegada a hora
Os pagãos finalmente se foram
Jerusalém em mãos Cristãs
Os Templários levantam suas bandeiras
Inocêncio lhes dá suas bênçãos
Canções épicas por toda parte
Cavaleiros da Cruz morrem pela religião
A morte em combate leva à Terra Prometida

Heróis desta época
Em sua honra
Os sinos da igreja nunca
Deixam de repicar

Heróis desta época
O Paraíso vem
Quando o sangue escorre
Como vinho

Mártires feitos de aço
Almejando a Deus para revelar
Outremer* solo sagrado e mortal
Vidas são perdidas
A bem-aventurança celestial encontrada
Na metade do décimo segundo século
Seu fascinante império começa a ruir
Assassinos fanáticos em busca da vitória
O exército do Rei Saladino começa a troar

A Terceira Cruzada ocorreu entre 1189 e 1192. Também é conhecida como A Cruzada dos Reis, pois dela participaram os três principais soberanos europeus da época: Ricardo Coração de Leão (Inglaterra), Filipe Augusto (França) e Frederico Barba-Roxa (Sacro-Império). Sua convocação ocorreu quando da retomada de Jerusalém pelo sultão do Egito, Saladino, em 1187. Frederico morreu a caminho e Filipe Augusto retornou à França; Ricardo combateu sem sucesso e finalizou a Cruzada estabelecendo um acordo com Saladino, que permitia a peregrinação cristã a Jerusalém.

* Outremer = francês para "além do mar". Era o nome geral dado pelos Cruzados aos estados estabelecidos após a Primeira Cruzada, especialmente Jerusalém. O nome era freqüentemente usado como um equivalente à Síria ou Palestina e associado a áreas que hoje fazem parte de Israel, Jordânia e Líbano.

FANATIC ASSASSINS

I'm the old man of the mountains
Leader of Muslim warriors
I hand them the revelation pipe
Then they know the after-life

Wherever I order suicide
You will sacrifice
Jump, jump off the wall
Allah will receive you all

Fanatic assassins
Fanatic assassins

You are my war machines
Your minds painted blood-red
I'll wash your souls so white
Invincible in any fight

ASSASSINOS FANÁTICOS*

Eu sou o velho das montanhas
Líder dos guerreiros Muçulmanos
Eu lhes dou o cachimbo da revelação
Assim eles conhecem a vida após a morte

Seja onde for, eu ordeno suicídio
Você irá se sacrificar
Pule, pule a muralha
Alá receberá a todos vocês

Assassinos fanáticos
Assassinos fanáticos

Vocês são minhas máquinas de guerra
Suas mentes pintadas de vermelho-sangue
Eu lavarei suas almas tão brancas
Invencíveis em qualquer batalha

* Assassinos Fanáticos era o nome da seita criada pelos muçulmanos, que assim como os Cristãos, também tinham a sua própria seita de monges guerreiros. Os Assassinos eram o equivalente muçulmano dos Templários. Era relatado que o seu primeiro líder, conhecido como “O Velho das Montanhas” tinha por hábito usar drogas para escolher objetivos e descrever visões do paraíso, antes de enviar seus homens em missões sinistras. Os Assassinos eram fanaticamente leais ao seu Mestre, a ponto de cometerem suicídio ao seu comando. A palavra ‘Assassin’ é a forma inglesa de Hashishyun, que quer dizer ‘comedores de haxixe’.

LIONHEART

Fiery red curls cover his shoulder
He's the ruler, no one is bolder
His steel - blue eyes won't show no fear
Reflecting the suffering of war so clear
A knight, a leader
Wearing England's crown
Richard the Lionheart
Wants to put the Moslems down
He sets the sail, heading Outremer
Defending the name he bears

A man like a Lion
With a generous heart
For his sake thousands die
Lionheart - England's Pride

Lionheart
Almighty king
Freedom you'll
Bring

Lionheart
Spread your wings
King of the kings

King Philipp at his side and many knights
Overcome the Islam, souls painted white
He executes all prisoners, without regret
Corpses cover the ground as the sun sets

Akkon has fallen into Richard's hands
Still war on his mind
Moving to France
In one fatal moment came the end of his quest
Breathing his last with an arrow in his chest

CORAÇÃO DE LEÃO

Cachos vermelhos como fogo cobrem seus ombros
Ele é o monarca, ninguém é mais corajoso
Seu aço - olhos azuis que não demonstram medo
Refletindo o sofrimento de guerra tão nítido
Um cavaleiro, um líder
Portando a coroa da Inglaterra
Ricardo Coração de Leão
Quer prostrar os Muçulmanos
Ele iça as velas, rumo a Outremer
Defendendo o nome que ele carrega

Um homem como um Leão
Com um coração generoso
Por seu objetivo, milhares morrem
Coração de Leão - o Orgulho da Inglaterra

Coração de Leão
Rei todo-poderoso
Liberdade você irá
Trazer

Coração de Leão
Abra suas asas
Rei dos reis

Rei Filipe ao seu lado e muitos cavaleiros
Derrotar o Islã, almas pintadas de branco
Ele executa todos os prisioneiros, sem remorso
Cadáveres cobrem todo o solo enquanto o sol se põe

Akkon caiu nas mãos de Ricardo
Com a guerra ainda em mente
Em direção à França
Em um momento fatal chegou ao fim de sua busca
Dando seu último suspiro com uma flecha em seu peito

* Ricardo Coração de Leão (1157-1199), ou simplesmente Ricardo I, foi rei da Inglaterra entre os anos de 1189 e 1199. Participou da Terceira Cruzada, a chamada Cruzada dos Reis, ao lado dos reis Felipe Augusto da França e Frederico Barba-Roxa do Sacro Império. Ele obteve vitórias como a conquista do Chipre (1191), e fez um acordo com Saladino, sultão do Egito e da Síria, abrindo uma trégua de três anos que permitia aos cristãos o acesso a Jerusalém. Embora Ricardo tenha passado muito mais tempo lutando em batalhas do que governando seu país, suas façanhas o tornaram um dos grandes heróis do romance inglês, como um protótipo do cavaleiro medieval e herói de incontáveis lendas românticas. Foi imortalizado por Sir Walter Scott no romance Ivanhoé (1819). Ricardo morreu em decorrência dos ferimentos causados por uma flechada em seu peito, durante o cerco a Chalus na França, na qual tentava recuperar os territórios tomados por Felipe Augusto.

KEEPER OF THE HOLY GRAIL

The Grail is veiled in mystery
Ancient books of history
At Last Supper with his disciples
Jesus raised it to his lips
And when Christ was crucified
A lance was stabbed in his side
The Grail collected the pouring blood
Thus blessed by the Son of God

A cup of gold a sacred stone heaven choose
The keeper of the Holy Grail magic force
Heaven chose the keeper of the Holy Grail
Someone knows who's the one
The keeper of the Holy Grail templar knights
Know the hide heaven choose
The keeper of the Holy Grail

The Grail donates eternal life
Initiated are kept from strife
The sick are healed
A shelter and a shield
Youth will last forever
But there is no use to endeavour
To be one of the elected
Because only a few have been selected

GUARDIÃO DO SANTO GRAAL

O Graal é guardado em mistério
Livros antigos de história
Na Última Ceia com seus discípulos
Jesus o ergueu aos seus lábios
E quando Cristo foi crucificado
Uma lança foi fincada ao seu lado
O Graal colheu o sangue derramado
Deste modo abençoado pelo Filho de Deus

Uma taça de ouro, uma pedra sagrada, o céu escolheu
O guardião do Santo Graal, força mágica
O céu escolheu o guardião do Santo Graal
Alguém sabe quem é o escolhido
O guardião do Santo Graal, cavaleiros dos templários
Conhecem o esconderijo, o céu escolheu
O guardião do Santo Graal

O Graal concede vida eterna
Os iniciados são protegidos de lutas
Os doentes são curados
Um abrigo e um escudo
A juventude durará para sempre
Mas não adianta se esforçar
Para ser um dos elegidos
Porque só alguns foram selecionados

* Santo Graal = O cálice que, segundo a tradição corrente nos romances de cavalaria, teria servido a Cristo na última ceia, e no qual José de Arimatéia havia recolhido o sangue que de Cristo jorrou quando o centurião lhe feriu com a lança. Ainda segundo a tradição, aquele que bebesse do Santo Gral, ganharia a imortalidade. Suspeitava-se que os Templários detinham o Santo Graal em seu poder.

INQUISITION

A bloody Friday October 13th
Inquisition takes its course
King Philipp's armed force
Templars are blamed for conjuration
They are said to be heretics
And cursed by the catholics
Because they didn't save Jerusalem

Are you the one
Who's into blasphemy
You better run
Escape from agony

Are you the one
Believing in Baphomet
Make your confession
And you will be free

Seeking the hidden treasures
The Pope is taking measures
Persecution spreads all over Europe

INQUISIÇÃO

Uma sangrenta sexta-feira 13 de Outubro*
A Inquisição segue sua rotina
As forças armadas do Rei Felipe
Os Templários são acusados de conjuração
Eles são acusados de hereges
E amaldiçoados pelos católicos
Porque eles não salvaram Jerusalém

Você é aquele
Que está em blasfêmia?
É melhor você correr
Fuja da agonia

Você é aquele que
Acredita em Baphomet?
Faça sua confissão
E você estará livre

Buscando os tesouros escondidos
O Papa está tomando medidas
A perseguição se espalha por toda a Europa

* Sexta-feira, 13 de Outubro de 1307. Um dia fatal para os
Templários. Ao entardecer, agentes do Rei Felipe IV atacaram. Num assalto fulminante, acusaram e prenderam Templários
por toda a França. A data tinha sido escolhida pela coincidência da visita à França de vários líderes Templários, incluindo o próprio Grão-Mestre Jacques de Molay. Muitos ataques similares foram feitos aos Templários por toda a Europa. Foram todos levados a julgamento. Aqueles que acatavam as acusações contra si eram abandonados com uma mísera pensão, deixados na miséria ou ainda como pedintes. Qualquer um que se recusasse era encarcerado para toda a vida. Mais de 120 foram queimados na fogueira. Após as torturas, confissões e execuções, o papa Clemente V aboliu oficialmente a Ordem dos Cavaleiros Templários em 22 de Março de 1312.

BAPHOMET

In the dark of the night
Behind the walls
They say that we worship an idol
Behind the walls

A devil in disguise
An unholy cat
But it's a secret
We keep until we are dead

We all believe in Baphomet
We believe in what we see
Your disciples
Belong the thee

Building up our strength
Behind the walls
They accuse us of a bloody sacrilege
Behind the walls

We would never betray
The one we adore
Yours are our lives
We sacrifice it in war

BAPHOMET

Na escuridão da noite
Atrás das paredes
Eles dizem que nós adoramos um ídolo
Atrás das paredes

Um diabo disfarçado
Um gato profano
Mas é um segredo (que)
Guardamos até a morte

Todos nós acreditamos em Baphomet
Acreditamos naquilo que vemos
Seus discípulos
Pertencem a ti

Constituindo nossa força
Atrás das paredes
Eles nos acusam de um sacrilégio sangrento
Atrás das paredes

Jamais iríamos trair
Aquele que adoramos
Nossas vidas são suas
Nós a sacrificamos em guerra

* Os Templários eram perseguidos pela Inquisição por quase toda a Europa, acusados de venerar um ídolo (ou imagem) chamado Baphomet, cujo símbolo seria a cabeça de uma cabra inscrita em um pentagrama (embora muitos diziam ser também uma cabeça com dois rostos opostos ou até mesmo a cabeça de um gato), sugerindo uma suposta ligação com o satanismo e com os adeptos do ocultismo em geral. Eram acusados também, de praticarem cerimônias secretas de iniciação, através de práticas lascivas, obscenas e anti-cristãs. Por fim, o nome Baphomet seria, dentre várias teorias, uma corruptela para Mahomet (Maomé, o profeta muçulmano), portanto inimigo dos cristãos europeus à época.

OVER THE SEA

The Order's end is near
Templars flee filled with fear
Heretics, homosexuals and magicians
To be exterminated by the inquisition
The order of Pope and King
Lets them leave behind everything

The fleet is ready, ready to sail
No one knows its destination
Gathering all the victims
Victims of persecution
In quest of a better world
Without hate without deadly peril

Over the sea
And far, far away
Over the sea
Into the night they flee

Many Templars succeeded
To escape from the Christian hate
They found their peace in Scotland
Since Robert the Bruce was banned
When he stabbed Comyn in a church
Giving the Order shelter in the Highlands

SOBRE O MAR

O fim da Ordem está próximo
Os Templários fogem com medo
Hereges, homossexuais e bruxos
A serem exterminados pela Inquisição
A ordem do Papa e do Rei
Permite-lhes deixar tudo para trás

A frota está pronta, pronta para zarpar
Ninguém sabe seu destino
Reunindo todas as vítimas
Vítimas de perseguição
Em busca de um mundo melhor
Sem ódio, sem perigo mortal

Sobre o mar
E longe, bem distante
Sobre o mar
Na noite em que eles fogem

Muitos Templários conseguiram
Escapar do ódio Cristão
Eles encontraram sua paz na Escócia
Desde que Robert the Bruce foi excomungado
Quando ele apunhalou Comyn em uma igreja
Dando a Ordem abrigo nas Highlands

* Após o fim da Ordem, começaram as primeiras prisões e interrogatórios contra os Templários. Acusados de heresias, bruxaria e até mesmo homossexualismo, muitos conseguiram fugir para países como Inglaterra, Irlanda e Portugal (onde poucos foram entregues à Inquisição), e para países como Espanha e Alemanha, onde todos foram declarados inocentes. As autoridades na Escócia e em Portugal mostraram-se relutantes em entregar os seus Templários à Inquisição. Na Escócia, Robert the Bruce era benevolente com eles e nunca dissolveu os Templários Escoceses, sendo excomungado pelo papa e não tomando nenhuma providência.

THE CURSE OF JACQUES

You say that we sold our soul to the devil
That we're out of control
You torture my brothers, torture my sisters
Kill all friends
You say that we worship a god, like a cat
A devil in disguise
You execute my family, steal their breath
And burn them till death

I'm burning, I'm dying
I'm burning, I'm dying
Oh Lord, won't you help me
I'm burning, I'm dying

When I feel my end is near
When I feel the Reaper's here
Crackling fire I can hear

When I feel my end is near
When I feel the reaper's here
I watch the demons
Dancing round my tears

I'm innocent - it's not true I never prayed
We will all be treated the same way
At Doomsday
I curse Pope and King
You won't make it another year
The Last Judgement will decide
Who was wrong or who was right

A PRAGA DE JACQUES

Você diz que nós vendemos nossa alma ao diabo
Que estamos fora de controle
Você tortura meus irmãos, tortura minhas irmãs
Mata todos os amigos
Você diz que nós adoramos um deus, como um gato
Um diabo disfarçado
Você executa minha família, rouba sua respiração
E os queima até a morte

Eu estou queimando, eu estou morrendo
Eu estou queimando, eu estou morrendo
Oh Senhor, não irás me ajudar?
Eu estou queimando, eu estou morrendo

Quando eu sinto que meu fim está próximo
Quando eu sinto que o Anjo da Morte está aqui
O fogo crepitando, eu posso ouvir

Quando eu sinto que meu fim está próximo
Quando eu sinto que o Anjo da Morte está aqui
Eu observo os demônios
Dançando ao redor de minhas lágrimas

Eu sou inocente - não é verdade que eu nunca rezei
Todos nós seremos tratados igualmente
No Dia do Juízo Final
Eu amaldiçôo o Papa e o Rei
Vocês não voltarão a fazer isto algum dia
O Dia do Juízo Final decidirá
Quem estava errado ou quem estava certo

* Jacques de Molay, o último dos 22 Grão-Mestres da Ordem dos Templários, foi capturado e levado a julgamento. Mas a 14 de Março de 1314, enquanto ele era exposto do lado de fora da catedral de Notre Dame para ouvir sua sentença de prisão perpétua, de Molay proferiu uma dramática declaração: "Penso verdadeiramente que neste solene momento eu devo proferir toda a verdade. Ante o céu e a terra, e com todos vocês aqui como minhas testemunhas, eu admito que sou culpado da mais grotesca das iniqüidades. Mas essa iniqüidade foi eu ter mentido ao ter admitido as grotescas acusações emitidas contra a Ordem. Declaro que a Ordem é inocente. A sua pureza e santidade estão acima de qualquer suspeita. Eu admiti de fato que a Ordem era culpada. Mas agi assim unicamente para evitar contra mim as terríveis torturas. A vida foi me oferecida, mas pelo preço da infâmia. Por este preço, a vida não vale a pena ser vivida." Como retratou publicamente sua confissão, Jacques de Molay foi queimado vivo em Paris. E enquanto queimava, amaldiçoou o rei Francês e o Papa. Disse que no prazo de um ano, seriam chamados a prestar contas pela perseguição aos Templários. Apenas um mês depois, o Papa Clemente V veio a falecer, aparentemente de causas naturais. Em 29 de novembro do mesmo ano, Filipe IV morreu num acidente a cavalo enquanto caçava. Seria esta a suposta praga de Jacques.

BATTLE OF BANNOCKBURN

The wind lashed in our faces
The English found our traces
On moss-covered land
Scotland we defend
At Stirling bridge we try to last
But we fail to stand fast
Blood mingles with pouring rain
Writing tales of pain

Help - Else we will perish
Help - Else we will vanish
Look - Heaven's sign
Look - Ship's graceful lines

White knights appear
Silhouetted against the dark
In the battle of Bannockburn
The table turns

Few knights appear
But masters of the fight
In the battle of Bannockburn
The table turns

They draw their gleaming swords
Two knights one horse
How they swing their flail
Ending the bloody tale
Just like a bad dream
English disappear in fog
Finally - Victory
Highlanders' victory

BATALHA DE BANNOCKBURN

O vento lanhou em nossos rostos
Os ingleses descobriram nossos rastros
Na terra coberta de musgo
A Escócia nós defendemos
Na ponte de Stirling tentamos resistir
Mas falhamos em resistir firmemente
Sangue se mistura com a chuva torrencial
Escrevendo contos de dor

Ajude – Senão iremos perecer
Ajude – Senão iremos desaparecer
Olhe – O sinal dos céus
Olhe – As linhas graciosas do Navio

Cavaleiros brancos aparecem
Como silhuetas contra a escuridão
Na batalha de Bannockburn
A sorte muda de lado

Poucos cavaleiros aparecem
Mas os mestres do combate
Na batalha de Bannockburn
A sorte muda de lado

Eles sacam suas espadas reluzentes
Dois cavaleiros, um cavalo
Como eles balançam seus manguais
O conto sangrento termina
Como um pesadelo
Os ingleses desaparecem na neblina
Finalmente - Vitória
Vitória dos Highlanders**

* A Batalha de Bannockburn, travada em 23 e 24 junho de 1314, faz parte da história da Independência da Escócia. Foi nesta batalha que os escoceses, sob o comando de Robert the Bruce, derrotaram os ingleses e os expulsaram de seu território. A letra aponta um momento da história onde os Cavaleiros Templários, fugindo da Inquisição, aportam no território escocês e passam a aderir a batalha somando forças ao bravo exército local.

** Highlanders são os habitantes das Highlands (terras altas), uma região montanhosa ao norte da Escócia.


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 15 de agosto de 2012


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Grave Digger"

Kai HansenKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Mascotes do MetalMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet

CapasCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog

0 acessosTodas as matérias da seção Álbuns Traduzidos0 acessosTodas as matérias sobre "Grave Digger"


GhostGhost
O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Sílvio SantosSílvio Santos
"The Number Of The Beast" em ritmo de festa, ôôôeeee

5000 acessosGhost: uma foto assustadora dos bastidores do Rock In Rio5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMetal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.com5000 acessosRegis Tadeu: depois de 40 anos, "Sabotage" ainda causa calafrios5000 acessosBrasil: criada a primeira guitarra em impressora 3D4453 acessosMegadeth: era hora de sair, diz Ellefson sobre Drover e Broderick

Sobre Fernando P. Silva

Fernando Silva é membro do Whiplash! e responsável pela seção de traduções. Colaborando com o site há mais de 5 anos, é quem organiza e revisa todas as traduções que são publicadas nesta seção, contando também com o auxílio de amigos e colaboradores do site. Eclético, curte desde o blues e um bom rock n' roll até o melhor do hard e do heavy, sendo o Metallica (até a eternidade) sua banda preferida. Correções de material postado anteriormente, críticas ou sugestões para novas traduções podem ser feitas através do contato direto com o autor. Email: fernandorep@hotmail.com.

Mais matérias de Fernando P. Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online