Alter Bridge: som direto e poderoso em primeiro show no Brasil

Resenha - Alter Bridge (São Paulo Trip, São Paulo, 21/09/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Gardinalli
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O primeiro dia de São Paulo Trip foi marcado pela primeira visita de duas bandas no Brasil. O The Who, que depois de mais de 50 anos de carreira, finalmente desembarcou no Brasil, e o Alter Bridge, que, mesmo com seus integrantes tendo visitado o Brasil em outros momentos da carreira, nunca pisaram em solo nacional como um conjunto.

Alter Bridge: confira "Take The Crown", nova música com lyric videoRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos

A banda subiu no palco pontualmente às 18h15, duas horas após a abertura dos portões do Allianz Parque. Até o momento do início do concerto, o público ainda estava escasso. O espaço reservado para a pista comum e a pista premium não estava nem com a metade da capacidade ocupada. O mesmo aconteceu com as arquibancadas. Mesmo assim, o quarteto americano não se mostrou atingido com a baixa audiência até o momento, e abriu o festival de maneira arrebatadora para a euforia da pequena multidão de jovens que se aglomerava em frente a grade de segurança.

Com um total de 11 músicas, o Alter Bridge abriu sua primeira passagem pelo Brasil com Come to Life, canção que vem sendo a abertura da maioria dos shows da turnê do disco The Last Hero, lançado em outubro de 2016. Addicted to Pain foi a faixa que deu continuidade ao concerto e fez o público tirar os pés do chão.

O repertório continuou com Ghost of Days Gone By e, após Myles Kennedy tentar algumas palavras em português, a banda deu início a Cry Of Achilles, uma das músicas que fez o púbico ficar de queixo caído com a execução. Então, após a contagem de Scott Philips, a banda engatou a pesada Crows on a Wire. Essa foi a única canção do novo trabalho da banda que foi tocada no show em São Paulo.

Em seguida, Mark Tremonti mostrou que também sabe cantar quando assumiu os vocais em Waters Rising. Na sequência, Isolation ecoou pelo estádio de forma poderosa, com o baterista Scott Philips se mostrando muito presente e consistente, dando todo o peso necessário para a música. Logo em seguida foi a vez de Blackbird, que arrancou aplausos do público, que estava começando a encher o espaço. Myles iniciou a música com um trecho da canção de mesmo nome dos Beatles, fazendo com que o público mais velho arregalasse os olhos e prestasse atenção à execução da música. Uma das mais belas obras da banda, Blackbird foi a música que mais arrancou aplausos durante o show. Impecável. Open Your Eyes veio logo depois, em uma pegada menos emotiva e mais direta, para preparar o público para o fim do show. Nessa música, Myles Kennedy pediu a participação do público, que acolheu bem o vocalista e seguiu as instruções para que a música continuasse.

Após uma breve pausa para troca de instrumentos, a banda começou a ser apresentada, primeiramente pelo baterista, o que significa que um dos clássicos da banda seria tocado. Philips começou a tocar a introdução jpa conhecida de Metalingus, enquanto o baixista Brian Marshall iniciava a levada, preparando o terreno para Mark Tremonti entrar com um dos riffs de guitarra mais pesados da banda. O público, que nessa hora já começava a lotar a pista, correspondeu ao chamado e saiu do chão.

Para fechar a primeira apresentação do Alter Bridge no Brasil, a música Rise Today foi tocada com muito sentimento pelo quarteto, que foi acompanhado em coro pelo público. Ao fim do show, a banda distribui palhetas, baquetas e os set lists que estavam no palco para os sortudos da primeira fileira.

Mesmo com um público reduzido, o Alter Bridge apresentou um show empolgante, que foi um verdadeiro presente para os fãs da banda, que esperaram por 13 anos uma vinda do grupo ao Brasil. A apresentação sem dúvidas foi estrondosa, arrancando aplausos até de quem não conhecia a banda. A banda mostrou muita qualidade e precisão na execução das músicas, e deu um belo presente para os fãs que tanto esperaram por uma visita dos músicos no país, além de agradar os fãs do rock n' roll mais antigo.

Set List Alter Bridge - São Paulo Trip

Come To Life
Addicted to Pain
Ghost Of Days Gone By
Cry Of Achilles
Crows On a Wire
Waters Rising
Isolation
Blackbird
Open Your Eyes
Metalingus
Rise Today




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Alter Bridge"


Alter Bridge: confira "Take The Crown", nova música com lyric videoAlter Bridge: ouça "Pay No Mind", mais uma nova música da bandaAlter Bridge: álbum Walk Tke Sky será lançado em edição nacionalAlter Bridge: voando alto com o seu hard rock

Myles Kennedy: para ele, Guns N' Roses prova que Gene Simmons está erradoMyles Kennedy
Para ele, Guns N' Roses prova que Gene Simmons está errado

Estreias: 20 ótimas músicas que abrem discografiasEstreias
20 ótimas músicas que abrem discografias

Alter Bridge: Análise vocal de Myles KennedyAlter Bridge
Análise vocal de Myles Kennedy


Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Andre Matos: Andre Matos
"Fui praticamente coagido a ser vocal do Viper!"

Slipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?Slipknot
Qual é o significado e a tradução do nome da banda?

Poison: Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?Andre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"Hard e Metal: as dez fotos mais bizarras de bandas do gêneroLayne Staley: ele mudou nome do meio graças a Tommy Lee

Sobre Roberto Gardinalli

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336