Offspring: Uma quarta-Feira agitada na capital paulista

Resenha - Offspring (Credicard Hall, São Paulo, 20/10/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Wladimyr Cruz
Enviar Correções  

Quarta-Feira agitada na capital paulista: jogo no Morumbi, trânsito caótico, show do Chemical Brothers, e claro, The Offspring no Credicard Hall.

Pela quarta vez em minha vida fui conferir um show do grupo californiano, sem dúvida um dos maiores expoentes do punk rock 90's, ou se preferir, poppy-punk.

publicidade

Envoltos por uma aura de super-produção nunca antes vista, o Offspring veio ao Brasil com ares de 'show do ano', e pra mim, assim foi.

Talvez pelo altissimo preço do ingresso, ou mesmo por falta de interesse dos mais jovens, a casa não lotou, coisa que felizmente não desanimou os presentes. Uma legião de 'punks de rádio', fãs de hits, velhos admiradores e alguns curiosos se espremeram na grade aguardando o inicio das apresentações.
Escalado para abrir os shows de SP e RJ do Offspring, diretamente do Ceará tivemos o Switch Stance. O grupo nordestino com seu hardcore em português á la CPM22 dividiu opiniões, mas no geral agradou bastante e sem dúvida conseguiu conquistar novos fãs. Dentre as músicas executadas tivemos "Medo" e "Sempre Sincero", além de dois covers, um do Dead Fish, "Afasia", com a participação Cedric Brixteriana do vocalista do DF, Rodrigo; e um cover de "Peaceful Day" do Pennywise, esta fechando com chave de ouro a apresentação dos meninos. Curioso e interessante ainda a declaração de uma garota do público que estava próximo a mim: "vim aqui ver o Switch Stance, o Offspring é brinde". Parabéns aos meninos do SS.

publicidade

22:30, o disco "London Calling" do Clash tocando inteirinho nos PAs, e a coisa aperta ainda mais na pista, e logo as luzes se apagam, dando incio à vinheta "Neocon", que abre o novo disco do grupo, "Splinter", logo seguida por "The Noose".

Um Dexter Holland gordo e velho, um Noodles ainda mais velho, um Greg K apático e um fantástico baterista, Atom Willard (ex-RFTC/ ex-Alkaline Trio) dão aula de como é um show punk/hardcore, mandando às favas toda essa nova geraçãozinha poppy-punk.

publicidade

Nunca vi o Offspring tão fora de forma (fisicamente) na vida, mas também nunca os vi tão entrosados, profissionais e tocando tão bem. Quem pensava que o Offspring era um lixo ao vivo, terá de rever conceitos.

A terceira música do show foi nada menos que "All I Want", a partir dai, a público virou um empurra-empurra sem fim, e no palco um desfile de hits sem precedentes: "Long Way Home", "Hit That" (poderosa ao vivo), "Want you Bad" (mais rápida que o normal), a esquecida "Gone Away" etc.

publicidade

O contato do Offspring com o público foi básico, assim como das outras vezes que tocaram aqui, mas ainda abrindo espaço para Noodles fazer piada sobre o nome do local do show, perguntando se o público usa 'credit card'.

O set seguiu com a fraca "The Worst Hangover Ever" (aplaudida apenas pelos 'punks de rádio), a hardcore-as-fuck "Have you Ever", a dobradinha clássica "Bad Habit/Gotta Get Away" (com o básico e arrepiante "stupid, dumbshit, goddam, motherfucker!"), "Walla Walla" (substituindo "Mota", a qual foi tocada nessa ordem no show de POA), "Da Hui" (pra mim, melhor momento do show), "Why Don't You Get a Job", "Americana" (surpresa tocarem esta), "Staring at the Sun", o hit "The kids aren't alright" e "Pretty fly".

publicidade

Infelizmente não tenho mais 15 anos e a esta altura do campeonato, estava morto, exausto, e então a banda sai e dá uma trégua, voltando logo em seguida para o óbvio bis, com: "(Can't get) My Head Around You", a desnecessária cover dos Ramones de "Blitzkrieg Bop", e o hino máximo da geração x 90's, "Self Esteem".

Uma hora e meia de show foi o bastante para provar quem é que manda. Uma hora e meia com quem sabe o que faz. Uma hora meia que pode ter sido levemente burocrática, mas totalmente divertida.

publicidade

Eu, geriátrico a meu modo, senti falta das canções do "Ignition" e do disco auto-intitulado, mas sei que se a banda tocasse alto tipo "Blackball" ou mesmo "Session", 99% dos presentes não iriam entender nada.

Com um cansaço brutal, me despeço aqui da descrição do melhor show internacional de 2004. Abaixo, segue o set-list do show:

Neocon
The Noose
All I Want
Come Out and Play
Long Way Home
Hit That
Want you Bad
Gone Away
The Worst Hangover Ever
Have you Ever
Bad Habit
Gotta Get Away
Walla-Walla
Da Hui
Why Don't You Get a Job
Americana
Staring at the Sun
The kids aren't alright
Pretty fly
(Can't get) My Head Around You
Blitzkrieg Bop
Self Esteem

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Offspring: turnê pelo Brasil passa para segundo semestre de 2021, diz jornalistaOffspring
Turnê pelo Brasil passa para segundo semestre de 2021, diz jornalista


Antes da fama: Atores que apareceram em clipes do Korn, Offspring, Aerosmith e outrosAntes da fama
Atores que apareceram em clipes do Korn, Offspring, Aerosmith e outros

Big Brother Brasil: rock é coisa do demônio, diz a ex-miss VivianBig Brother Brasil
Rock é coisa do demônio, diz a ex-miss Vivian


Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista

Velocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multadoVelocidade
Top 10 de músicas de Metal para ser multado


Sobre Wladimyr Cruz

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Wladimyr Cruz no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin