Pain Of Salvation contra a guerra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos


Entrar no site do Pain Of Salvation - www.painofsalvation.com - hoje, dia 18 de Março de 2003, é uma aventura certamente assustadora e inesquecível. Num primeiro olhar, com certeza se tem a impressão de um site hackeado. É difícil até enxergar o "enter" em meio a tantas palavras e expressões passando de um lado para outro incessantemente, enlouquecidamente.

Bonnie Rotten: estrela pornô fala do amor ao MetalKiss: Perguntas, respostas e curiosidades diversas

Nenhum hacker esteve por lá. Tampouco desistiram da banda que vai muito bem, obrigado. Também não é tempo de atualização ou reformas no site. O fato é que Daniel Gildenlöw pichou à sua maneira a revolta contra a guerra e a política externa americana no endereço onde geralmente o seu conjunto realizava promoções, divulgava novidades, clips, arquivos de computador, além de vender CDs e outros artigos.

Vários artistas manifestaram sua indignação perante as atitudes do presidente George Bush. Warrel Dane, vocalista do Nevermore, por exemplo, deu seu recado dizendo que todos nós deveríamos visitar a página de Bob Dylan - www.bobdylan.com - e ler a letra de "Masters Of War". Contudo, nada perto da intesidade do ativista idealizador do Pain Of Salvation.

Um protesto a ser lido com atenção. Não há nele um espírito de simplesmente atacar o governo dos Estados Unidos sem mais nem menos, mas uma série de razões apresentadas para tal e igualmente uma implicação social, num trabalho de reflexão e movimentação, o qual nos mostra também nossa parte nisso tudo. "Nós fazemos nosso trabalho", diz Gildenlöw, prosseguindo com: "Quais são suas fontes de informação?", "Qual canal de televisão você assiste"? "O que VOCÊ pode fazer?", e finalizando na pergunta: "Quantas pessoas os EUA mataram nos últimos 20 anos? (nem queira saber)".

Como se não bastasse, todo as páginas do site foram reformuladas com o fundo de tela dizendo "NO WAR" e no fórum do Pain Of Salvation, o líder do grupo solta o verbo no que poderíamos considerar um artigo digno de ser aplaudido e assinado embaixo por Noam Chomsky, Edward S. Herman, Alex George, ou qualquer outro que tenha posto em prática o que o vocalista sueco tanto preza em sua mensagem: "PENSE!".

Qualquer adendo aqui seria redundante. Nos resta relatar e deixar pelo menos um trecho do que Gildenlöw pontua com bastante precisão:

"Eu quero deixar claro que não apóio o regime de Saddam ou o terrorismo, mas se todos nós somos livres para interpretar ataque como auto-defesa e podemos nos considerar livres para julgar outra religião, raça ou estado e seu nível de periculosidade, nós estamos andando num chão proibido, caindo num caminho de destruição. Pedir a outro país por seu desarmamento completo, negligenciar a opinião mundial e da ONU, chantagear outra nação com um pedido de abandonar seu líder, por as pessoas em gaiolas em Cuba sem uma alternativa, e agora ameaçando colocar protestantes na prisão - é esta a democracia que nós trabalhamos tão duro para alcançar? A Saddam nunca seria permitido fazer isso - e com razão! Mas como Bush vem a ser?"

Daniel Gildenlöw - 18 / 03 / 03

Clique aqui para visitar o mural de mensagens do grupo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"


Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Pain Of Salvation: Daniel Gildenlöw fala sobre os Mamonas AssassinasPain Of Salvation
Daniel Gildenlöw fala sobre os Mamonas Assassinas

Arte Gráfica: Designer brasileiro cria versões para clássicosArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos


Bonnie Rotten: estrela pornô fala do amor ao MetalBonnie Rotten
Estrela pornô fala do amor ao Metal

Kiss: Perguntas, respostas e curiosidades diversasKiss
Perguntas, respostas e curiosidades diversas

Black Sabbath: Tony Iommi explica diferença entre Dio e OzzyBlack Sabbath
Tony Iommi explica diferença entre Dio e Ozzy

Kerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revistaKerrang!
Os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

Metallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

Q Magazine: os melhores dos anos 80Q Magazine
Os melhores dos anos 80


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.