Vinnie Vincent mijava na guitarra quando bravo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Anderson Raposo, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 


Jeb Wright, do Classic Rock Revistedm conduziu em fevereiro de 2007 uma entrevista com Robert Fleischman, ex-cantor do JOURNEY e VINNIE VINCENT INVASION. Segue abaixo alguns trechos da conversa:
412 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão5000 acessosKing Diamond: o "Rei Satânico"

Classic Rock Revisted: Eu me lembro de você no álbum do VINNIE VINCENT INVASION. Imaginei que não conseguiria cantar (Heavy) Metal, mas você me provou o contrário. Aquele disco, embora tenha um pouco (da atmosfera) “Hair Metal”, era muito forte de modo geral e tinha realmente uma boa energia. Como você se envolveu com Vinnie?

Robert: "Um dia, Vinnie me ligou por intermédio de um amigo em comum que comentara sobre mim. Ele veio até minha casa porque eu tenho um estúdio de gravação, e fizemos algumas demos juntos. Estávamos discutindo sobre continuar com nosso trabalho quando ele recebeu a oferta de se juntar ao KISS. Após ter saído (do KISS) ele me procurou de novo e fomos para um estúdio, onde fizemos mais umas quatro músicas. Vinnie levou o projeto à (gravadora) Chrysalis Records, onde conseguiu um contrato. Descobri que basicamente, ele estava me excluindo da coisa, e como você pode imaginar isso foi muito triste".

"Daí ele começou a me ligar para ir e gravar o disco, mas recusei devido ao que havia acontecido. As ligações persistiram dia e noite, dele e de seu baixista, explicando por qual motivo eu deveria gravar o álbum. Aparentemente, a Chrysalis tinha assinado com ele por causa do som que fizemos juntos – muitas ofertas estavam chegando a mim pelo Vinnie. Na época meu filho Austin estava para chegar, e um dinheiro extra sempre ajuda, especialmente quando você está para ter um bebê. Então eu decidi aceitar o trabalho, pois era pelo bem-estar da minha família".

Classic Rock Revisted: Ouvi dizer que era difícil de lidar com Vinnie, que vivia drogado quase todo o tempo. Deve haver algumas histórias loucas...

Robert: "Antes de tudo, Vinnie nunca usou droga alguma. Um copo de vinho era provavelmente o máximo. Então isso é um boato falso e maldoso. Em relação a histórias loucas, sim, existem algumas. Quando chegou a hora de gravar meus vocais para o álbum, Vinnie colou na cabine do vocal várias fotos da (revista) Playboy, do chão até o teto. Eu achei muito engraçado, apelidei o lugar de 'cabine das tetas' e pensei comigo mesmo, 'ele deve ter assinatura da revista'. Eu também lembro do meu primeiro dia de gravação, quando entrei no estúdio e vi os amplificadores do Vinnie. Havia cerca de oito caixas Marshall colocadas em círculo que pareciam o Stonehenge – uma cena digna do 'Spinal Tap'".

Classic Rock Revisted: Mais uma vez, as coisas nesta banda não deram muito certo. O que aconteceu para você ter sido demitido?

Robert: "Nunca fui demitido. Vinnie tinha um empresário cuja única experiência anterior era de 'road manager'. O sujeito havia prometido à Chrysalis que ele ia me segurar com um contrato. Então na sessão de fotos para o álbum, o empresário veio até mim com um documento mais grosso que uma lista telefônica para eu assinar, dizendo 'confie em mim, está tudo certo'. Eu disse a ele que queria levar o contrato para meu advogado, algo típico nessas situações, mas ele insistiu que eu deveria assinar ali mesmo. Então, recusei. Obviamente, mais uma vez fiquei marcado como uma pessoa 'difícil'. Ele voltou para a gravadora e teve de dizer a eles que eu não havia assinado, mas ele já havia mentido que eu assinara. Daí ele foi pego na mentira e a merda voou no ventilador".

"Então comecei a receber ligações da Chrysalis me dizendo para assinar um contrato que me deixaria preso, e sem adiantamento nem nada. Recusei, e eles me ameaçaram dizendo que removeriam minha voz do álbum, aí eu lhes disse que fizessem o que tivessem de fazer. Obviamente remover minha voz ia lhes custar bem caro, mas eu nunca ouvi mais nada deles depois disso. Eles encontraram outro vocalista que aparentemente assinou o contrato sem fazer nenhuma pergunta e provavelmente por muito pouca grana".

"Alguns meses depois algumas pessoas me disseram para ligar a TV na MTV. Liguei e assisti à estréia do novo vídeo de Vinnie 'Boyz Are Gonna Rock' na expectativa de ouvir os vocais do novo cantor. Para minha surpresa era a minha voz que estava saindo da boca desse cara, que estava vestido com calças de couro e com uma calcinha por cima. Foi a primeira história do estilo MILLIE VANILLI. Desnecessário dizer, houve uma disputa legal sobre isso, que eu ganhei".

Classic Rock Revisted: Ouvi dizer que Vinnie mijava na própria guitarra quando ficava furioso. Isso realmente acontecia?

Robert: "Vinnie estava fazendo overdubs e sua guitarra ficava desafinando. Então após várias tentativas, ele finalmente ficou de saco cheio. Jogou-a guitarra no chão, abaixou as calças e mijou nela toda. Ficamos sem poder ir ao estúdio por uns três ou quatro dias por causa do fedor".

Leia a entrevista completa (em inglês) no classicrockrevisited.com.

Fonte: Blabbermouth
http://www.roadrunnerrecords.com/blabbermouth.net/news.aspx?...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 02 de abril de 2014
Post de 03 de abril de 2014

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

412 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão483 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita762 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

KissKiss
Veja a capa em 3D do álbum Monster

DownDown
Kirk Windstein: "Se Gene Simmons peidar, eu compro!"

KissKiss
"Estilos vêm e vão, ficam os Stones e o AC/DC"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Vinnie Vincent"0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

King DiamondKing Diamond
Ele é satanista, e não meramente marqueteiro

Steven TylerSteven Tyler
"Minha primeira vez foi aos 7 anos, com gêmeas!"

RoadrunnerRoadrunner
Assista os dez melhores vídeo-clipes da gravadora

5000 acessosSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?5000 acessosKiss: "Rock and roll é um trabalho para otários!"5000 acessosRob Halford: Uma resposta educada a comentários de Dickinson5000 acessosGuns N' Roses: a história da saída de cada integrante5000 acessosBruce Dickinson: a melhor resposta para o ataque terrorista de Manchester5000 acessos"Minha mulher não deixa não" em versão Metal

Sobre Anderson Raposo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Anderson Raposo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online