Bateria do Rhapsody Of Fire é colocada à venda.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Spiazzi, Fonte: Ebay
Enviar Correções  

O set original de bateria utilizado pelo primeiro baterista do RHAPSODY OF FIRE, Daniele Carbonera, foi colocado à venda na versão italiana do e-bay pela bagatela de 4.000 Euros.

Tradução: The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd

Metallica: Quanto vale a banda? Quanto cada um deles tem de dinheiro?

De acordo com o vendedor, ela é da marca Drumsound e traz a seguinte configuração:

- Maple 9 camadas
- Dois bumbos de 24"x18
- Rack suspenso.
- 4 tons (10"x10"12"x12", 13"x13", 14"x14",)
- Surdo 16"x18"
- Caixa 14"x 8"
- Pedal Tama IronCobra Power Glide (dois)
- Suportes profissionais Gibraltar, estante de Hit.hat + hit hat fixo e suporte para 7 pratos, Rack duplo completo da Gibraltar.
- Alguns pratos da Zildjian (2 hit-hat 13" e 14", China 18", Crash 17", Ride 20"..)

Tudo em perfeitas condições e autografado pela banda.

Daniele Carbonera esteve presente nos dois primeiros álbuns do RHAPSODY OF FIRE (que até então se chamava apenas RHAPSODY), "Legendary Tales" e "Symphony Of Enchanted Lands", sendo substituído posteriormente por Alex Holzwarth.

Para os interessados em adquiri-la basta visitar este link.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal Medieval: confira 10 bandas de temáticas medievaisMetal Medieval
Confira 10 bandas de temáticas medievais

Metal Sinfônico: dez álbuns essenciais do gêneroMetal Sinfônico
Dez álbuns essenciais do gênero


Tradução: The Dark Side Of The Moon, do Pink FloydTradução
The Dark Side Of The Moon, do Pink Floyd

Metallica: Quanto vale a banda? Quanto cada um deles tem de dinheiro?Metallica
Quanto vale a banda? Quanto cada um deles tem de dinheiro?


Sobre Guilherme Spiazzi

São mais de quatorze anos de música, incontáveis shows, festivais; muitas entrevistas e resenhas. Trocou a faculdade de física pela terra do Uncle Sam por uma década e atualmente é freelancer da revista Roadie Crew. Curte música alta e não se importa com rótulos ou estilos.

Mais matérias de Guilherme Spiazzi no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin