Iron Maiden: "O que você precisa saber está no palco!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Régis Paiva Lourenço, Fonte: Maiden Fans, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Paul Sexton, da Reuters, conduziu em maio de 2008 uma entrevista com Bruce Dickinson, frontman do IRON MAIDEN que, dentre outras coisas, falou sobre como desenvolveu seu estilo e por qual motivo os integrantes do grupo são meio "alheios" às regras da indústria musical.

759 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosAbout.com: site elege os 5 melhores álbuns do Slayer

Fica a impressão de que o Maiden parece ter desenvolvido uma 'causa comum', devido ao fato de que os membros da banda eram, e ainda são, 'outsiders', meio alheios às regras da indústria.

Dickinson: "Nós ainda somos 'outsiders', sempre seremos, pois essa é a nossa essência. Eu não posso imaginar o que seria gostar de ir a essas festas sem conteúdo do showbizz. Seria um pesadelo. Não é isso o que somos. O show é a coisa que importa. Tudo o que você precisa saber sobre o IRON MAIDEN está no palco."

Como você desenvolveu seu estilo e seu trabalho no palco?

Dickinson: "Uma coisa é você projetar um ar de confiança para as partes mais posteriores de um clube, outra é fazer isso num teatro, depois numa arena, e é algo bem diferente fazer isso em um festival. Antes da era das câmeras e dos telões laterais, você era apenas um pequeno ponto no palco. Foi uma curva de aprendizado rápida. Meu objetivo como frontman sempre é tentar 'fazer o lugar encolher', fazer aquele estádio de futebol caber dentro do menor clube do mundo. A essência do Maiden é que queremos incluir nisso todo mundo que está nos assistindo."

Você sempre buscou por desafios, seja na esgrima, no rádio, como autor, como piloto...

Dickinson: "É porque eu tenho uma curiosidade insaciável em conhecer a natureza das coisas e eu penso que o melhor modo de entender algo é testando e fazendo. Seria muito bom, sob o ponto de vista das pessoas que escrevem sobre nós, que houvesse um plano para isso, mas o fato é que não há. O filme que fizemos ('Chemical Wedding') surgiu de conversas que tive com Julian Doyle (co-autor e diretor do filme) em um pub há uns 15 anos atrás. Nós estamos tendo agora a turnê mais bem sucedida de nossa história, a banda é hoje um fenômeno global e, ao mesmo tempo, estamos conseguindo lançar esse filme, que será seguido em breve por outro lançamento com um documentário, DVD e tudo mais... Parece que foi tudo planejado, mas não foi. É algo totalmente ocasional."

No período em que esteve fora da banda (1993-1998), seu trabalho solo deixou você realizado?

Dickinson: "A razão pela qual eu saí do Maiden foi porque eu sinceramente não sabia se estava conseguindo continuar mais com aquele tipo de coisa, para fazer material novo. Queria coisas novas. Nada de ruim aconteceu. Não houve grandes desentendimentos. A máquina funcionava perfeitamente, como um relógio. Além disso, com todo o status que a banda tinha, significava que, seja o que você fizesse, as pessoas viriam, de forma meio protetora, e diriam algo como 'oh, boa tentativa'. Eu não achava que eles teriam problema algum encontrando outro vocalista, mas a carreira subsequente deles teve alguns percalços. A minha própria carreira desceu um penhasco. Foi quando eu decidi que precisava me reinventar".

"Então as pessoas pensaram que eu havia ficado maluco. Eu vim com um álbum chamado 'Skunkworks'. Ele teve bons reviews, mas a gravadora não estava certa disso. Então eu fiz um disco chamado "The Chemical Wedding" e entrei fundo num território no qual eu nunca havia estado, mas mantendo uma sensibilidade 'rock'. E eu acho bom poder dizer que ele foi um álbum bastante original, com boas vendas, e eu pude me ver fazendo sucesso. Evidentemente, nunca foi algo que rivalizasse com o Maiden."

Como você compararia o Maiden de hoje com o grupo de, digamos, 25 anos atrás?

Dickinson: "O modo que tocamos as músicas agora é, de várias formas, mais poderoso, a coisa está mais sob controle. Não é mais como alguém correndo mais do que suas pernas podem agüentar, que é mais ou menos como as coisas aconteciam nos anos oitenta. Agora somos como um corredor maduro, que sabe medir os passos e que sempre tem uma reserva para uma arrancada quando julgar oportuno. Nós, enfim, conseguimos chegar a esse ponto."

Para ler a entrevista completa (em inglês), acesse www.reuters.com.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 13 de outubro de 2012

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

759 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1237 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Paul DiAnnoPaul Di'Anno
"Quem falar mal do Maiden, eu dou porrada!"

Iron MaidenIron Maiden
"2 Minutes To Midnight" seria um plágio?

Iron MaidenIron Maiden
Divulgadas fotos comprometedoras de Nicko McBrain

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Bruce Dickinson"

About.comAbout.com
Site elege os cinco melhores álbuns do Slayer

RockRock
25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

Guns N RosesGuns N' Roses
Segundo Gene Simmons, Axl merecia uma surra

5000 acessosQuando shows dão errado: 25 apresentações desastrosas5000 acessosVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multado5000 acessosEm 28/12/2009: Morre Jimmy "The Rev" Sullivan, do Avenged Sevenfold5000 acessosGuitarras Feias: O maior acervo da Internet é brasileiro5000 acessosMetal: em vídeo, o riff mais copiado de todos os tempos4031 acessosLemmy Kilmister: saiba o que fez toda a sua carreira valer a pena

Sobre Régis Paiva Lourenço

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Régis Paiva Lourenço no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online