Maximum The Hormone: com shows cada vez mais insanos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Emanuel Seagal, Fonte: JaMe Brasil
Enviar Correções  

O insano quarteto MAXIMUM THE HORMONE, com sua mistura de pop, metal e hardcore, é uma das bandas japonesas mais populares no ocidente. No início deste ano o portal JaME teve a chance de se encontrar com o grupo para uma entrevista quando eles estiveram na França para sua primeira turnê européia. A banda estava tão insana quanto nunca e ansiosa para falar sobre seus shows e expectativas para a turnê. Confira a entrevista abaixo.

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixos

Viralizou: mulher grita "deixa eu escutar Beatles" para pregadora em metrô

Olá à todos. Por favor, poderiam se apresentar para nossos leitores?

UE-CHANG: Eu sou o baixista, UE-CHANG.

DAISUKE-HAN: Eu sou o maluco que pula e grita, DAISUKE-HAN.

NAO: Sou a baterista e irmã mais velha, NAO.

MAXIMUM THE RYOKUN: Sou o vocalista e o irmão caçula, MAXIMUM THE RYOKUN.

O que vocês esperam desta primeira turnê pela Europa?

DAISUKE-HAN: Nós agora estamos lidando com diferentes culturas e com pessoas que não entendem o que estamos cantando. Estou muito curioso para ver como o público vai reagir. Eu espero muito dessa turnê e espero que haja uma troca direta, para que possa sentir o poder da platéia.

Nós descobrimos que DAISUKE-HAN tem um cisto em suas cordas vocais. Sabendo disso, como está indo a turnê? Você não tem medo de perder sua voz?

DAISUKE-HAN: (embora soasse muito rouco enquanto fala) Eu não tenho problemas durante a turnê porque eu tenho essas balas especiais para o meu corpo. Quando as tomo, minha voz fica perfeita! Eu trouxe as balas do Japão, então tudo está bem! (todos trocam olhares e começar a rir)

Posso me atrever a perguntar que tipo de balas são essas?

NAO: Na verdade é... (DAISUKE-HAN interrompe NAO e nos mostra suas nádegas, imitando o gesto de introduzir um supositório. Todos caem na gargalhada)

DAISUKE-HAN: É assim que você coloca um supositório! Entendeu?

Claro, claro, não se preocupe!

NAO: Se você quiser podemos colocar um agora mesmo para a voz dele! (todos riem)

Não precisa, está tudo bem!

DAISUKE-HAN: É claro que existem vários significados pra tudo o que acabei de dizer, haha! (todos caem na gargalhada)

O último álbum de vocês é um tributo ao headbanging e seus fãs nunca se cansam de ver os seus vídeos malucos.

DAISUKE-HAN & NAO: Oh, obrigado!

Também teremos essa mesma mistura de estilos musicais no seu próximo álbum? E quando ele será lançado?

MAXIMUM THE RYOKUN: (imediatamente) Nada planejado! (todos riem)

Vocês têm algum outro tipo de mensagem para os seus fãs, além de diversão?

NAO & DAISUKE-HAN: RYOKUN precisa responder essa!

MAXIMUM THE RYOKUN: É claro, nós gostaríamos de nos divertir e nos soltar o tempo todo, mas por baixo de tudo, existem muitas mensagens em nossas músicas.

E quais são elas?

NAO: Sim, são muitas!

MAXIMUM THE RYOKUN: Nós falamos sobre aborto por exemplo... e não-violência.

NAO: A libertação do Tibete!

MAXIMUM THE RYOKUN: Também gostamos de falar sobre política em nossas canções.

NAO: E sobre aqueles que incomodam as pessoas que são diferentes, especialmente nas escolas. Isso é importante também!

Nós vimos durante suas últimas turnês que vocês gostam de shows temáticos, como todos usando óculos 3D, apenas homens magros e sem camisa (onde NAO os pesa em uma balança e os borrifa com perfume), apenas com mulheres ou com todos usando jaquetas de frio. De onde vocês tiram essas idéias? Alguma chance de acontecer algo parecido na sua próxima turnê européia?

DAISUKE-HAN: Oh sim, eu gostaria de um show temático na Europa!

NAO: Eu também! Mas seria difícil organizá-lo e ficaria muito caro.

MAXIMUM THE RYOKUN: Custa muito porque o preço é apenas 1¥ (cerca de R$0,025) para quem vier vestido de acordo com as regras. Nós fizemos isso porque quando fizemos shows em locais grandes, alguns fãs nos criticaram porque as casas eram grandes demais. Então tivemos que fazer shows mais intimistas, em lugares menores. Quando fizemos esses shows mais intimistas, os fãs ficaram muito desconfortáveis e reclamaram de novo. Não importa o que fizermos, os fãs sempre reclamam! (risos) Se nós não estivermos felizes, então nos deixem morrer! Mas ao invés disso, vamos nos divertir e tornar nossos shows insanos! Não dá nenhum lucro, economicamente falando.

Surpreendentemente, durante seus shows no Japão. o público, que geralmente é tão calmo, fica completamente maluco. Como vocês fazer conseguem isso?

MAXIMUM THE RYOKUN: Não é o bastante! Queremos mais!

NAO: Acho que talvez nós trazemos à tona o que dorme dentro de cada japonês. Muitas vezes, os japoneses que comparecem aos nossos shows são pessoas calmas e reservadas em seu dia-a-dia. Nesses shows, eles se libertam. Parte disso vem da nossa música. Na verdade, eles não estão apenas assistindo nossos shows, eles fazem parte do grupo quando participam, respondendo a tudo aquilo que dizemos ou apenas se soltando.

No seu DVD, nós geralmente vemos vocês se divertindo e fazendo coisas malucas. É importante para vocês poderem se exibir desse jeito?

MAXIMUM THE RYOKUN: Durante os shows, nós temos meninas gritando "Kyaaaaaaaaa, você tem muito estilo no palco!" Então, sim, é importante nos portar de maneira diferente, sem artifícios.

Nos bônus escondidos em seu último DVD por exemplo, ou em seu site oficial em inglês, MAXIMUM THE RYOKUN realmente gosta de se exibir de um jeito muito estranho. Por que isso?

(NAO cai na gargalhada)

MAXIMUM THE RYOKUN: É verdade, eu gosto de surpreender as pessoas e brincar com meu lado mais infantil.

NAO, você realmente gosta de bater no UE-CHANG. Ele é o seu saco de pancadas?

(todos caem na gargalhada)

Todos: (em francês) Exatamente!

(começam a bater em UE-CHANG)

Bem, falando em UE-CHANG, você recebeu um helicóptero do Doraemon no seu aniversário. Você ainda brinca com ele?

UE-CHANG: Sim, todos os dias!

DAISUKE-HAN: Ele até voa com ele! (risos)

Onde vocês se vêem daqui a dez anos?

NAO: Se possível, gostaríamos de continuar fazendo shows, sem mudar quem somos, mesmo se eu não puder mais levantar minhas pernas como hoje, mesmo se continuar deslocando meu quadril. Vou agitar o máximo possível! Também estou contando com vocês, o público, para virem nos ver e ter o físico necessário para conseguir nos acompanhar nos shows!

Vocês têm uma última mensagem para os seus fãs?

DAISUKE-HAN: Quando eu tiver sessenta anos, eu ainda vou continuar malhando e serei como o Arnold Schwarzenegger! Terei o mesmo corpo!

NAO: Je t'aime!




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal: 5 músicas inacreditavelmente insanas. Isso existe mesmo?Metal
5 músicas inacreditavelmente insanas. Isso existe mesmo?


Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

Viralizou: mulher grita deixa eu escutar Beatles para pregadora em metrôViralizou
Mulher grita "deixa eu escutar Beatles" para pregadora em metrô


Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com clássicos como Iron Maiden e Black Sabbath. Hoje em dia, entre outros gêneros musicais, e sem se limitar a rótulos, ouve principalmente doom, viking e folk metal. Sempre que possível está em busca de novas bandas que tenham algo a transmitir alem de clichês, e mesmo em meio a tantas novidades não dispensa pérolas como o bom e velho Candlemass. Acompanha o Whiplash! desde os primórdios, tendo iniciado sua vida de internauta no mesmo ano de criação do site (1996). Há algum tempo está envolvido com metal, seja trabalhando com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa, na tentativa de contribuir de alguma forma para o crescimento desse que é um dos segmentos mais apaixonantes da música, o metal.

Mais informações sobre Emanuel Seagal

Mais matérias de Emanuel Seagal no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin