John Lennon: "Yoko acha que fui 'malvado'", diz biógrafo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Karina Detrigiachi, Fonte: Veja.com
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 01/05/09. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O jornalista britânico Philip Norman, escreveu uma biografia de 839 páginas sobre o BEATLE John Lennon. A viúva de Lennon, Yoko Ono, afirmou que Norman pegou pesado com Lennon e o jornalista se defendeu: "Ela acha que fui 'malvado' com John, quando na verdade eu o apresentei de maneira positiva, fazendo um retrato afetuoso", declarou Norman.

76 acessosAlta Fidelidade: "Flowers in the dirt", um clássico do McCartney5000 acessosFoo Fighters: Banda mita em protesto homofóbico religioso nos EUA

Esta afirmação de Yoko Ono se refere a descrições detalhadas sobre o caráter de Lennon como mudanças extremadas de humor, suas manias, baixa auto-estima, insegurança sexual, flertes com o homossexualismo e a situação de quase ter feito sexo com sua própria mãe.

Abaixo o trecho de uma entrevista que Norman concedeu ao site VEJA.COM:

Veja.com: Já existiam centenas de biografias sobre os Beatles. Por que um novo livro sobre Lennon?

Norman: "A minha mulher, que é escritora e produtora de TV, foi a primeira a sugerir que eu escrevesse a biografia de John Lennon. Embora centenas de livros tivessem sido publicados sobre os Beatles e sobre aspectos específicos de John Lennon, havia apenas duas biografias sólidas sobre ele, e ambas datavam da década de 1980. John merecia um monumento literário, não só como músico, mas também como escritor, poeta, ativista da paz - uma grande figura da cultura do século XX. John foi tanto um gênio musical como um ser humano inesquecível. Ao redor do mundo, ele é hoje considerado quase um santo secular - o que teria arrancado dele um rude gracejo".

Veja.com: Você dedicou cerca de 150 páginas à infância e adolescência de Lennon. Foi um período crucial para entender quem ele foi?

Norman: "A infância de John teve uma importância enorme, porque deu a ele a sensação de não ter sido desejado por seus pais, muito embora a criação que teve por parte de sua tia Mimi - que o assumiu como responsabilidade sua - tenha sido por diversas razões feliz e segura. Eu queria que o leitor vivesse esses anos junto com ele, um período de dor que [o terapeuta] Arthur Janov o fez acessar e liberar, em 1970. Mas quase metade do livro trata da vida de John após o encontro com Yoko. Ela foi, sem dúvida, a companheira de sua alma. Foi ela quem lhe deu o ímpeto de deixar os Beatles e se tornar o artista que ele queria ser. Mas, criativamente falando, seu trabalho com os Beatles será sempre superior a tudo".

Leia a matéria completa no link abaixo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Paul McCartneyPaul McCartney
O dia em que ele deu um soco na cara de Eddie Vedder

76 acessosAlta Fidelidade: "Flowers in the dirt", um clássico do McCartney768 acessosGeorge Harrison: rara música dedicada a Ringo Starr é encontrada731 acessosCanal NB: os Beatles e o baseado no castelo da rainha150 acessosAlta Fidelidade: Unboxing "Sgt Pepper's" 50 anos399 acessosCanal Nostalgia: como os Beatles mudaram a história da música0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

BeatlesBeatles
Os 10 melhores discos solos de ex-integrantes

Q MagazineQ Magazine
Leitores elegem as 100 Maiores Estrelas do Século XX

Paul McCartneyPaul McCartney
Os Rolling Stones invejavam os Beatles?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"0 acessosTodas as matérias sobre "John Lennon"

Foo FightersFoo Fighters
Banda mita em protesto homofóbico religioso nos EUA

InfluênciasInfluências
Folk Metal e Música Celta

SupergruposSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

5000 acessosSlash: "Sweet Child" é a coisa mais gay que alguém poderia compor5000 acessosPower Metal: os dez álbuns essenciais do gênero5000 acessosOs diários secretos de Roger Waters5000 acessosSatyricon: "me desculpe, não foi satânico o suficiente?"5000 acessosDave Mustaine: "aquele antigo baterista, que agora toca no Misfits"5000 acessosExodus: A opinião de Gary Holt sobre as bandas Emo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Karina Detrigiachi

Designer, nascida na cidade de São Paulo, Kari como é mais conhecida, cresceu ouvindo Deep Purple, Led Zeppelin, Skid Row e Alice Cooper. É apaixonada por todas as vertentes do Metal, porém ouve de tudo um pouco sem se prender a rótulos.

Mais matérias de Karina Detrigiachi no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online