Tommy Lee: "as pessoas não ouvem mais um álbum completo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Samuel Coutinho, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar Correções  

Sean Daly e Steve Spears do St. Petersburg Times, conduziram uma entrevista com o baterista do MÖTLEY CRÜE, Tommy Lee. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

Duff McKagan: Anestesias não funcionam mais no baixista

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1986

St. Petersburg Times: Conte-nos sobre a sua montanha-russa de 360º que você desenvolveu para esta turnê. Parece loucura.

Tommy: É uma daquelas coisas que você absolutamente tem que ver. Você pode ver os vídeos no YouTube durante todo o dia, mas você realmente tem que presenciar aquilo ao vivo. A idéia partiu de mim mesmo. Era hora de subir de nível. Na próxima vez, vou tocar em cima de um elefante (risos). Você me conhece cara, sou um candidato à emoções. E alguém tem que fazer!

St. Petersburg Times: Quanto aos seus fãs? Tem de todas as idades?

Tommy: As idades variam muito. Nós fazemos música há 30 anos, então é normal ter fãs de nossa idade. Não gostamos de nos referir a maioria dos nossos fãs apenas como "groupies", porque eu vejo crianças de 10 anos curtindo o nosso som. Alguns pais estão trazendo seus filhos. É muito legal ver uma variedade tão grande de pessoas que vêm para o show. De todas as idades, todas as cores e tamanhos.

St. Petersburg Times: Você já disse várias vezes que você não quer gravar mais álbuns. Por que isso?

Tommy: Ninguém compra discos mais. Você pode olhar para as vendas e contar quantos álbuns então sendo vendidos hoje em dia. Infelizmente, existe uma espécie de "fast food" na indústria da música. As pessoas não ouvem mais um álbum inteiro. Elas compram música por música. Você se esforça, durante seis ou oito meses, para lançar um registro completo, daí o cara vai lá e compra só uma música, isto é estúpido.

St. Petersburg Times: Isso é meio triste. Olhar para todos os grandes álbuns que vocês fizeram. Olhe para "Dr. Feelgood".

Tommy: Eu não sei, cara. Eu não acho que é triste. Eu acho que é até bom. Isso vai fazer com que as pessoas façam músicas melhores, em vez de fazer um álbum com nove faixas ruins com só duas músicas boas. Eu acho que é válido. Eu acho que vai ser maravilhoso, para dizer a verdade.

Leia a entrevista completa (em inglês) no link abaixo:

http://www.tampabay.com/features/music/no-need-to-kickstart-...




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Duff McKagan: Anestesias não funcionam mais no baixistaDuff McKagan
Anestesias não funcionam mais no baixista

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1986Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1986


Sobre Samuel Coutinho

Nascido no interior de SP no dia 15/12/1986, em uma cidade chamada Ilha Solteira, Samuel Coutinho se entregou ao heavy metal logo na adolescência. Seu forte sempre foi o heavy metal melódico, variando desde o prog-metal até ao power-metal.

Mais matérias de Samuel Coutinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin