Angela Gossow: "Quero mensagem positiva nas minhas letras"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Juliana - AEBR, Fonte: Brazilian Apocalypse
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 22/06/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


O site Hails And Horns conduziu uma entrevista com Angela Gossow, vocalista do Arch Enemy. Confira alguns trechos.

4594 acessosBateristas: os doze melhores da atualidade no Metal e no Prog5000 acessosRobert Plant: "quase saí do Led quando meu filho morreu"

No novo álbum Khaos Legions, a sua performance vocal é muito agressiva, o que você queria que seus vocais capturassem?

Agressão. É a minha força motriz. Meu elemento é o fogo. Ele precisa sair, caso contrário, eu queimo por dentro. Eu queria que eu fosse mais equilibrada, paciente, com menos raiva e ódio - mas eu não sou. Eu desprezo o mundo na maioria das vezes. Eu odeio a estupidez humana, a ignorância, a intolerância, os caminhos de destruição que deixamos em todos os lugares, como mulheres, crianças e animais são muitas vezes maltratados por sociedades inteiras, a maneira como nós poluímos tudo, superstição e medo controlando as pessoas, indústrias corporativas e lobbies que regem o mundo. Eu tenho tanta raiva e a música é o lugar onde eu coloco um pouco disso.

Agora que você está estabelecida como um dos melhores vocalistas extremos, como você tenta se reinventar?

Eu não penso sobre nada disso. Eu sou quem eu sou e eu coloco todo o meu coração e alma nisso. Eu gostaria de ser mais versátil, eu gostaria de fazer gritos como os do Rob Halford e os guturais do Dan Swano. Eu não posso. Mas o que eu tenho eu faço a 200%, toda vez. Eu realmente sinto isso e eu vivo isso. E isso vem através de meu desempenho, especialmente ao vivo no palco. Ser eu é tudo o que tenho - mas eu dou cada centímetro disso. Eu não sinto que tenho que me reinventar - isso seria como encenar alguma coisa e colocar um novo rosto, roupas diferentes e mudar o estilo. Isso é o que os atores fazem - e eu não atuo. Eu não finjo. Então eu vou ser quem eu sou até o dia em que eu morrer. Mas o que eu faço é muito intenso ... Eu não tenho certeza por quanto tempo vou estar disposta a fazer isso. Penso apenas em ir de volta minha concha mais e mais, tornando-me uma pessoa privada de novo. Ser extrovertida queima muita energia e consome a alma.

Qual foi liricamente o conceito para o álbum?

Liberdade. Liberdade de si mesmo, e dos lugares escuros que a mente de alguém pode ir, da sociedade, dos governos, da religião, da superstição e do medo. A liberdade está na sua cabeça, você pode encontrá-la, não importa quais são as circunstâncias que você tem para viver. Eu quero uma mensagem positiva nas minhas letras, levar as pessoas a se levantar e lutar, encontrar a sua paixão e assumir a responsabilidade de novo, estar no controle da sua própria vida e felicidade. Eu não gosto do tipo de letra 'Eu me sinto tão triste por mim mesmo' - Eu nasci em uma sociedade rica e eu não consigo aguentar pessoas que têm tudo e ainda choram e lamentam. Se você nasceu sem futuro, sem comida, sem abrigo adequado, não há segurança, não há justiça - então você pode entrar em depressão e sentir pena de si mesmo. Mas a maioria das letras emo são cantadas pelos brancos, de classe média, crianças mimadas que estão entediadas até a morte, mas ficam reclamando em vez de apenas se levantar e fazer algo construtivo sobre seus "problemas".

Você adotou qualquer perspectiva de vida em relação a este álbum?

Sim - a vida é curta demais para adivinhar e para ouvir opiniões de outras pessoas. Eu não li nenhuma resenha do 'Khaos Legions' ainda - Eu sei que as pessoas que amam o Arch Enemy vão adorar este álbum e nos apoiar. Eles estarão nos shows, eles vão comprar a sua cópia e esperamos ter a chance de autografa-la. Mas aqueles que nos odeiam - Eu não tenho tempo para essas pessoas. Minha vida é curta demais para prestar atenção às suas opiniões sobre a banda, a música e eu como pessoa. Eu me pergunto por que eles têm tempo para desabafar sobre o assunto ou até mesmo nos ameaçar.. Há tanta coisa que resta para se fazer na vida - apenas as faça e deixe os outros em paz. A música está ai para te apoiar - ouça a música que faz isso para você e ignore as músicas que não fazem. É subjetivo, como quase tudo na vida.'Khaos Legions' é a nossa maneira de dizer: Pegue-o ou deixe-o.

Quando você olha para uma multidão que tipo de sentimento você tem, e esse sentimento vem quando você estava gravando o novo disco?

Eu adoraria gravar novos álbuns ao vivo no palco - É aí que eu me sinto o mais viva e poderosa. Eu odeio o estúdio. Tento imaginar estar no palco, mas não é o mesmo. Ele é muito controlado, não é livre o bastante. Estou ansiosa para lançar um DVD com as novas canções, que é quando elas vão soar melhor. Somos uma banda ao vivo. Nós sempre soamos melhor ao vivo do que no estúdio. Pelo menos essa é minha opinião pessoal. Os caras da banda podem discordar. Mas eu gosto da minha música bruta e ao vivo.

O Khaos Legions já está disponível em versão nacional, para mais informações de como adquiri-lo acesse o link abaixo.

http://www.archenemy.net.br/produtos_arch.php

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

BateristasBateristas
Os doze melhores da atualidade no Metal e no Prog

17 acessosEm 21/05/1999: Arch Enemy lança o álbum Burning Bridges742 acessosArch Enemy: confira o vídeo oficial da música "The Race"1465 acessosGuitarristas: em vídeo, o Top Ten do Metal Moderno0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Arch Enemy"

Metal HammerMetal Hammer
As melhores músicas da história do Death Metal

FamíliaFamília
Irmãos que tocam ou já tocaram juntos na mesma banda

Angela GossowAngela Gossow
Adolescência conturbada, família, medos e planos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Arch Enemy"


Robert PlantRobert Plant
"Quase saí do Led quando meu filho morreu!"

SepulturaSepultura
Saiba mais sobre as visões religiosas de Derrick

SlayerSlayer
Kerry King explica como se deve balançar a cabeça

5000 acessosA História da New Wave Of British Heavy Metal5000 acessosCâncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson5000 acessosRockstars: as esposas mais lindas do rock - 1ª parte5000 acessosA importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars5000 acessosPink Floyd: as duas facetas vocais de David Gilmour5000 acessosLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Juliana - AEBR

Juliana Lacerda, formada em Matemática Aplicada e Computação Científica - USP. Fluente em inglês e atualmente aprendendo alemão e sueco. É webmistress do fansite oficial brasileiro da banda Arch Enemy www.archenemy.net.br . Além do Arch Enemy, gosta de bandas como Arkona, Dimmu Borgir, Ensiferum, Finntroll, Graveworm e Equilibrium.

Mais matérias de Juliana - AEBR no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online