Deep Purple: lance de "classic rock" atrapalha, diz Glover

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 07/06/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Jim Sullivan, do BostonHerald.com, entrevistou o baixista do DEEP PURPLE Roger Glover. Seguem alguns trechos da conversa.

713 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?5000 acessosPink Floyd - Perguntas e Respostas

BostonHerald.com: O DEEP PURPLE fez shows com orquestras várias vezes. Como será esse?

Glover: Sim, nós tocamos com orquestras antes, e fomos uma das primeiras bandas a fazer isso. Foi na verdade uma composição do Jon ("Concerto for Group and Orchestra" em 1969) e não tinha nada a ver com rock. Era realmente uma sinfonia. Nós também fizemos nossa música com um pouco de ‘backing’, que é uma forma cruel de dizer que é o que faremos nessa turnê. Mas é um pouco mais que isso.

BostonHerald.com: É como o CD ao vivo do METALLICA "Symphony & Metallica"?

Glover: Toda vez que se menciona uma banda de rock e orquestra, todos dizem "Ah, como o METALLICA", o que me coça a língua um pouco. Nada contra o o METALLICA, mas bandas fizeram isso bem antes do METALLICA.

BostonHerald.com: Então como você explica?

Glover: É um show do DEEP PURPLE. Não há como negar o fato de que há uma orquestra lá, e não é nem sequer uma orquestra. São alguns instrumentos de cordas, de sopro, e mais como jazz e coisas orquestrais e clássicas. É um show de rock com um peso a mais. Nós nem sabemos bem como vai soar.

BostonHerald.com: O que significa ser chamando de uma banda clássica de rock?

Glover: Estamos presos nos EUA com esse rótulo de rock clássico, então é bem difícil conseguir uma platéia com menos de 40 anos. É um rótulo. Acho que isso nos fere, porque não estamos chegando até o público mais jovem a que chegamos no resto do mundo. Fomos grandes na França nos últimos sete anos e tocamos em grandes lugares, que sempre ficaram lotados de adolescentes e eles são animados. Você vai para os EUA e toca num barraco em algum lugar e as pessoas ficam assentadas, comendo sua pipoca, não querem se levantar e mal batem palmas.

BostonHerald.com: Vocês estão trabalhando em material novo?

Glover: Na realidade sim. Tivemos uma sessão de composição em março. Conseguimos nos reunir e concordar em fazer um álbum. As pessoas andavam dizendo que o negócio mudou, que as pessoas não compram mais discos. Mas não sou dessa crença. Somos uma banda de fazer discos. Nascemos assim e devemos morrer assim. Um disco é quase como um boletim escolar de uma geração, uma grande tradição.

Leia a entrevista na íntegra (em inglês) no BostonHerald.com.

Agradecimentos: João Renato Alves

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich e suas influências na bateria

713 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?434 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta695 acessosDeep Purple: a história de "Smoke On The Water"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

DioDio
Ritchie Blackmore não falava com ele, até que um dia...

RainbowRainbow
Blackmore explica porque serão apenas músicos novos

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"

Pink FloydPink Floyd
Perguntas e respostas e curiosidades

HumorHumor
As 101 regras para ser um fã da NWOBHM

Courtney LoveCourtney Love
"Parei com drogas e fodi como um coelho"

5000 acessosMetal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais5000 acessosCantadas Headbanger: "Estou Priest a te dar um beijo!"5000 acessosFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana3948 acessosMetallica: James Hetfield explica decisão de abandonar seu perfil no Instagram5000 acessosIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhor4919 acessosRob Zombie: fazer turnê com o Slayer não foi tão legal assim

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online