Max Cavalera: "Não aceito nada que não seja Metal no CC"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Ver Acessos

Brian Fischer-Giffin, da revista australiana LOUD, conduziu recentemente uma entrevista com MAX CAVALERA (SOULFLY, CAVALERA CONSPIRACY, ex-SEPULTURA). Alguns trechos traduzidos da entrevista podem ser lidos abaixo

Sepultura: Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festivalPink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock

Sobre a abordagem musical do CAVALERA CONSPIRACY:

Max: 'Com o CAVALERA nós tentamos criar, no que tange ao som, talvez o melhor de mim e de Iggor (Cavalera; ex-baterista do SEPULTURA e atualmente no CAVALERA CONSPIRACY) juntos, tal como era na época thrash do Sepultura, de 'Beneath The Remains' e 'Arise' e 'Third World Posse' e 'Chaos A.D. ' Eu acho que aquela era do som comigo e Igor juntos foi a mais energética e mais agressiva e era como o fogo dos dois irmãos. Então eu queria talvez recriar isso. Mas não imitar, apenas uma referência, usar aquele tipo de som. Então nós começamos... o primeiro disco foi criado com isso em mente. Havia muita coisa no estilo thrash, muita coisa hardcore. Daí começamos o novo disco, 'Blunt Force Trauma', e nós fomos ainda mais fundo e pesados, até mais hardcore e fizemos uma música com Roger (Miret) do AGNOSTIC FRONT.'

Quanto às diferenças entre o CAVALERA CONSPIRACY e o SOUFLY:

Max: 'O Soulfly sempre foi um pouco mais aberto a diferentes tipos de música e influências diversas... você sabe, o lance meio world music, coisa do tipo. O Cavalera é mais metal. É realmente mais estritamente metal. Eu não deixo outras influências entrarem no mundo do Cavalera. Elas não são muito bem-vindas. È um lance de preciosismo. Eu não tenho preconceito contra outros tipos de música, mas eu queria que o Cavalera fosse algo à parte. Eu fiz isso de propósito. Eu defendo isso e é algo do qual eu tenho orgulho. Quando eu e Iggor estamos juntos, e estamos tocando, nós só queremos tocar metal. Nós não queremos ficar de folia com outros tipos de música. Nós só queremos fazer o que fazemos de melhor - algo na cara, agressivo, sempre com a atitude que as pessoas estão esperando.'

Sobre a vindoura turnê australiana do Cavalera Conspiracy como parte do festival Big Day Out:

Max: 'Vai ser meio difícil fazer um set list, mas eu acho que vamos bolar algo legal que as pessoas gostarão e vão sair do show felizes e dizer, 'Olha, eu finalmente ouvi essa música e ouvi aquela música. Valeu a pena esperar vinte anos!' Entende? Sempre há clássicos pelos quais as pessoas podem esperar de nossos shows. Nós tocamos muita coisa do CC dos dois discos, mas ainda tocamos muitas das favoritas do Sepultura, como 'Arise', e 'Inner Self' e 'Troops of Doom' e 'Roots' e 'Refuse/Resist'.

Sobre o terceiro disco do CAVALERA CONSPIRACY:

Max: 'Quando chegar a hora de fazer o terceiro disco, nós vamos nos juntar e tentaremos preparar um disco muito especial. Na maioria das vezes, o terceiro disco de uma banda é um momento muito especial na carreira dela e no caso do CC não deve ser diferente. Então nós daremos ao disco um tratamento especial e daremos muito de nosso tempo para compô-lo e gravá-lo da maneira certa e arrumar tudo do jeito certo.'




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Cavalera Conspiracy"Todas as matérias sobre "Max Cavalera"Todas as matérias sobre "Sepultura"


Sepultura: Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festivalSepultura
Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festival

Sepultura: gravações do novo álbum já foram concluídas pela bandaSepultura
Gravações do novo álbum já foram concluídas pela banda

Sepultura: Faleceu pai de Eloy Casagrande

Sepultura: Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in RioSepultura
Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in Rio

Em 02/09/1993: Sepultura lançava o clássico "Chaos A.D."

Sepultura: novo álbum já tem nome, diz Andreas KisserSepultura
Novo álbum já tem nome, diz Andreas Kisser

Petbrick: ouça novo single de projeto experimental de Iggor Cavalera

Max Cavalera: ele não entende como o Slayer consegue pensar em se aposentarMax Cavalera
Ele não entende como o Slayer consegue pensar em se aposentar

Sepultura: veja entrevista de Andreas Kisser no programa CMCHRodz Online: Sepultura vs Max Cavalera (vídeo)

Sepultura: banda já está gravando sucessor de Machine MessiahSepultura
Banda já está gravando sucessor de "Machine Messiah"

Collectors Room: os 50 anos de Max Cavalera (vídeo)

Sepultura: Kisser e as dificuldades depois da saída de Max e IgorSepultura
Kisser e as dificuldades depois da saída de Max e Igor

Metallica: o que Andreas Kisser achou do Hardwired?Metallica
O que Andreas Kisser achou do "Hardwired?"

Heavy Metal: site elege as dez melhores bandas do BrasilHeavy Metal
Site elege as dez melhores bandas do Brasil


Pink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic RockPink Floyd
As 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock

Metalhead: as mulheres mais sexys do Heavy MetalMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Derek Riggs: Eddie vende mais do que Mickey MouseDerek Riggs
"Eddie vende mais do que Mickey Mouse"

Metal: as bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheadsMetal
As bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheads

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarristaAndreas Kisser
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Metal Extremo: os logos mais ilegíveis já criadosMetal Extremo
Os logos mais ilegíveis já criados

Guitarristas: Rolling Stone elege 100 maiores de todos os temposGuitarristas
Rolling Stone elege 100 maiores de todos os tempos


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336