Black Country: Joe Bonamassa fala sobre sua saída

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: classicrockmagazine.com, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O agora ex-guitarrista do Black Country Communion, Joe Bonamassa, admite que ficou desiludido com a banda durante sua turnê em 2011.

Ele diz que "felizmente não está mais envolvido" com o supergrupo, meses após um desentendimento público com o frontman Glenn Hughes quase atrapalhar o lançamento do terceiro álbum da banda, Afterglow.

Os músicos se desentenderam após Hughes expressar sua frustração com o fato de Bonamassa não sair em turnê para apoiar o novo disco com shows ao vivo - um de uma série de contratempos que levaram ao cancelamento de um show único no Reino Unido planejado para janeiro.

Agora o guitarrista disse ao PremierGuitar: "Da minha parte meu envolvimento está encerrado".

"Originalmente foi algo que fiz pelas mesmas razões pelas quais eu fiz aquilo com Beth Hart and Rock Candy Funk Party: foi uma chance excepcional de tocar um tipo diferente de música que eu não tenho a chance de tocar normalmente".

"Então eu fiz isso e fiz uma turnê de nove semanas em 2011 que realmente, no final dela, não estava sendo divertido para mim. Não era porque eu não gostava da cambada, mas era demais para mim - envolvimento demais para levar gente de um lado para o outro e conseguir fazer com que a banda fosse para o palco".

"Todo mundo parecia estar muito tenso, e isso deixou minha equipe muito tensa e não é desse jeito que eu gosto de fazer turnê. Eu tenho uma família. Eu tenho 21 pessoas que estão na estrada o tempo todo e se eu perguntasse a eles quem menos causava problemas a eles, eles diriam que sou eu".

Mas Bonamassa permanece orgulhoso de seu trabalho com a banda, que também conta com as presenças de Jason Bonham, Derek Sherinian e o produtor Kevin Shirley.

"Os dois primeiros discos foram um arraso" disse ele. "A banda é fantástica quando o Ritalin faz efeito e o déficit de atenção se dissipa e todo mundo está focado. É uma banda de rock devastadora boa no estilo do início dos anos 70, e o Glenn é um cantor fantástico - simplesmente um dos melhores de todos os tempos".

"Simplesmente deixou de ser divertido para mim. Tudo aquilo que o Glenn fala na mídia fazendo essencialmente a responsabilidade cair em cima de mim, essa foi a razão da banda não fazer turnê e da falta de futuro para a banda. Rapidamente deixou completamente de ser divertido. Seria desonesto da minha parte estar no palco e fingir que estou me divertindo para agradar a banda".

Anteriormente ele consentiu que o BCC continue sem ele, uma jogada que Hughes e Bonham haviam dado indícios no passado. "Eu simplesmente não sou o guitarrista para aquela banda", disse ele. "Infelizmente parece não haver nenhum guitarrista sem trabalho em LA que eles possam recrutar. Há tantos caras que podem fazer esse papel e eu seria o primeiro cara a entrar na fila para comprar um ingresso".

"Felizmente eu não estou mais envolvido - mas estou feliz com o legado que deixei com a banda e feliz com os discos que fizemos. Foram três anos ótimos para mim".


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Black Country Communion"Todas as matérias sobre "Joe Bonamassa"


Glenn Hughes: ele ama o Brasil pelas pessoas, comida e futebolGlenn Hughes
Ele ama o Brasil pelas pessoas, comida e futebol


Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroHeavy Metal
Nove ótimas músicas suaves do gênero

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

adGoo336