Tristania: mais novidades sobre o próximo álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Lima, Fonte: Site oficial e facebook, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Este texto foi postado no site oficial do TRISTANIA dia 10 de abril de 2013, como parte dos relatórios de Anders sobre o novo álbum:

Os vocais principais das músicas, feitos por Mary, Kjetil e Ole, foram gravados no estúdio do Christer em Grünerløkka, Oslo. Os guturais, backing vocals e demais efeitos vocais foram gravados semanas depois em outro estúdio nos suburbios de Olso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A gravação dos vocais talvez tenha sido a contribuição mais importante do Christer para o nosso novo álbum, ficando atrás somente é claro da mixagem das faixas. Ele é um produtor musical maravilhoso e realmente instiga os vocalistas a darem o melhor de si; ouso dizer que Mary, Kjetil e Ole fizeram as melhores performances vocais de suas carreiras nesse álbum. Apesar das intensas gravações e trabalho duro, Mary e Kjetil estão muito satisfeitos com o resultado final de tanto esforço; Christer realmente tem a habilidade de extrair aquilo que cada vocalista tem de mais extraordinário, seus dons devem causar inveja em outros produtores musicais.

Uma breve divagação minha: sou um grande fã de ANATHEMA e amo todas as fases pelas quais a banda já passou ao longo de sua existencia. Fico realmente estupefato em ver como os vocais do Vincent melhoraram com o passar do tempo. Eu sempre viajei pensando em como ele grava seus vocais no estúdio e acho que os do último álbum dele foram os melhores já feitos em sua carreira. Durante as gravações de Darkest White, percebi como Christer deve ter sido importante para que Vincent alcançasse tais níveis de excelência. (Nota do tradutor: Christer André Cederberg também já produziu álbuns de estúdio do ANATHEMA, cuja banda o vocalista é o Vincent citado no texto)

Acredito que Mary e Kjetil fizeram um excelente trabalho em nosso último álbum. Acho que Protection (Mary) e Illumination (Kjetil) são os ápices de ambos em Rubicon. Entretanto, eles sempre dizem que não acham que tenham explorado todo o potencial de seus vocais em Rubicon. Esse foi o primeiro álbum de ambos como vocalistas do TRISTANIA e acredito que todas as turnês que já fizemos juntos tenham deixado-os mais confiantes para desempenharam melhor suas funções daqui para frente.

Darkest White também foi o primeiro álbum em que Ole cantou de fato como vocalista e não apenas como vocal de apoio. Não é segredo para ninguém que ele é de fato incrível e as performances que ele realizou ao vivo conosco estão aí para provar. Ole é responsável pelos vocais no refrão de Lavender e também canta partes importantes em Diagnosis and Arteries.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois de falarmos dos vocais, acho que também é importante escrever sobre as letras: Tarald escreveu letras brilhantes para Darkest White. Do nosso álbum anterior, a minha favorita é Magical Fix. Desta vez, ele foi o responsável por todas as letras do álbum.

Nossos álbuns sempre acabaram tendo a contribuição de muitas pessoas na hora de escrever as letras. De World of Glass a Rubicon, Osten foi o principal autor delas. E ele sempre foi ótimo, mas Ole de fato mostrou a que veio nesse álbum. Ole tem um jeito todo especial com as palavras, a forma como ele as usa e brinca com elas, provocando o famoso efeito da ambiguidade. Ele sempre compôs muito, mas nas letras dos últimos dois anos ele conseguiu evoluir de forma notável. Se não me engano, ele escreveu mais de cinquenta letra entre 2010 e 2012, e as dez melhores dentre elas foram as escolhidas para estarem em Darkest White.

As últimas gravações, feitas no final de fevereiro, foram feitos aqui em Olso. Ole Kjetil, Tarald e eu trabalhos exaustivamente durante um final de semana fazendo os ajustes finais (nesse período, Mary gravou mais alguns vocais com o Christer) e gravando os vocais extremos (Darkest White e Requiem foram gravados no estúdio do Christer a noite depois de Mary e Kjetil terminarem algumas sessões). O final das gravações foi bem agitado; gravando dia e noite para que terminassemos antes de Christer iniciar suas mixagens nas músicas. No último dia, gravamos sem parar de domingo às 10h até segunda, as 05h da madrugada! Eu me lembro muito bem como estávamos nos sentido: mortos e exaustos no primeiro trem para as nossas casas e tentando fazer cair a ficha de que, finalmente, Darkest White estava pronto.

Dia 17 de abril de 2013, quando a banda divulgou o sample de Himmelfall no Facebook, eles propuseram aos fãs que, se até segunda feira (22 de abril) o trecho dessa música tivesse mais de duzentos compartilhamentos, eles iriam divulgar uma música nova nesse dia. E como a meta foi cumprida (foram quase TREZENTOS compartilhamentos) eles divulgaram a faixa título inteira do álbum, a canção Darkest White:

Dia 05 de abril a banda postou o tempo de duração de todas as músicas. A saber:

1. Number: 4:45
2. Darkest White: 3:25
3. Himmelfall: 5:48
4. Requiem: 5:29
5. Diagnosis: 5:02
6. Scarling: 5:18
7. Night on Earth: 3:36
8. Lavender: 5:11
9. Cypher: 5:43
10. Arteries: 4:11

Fonte dessa parte: http://www.facebook.com/#!/photo.php?fbid=505265732843082&set=pb.124865974216395.-2207520000.1366938410.&type=3&theater




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Tristania"Todas as matérias sobre "Anathema"


Metalhead: as mulheres mais sexys do Heavy MetalMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Galeria: Musas do Rock e Heavy MetalGaleria
Musas do Rock e Heavy Metal


Slash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gaySlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1Demonstrações de afeto
Fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1


Sobre Pedro Lima

Começou a ouvir metal na adolescência quando bandas como Nightwish e After Forever ficaram famosas mundialmente. Hoje, considera-se um apreciador do metal e (quase) todas as suas vertentes, desde as mais tradicionais como heavy e thrash até as não muito tradicionais, como o industrial e o metalcore. Como aspirante a tradutor profissional, desde já traduz notícias de suas bandas favoritas para o Whiplash.Net.

Mais matérias de Pedro Lima no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280