James LaBrie: Mike Mangini é o melhor do planeta

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 18/09/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Helena Rosendahl do Ghost Cult Magazine conduziu recentemente uma entrevista com o vocalista do DREAM THEATER, James LaBrie. Alguns trechos desta conversa estão disponíveis abaixo.

106 acessosDream Theater: Saiba por que Petrucci é tão concentrado nos shows5000 acessosKiss: as 10 músicas mais "demoníacas" da banda

Ghost Cult Magazine: Seu primeiro lançamento com o baterista Mike Mangini desde o começo, seu verdadeiro "rito de passagem" na banda, qual foi a intenção coletiva com este álbum?

LaBrie: "Bem, eu acho que como uma banda, percebemos que com "A Dramatic Turn Of Events", no caminho para este álbum, um dos membros originais saiu [o baterista Mike Portoy], e então fizemos as audições. Achamos um cara que sabíamos desde o começo que iria caber como uma luva, e achamos neste ponto que era só uma questão de fazermos o que fazemos, escrever um grande álbum. Mas Mike Mangini não estava envolvido no processo de "A Dramatic Turn Of Events", mas por sorte chegou e fez um fenomenal trabalho com a gravação d suas faixas. Eu conheço Mike há 14 anos. Ele tocou bateria em três de meus álbuns solo, nos primeiros dois álbuns "MULLMUZZLER" e "Elements Of Persuasion". Então eu o conhecia há um bom tempo e sabia que ele era o cara."

Ghost Cult Magazine: Foi porque você tinha este "relacionamento de trabalho" já construído?

LaBrie: "Sim, somente porque eu amo sua personalidade; ele é um dos caras mais fáceis de se lidar, você sabe, ele tem uma grande atitude. Ele é um baterista fenomenal; o melhor, eu acho, no planeta e eu não acho que estou sozinho nessa. Eu acho que o que realmente ajudou foi que tivemos uma turnê mundial inteira ("A Dramatic Tour Of Events"). Quando você está lá na estrada, é quando a verdadeira personalidade de alguém realmente aparece, e não somente isso, você se sintoniza muito melhor com o músico e você entende como ele trabalha e como reage e interage, e eu acho que na hora que começamos a pensar sobre o que queríamos trazer para este álbum , ele estava totalmente a bordo. Nós sabíamos que teríamos uma viagem fenomenal com ele - como bem foi. Ele apareceu desde o primeiro dia, quando começamos a compor e ele já estava pronto. Ao mesmo tempo, o que é realmente ótimo em relação a ele, é que ele é muito respeitoso, como se entendesse: 'Esses caras estão fazendo isso por mais de 20 anos, e eles tem uma química acontecendo aqui, então eu vou sentar aqui, mas ao mesmo tempo vou estar envolvido e entusiasmado', o que estava. Isso não aconteceria se ele não tivesse tirado 15 meses na estrada conosco [...]"

Ghost Cult Magazine: Eu entendo que mais uma vez você gravou seus vocais separados com o engenheiro Richard Chycki no Canadá. Por que você prefere esta abordagem?

LaBrie: "Eu não gosto de ter pessoas ao redor quando eu gravo meus vocais. É o mesmo com John Petrucci quando ele está gravando suas guitarras. Ele não gosta que fiquem por perto. É assim que eu trabalho melhor. Eu trabalho onde estão somente eu e o engenheiro. É minha interpretação, transmitindo meus sentimentos. Se qualquer outra pessoa está no estúdio, eu acho que isto é uma distração. Então sim, Richard Chycki e eu temos uma grande história, nós nos conhecemos por 25 anos. Nós estávamos em uma banda nos anos 1980 juntos chamada WINTER ROSE, ele me conhece tão bem quanto os caras do DREAM THEATER como vocalista. Ele sabe de como eu gosto de trabalhar, ele sabe que eu gosto de ser realmente paciente na forma de posicionar os vocais para uma seção particular, e isto funcionou maravilhosamente nos últimos dois álbuns sob estes princípios. O engraçado é que trabalhei sob este princípio nos primeiros álbuns do DREAM THEATER e então eu comecei a trabalhar com John e Mike [Portnoy] e se eu pudesse voltar, eu ficaria: 'Não vamos arruinar o bom que temos aqui, vamos manter da forma que trabalho meu melhor'. Não que tenha vergonha disso, ou sinto que faça algo que não devia, mas é como eu acho a melhor forma de trabalhar."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Dream TheaterDream Theater
Saiba por que Petrucci é tão concentrado nos shows

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream TheaterDream Theater
Jordan Rudess comenta pior show de sua vida

VocalistasVocalistas
Os menos conhecidos de bandas famosas

LoudwireLoudwire
Os supergrupos fictícios mais estranhos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"

KissKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

Heavy MetalHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o Loudwire

Led ZeppelinLed Zeppelin
Perguntas e respostas e curiosidades

5000 acessosMetallica: noiva toca "Master..." na bateria no casamento5000 acessosMegadeth: Electra mostra para Kiko como está fera no Português5000 acessosEm 08/03/1995: Ingo Schwichtenberg, baterista do Helloween, comete suicídio5000 acessosDavid Lee Roth: Cocaína, putaria e mais cocaína5000 acessosSteven Adler: memórias perdidas com Lars Ulrich e John 55000 acessosAC/DC e Guns: Incontinência urinária de Slash bêbado ajudou na escolha de restaurante

Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online