Black Flag: Greg Ginn acusado de abuso infantil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Ferreira Jr., Fonte: Loudwire, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Notícias perturbadoras tem sido divulgadas sobre o guitarrista e fundador do BLACK FLAG, GREG GINN. A ex-mulher do músico, Marina Ginn, fez uma declaração acusando GINN de abuso infantil, incluindo a negação de alimento para suas filhas de 7 e 10 anos, ameaçando-as física e emocionalmente e utilizando drogas na frente das duas filhas.

Fotos de Infância: Red Hot Chili PeppersIGN Music: os álbuns de Metal mais influentes segundo o site

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O depoimento apresentado por MArina detalha algumas horríveis alegações contra GREG GINN envolvendo as filhas do casal, Isadora e Karis. "Isadora Ginn e Karis Ginn vivem com meu ex-marido em um prédio industrial que também serve como o lugar onde ele conduz seus negócios e os ensaios da banda dele", diz o depoimento. "Elas se queixaram de que o comportamento dele piorou muito ultimamente, que ele está frequentemente negando-lhes comida e ameaçando-as, que ele está usando cada vez mais drogas e álcool na presença delas e que elas tem presenciado discussões e violência física no prédio onde vivem".

O depoimento continua, "Minhas filhas tem reclamado que elas não comem de manhã... Minhas filhas me disseram que parece que elas vão morrer de tanta fome durante as manhãs... minhas filhas me disseram que quando elas finalmente recebem comida, é apenas alface e vinagre e eles falam pra elas que se elas não comerem tudo, elas não vão ganhar mais comida. Isso faz com que elas se engasguem e vomitem".

O documento continua: "Elas também são forçadas a fazer faxina até as 2 da madrugada e são trancadas de vez em quando em um quarto sozinhas sem contato algum com o mundo externo por celular ou e-mails. Eu discordo veementemente com o método disciplinar do pai delas, que inclui jogar canecas de água em seus rostos. Minha filha mais nova chora e se esconde embaixo de um piano quando ele faz isso, ela está aterrorizada".

O documento fica mais perturbador, alegando que GINN teria cantado sua filha mais nova, assoviando para elas e dizendo para elas "Você é um tesão".

O depoimento chega a declarar, "Minha filha me disse que achou que um dia ele ia matá-la", e que ela deu entrada num Pronto-Socorro no dia 07 de outubro devido a problemas de estresse e ansiedade.

De acordo com o Consequence of Sound, Marina Ginn confirmou ao site que o depoimento é real, mas não fez mais comentários. GREG GINN e seus representantes ainda não responderam às acusações.

Após um hiato de 10 anos, GREG GINN e o vocalista RON REYES reformularam o BLACK FLAG. GINN, que é o detentor do nome da banda, processou (embora sem sucesso) os membros e co-fundadores da banda, KEITH MORRIS, DEZ CADENA, CHUCK DUKOWSKI e BILL STEVENSON por se apresentarem sob o nome de FLAG.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Black Flag"


Cronos: Henry Rollins não é um músico e sim um idiotaCronos
Henry Rollins não é um músico e sim um idiota

Tom Araya: Revenge, a faixa solo que o tempo esqueceuTom Araya
"Revenge", a faixa solo que o tempo esqueceu


Fotos de Infância: Red Hot Chili PeppersFotos de Infância
Red Hot Chili Peppers

IGN Music: os álbuns de Metal mais influentes segundo o siteIGN Music
Os álbuns de Metal mais influentes segundo o site


Sobre Roberto Ferreira Jr.

Nascido na cidade de São Paulo, mudou-se para o interior ainda pequeno. Baterista há 20 anos, teve seu primeiro contato com a bateria aos 11 e aos 15 já tocava no no circuito underground. Atuando profissionalmente como fotógrafo e câmera man, participou da cobertura de vários shows e festivais. Algumas de suas influências musicais: Jethro Tull, Kansas, Pink Floyd, Motörhead, Black Sabbath, Rolling Stones, Iron Maiden, Rainbow, Deep Purple entre outras. Atualmente está mais focado no som setentista, mais progressivo, mas sem perder o peso do metal.

Mais matérias de Roberto Ferreira Jr. no Whiplash.Net.

adGoo336