Matérias Mais Lidas

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemHumberto Gessinger faz símbolo do "L" do Lula com a mão em show e fãs vibram

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemO erro geográfico na letra de "All Star", música que Nando Reis fez para Cássia Eller

imagemLuísa Sonza posta fotos com camiseta da banda de death metal Morbid Angel

imagemTaylor Hawkins: Ele estava cansado e pronto pra abandonar o Foo Fighters

imagemA curta e interessante lista de músicas do Iron Maiden escritas por Dave Murray

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth


PRB

Ghost: Lee Dorrian fala sobre a banda, raízes do rock occulto e filmes da Hammer

Por Nino Lee Rocker
Fonte: garimpeirodasgalaxias.blogspot
Em 08/06/15

Lee Dorrian, criador do selo "Rise Above Records", falou sobre as inspirações do occult rock, a influencia dos filmes da Hammer e muito sobre o poder do GHOST.

"Quando você vê imagens de TV dos anos 1960 ou início dos anos 70, com cenas de pessoas indo para uma reunião de um clã ocultista era quase como ir a um clube do livro ou de uma classe de tricô, porque era algo meio que banal", sugere Lee Dorrian, estava acessível.

Ele é o vocalista da lenda do metal doom CATHEDRAL, fundou a Rise Above Records, um selo com os laços de longa data com o movimento occult rock, "As pessoas não tinham a Internet ou jogos de computador, e. jovens crianças estavam lendo livros de Tolkien e Dennis Wheatley e assistindo filmes de terror da Hammer, estava no ar, muito antes de qualquer coisa virar registro sonoro, eu suponho. "

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Era uma época em que o ocultismo não tardou a surgir no rock e atingiu uma frequência surpreendente.

Me recordo com carinho desses álbuns, como o dos norte-americanos de acid rock "COVEN", a estreia deles em 1969 com Witchcraft Destroys Minds & Reaps Souls, os italianos do Jacula com "In Cauda Semper Stat Venenum" (também 1969) e da britanica acid folk Comus (1971), todos procuravam evocar um sentimento de terror espectral e subversão satânica, soando um sinal de alarme nos escritórios de moralidade ocidental.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Os ROLLING STONES brincando com ideias ocultas em "Their Satanic Majesties Request" pode ter causado alarme suave no mainstream, mas é verdade o occult rock aspirava a ir além do imaginario superficial de óleo nas dobradiças de portas do inferno, trazendo uma lufada de boa fé e de perigo para o inexperiente pesado rock do mundo, e informando sua iconografia e assunto há 40 anos.

O verdadeira occult rock - em oposição aos flertes de bandas que brandem pentagramas ao se venderem em grandes arenas - é apenas uma subcultura menor. E como qualquer outra subcultura menor, é claro, existe principalmente para aqueles que estão dispostos a arranhar a superfície e cavar um pouco mais.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"BLACK WIDOW" foi a banda que todo mundo sabia sobre, mas seu interesse pelo ocultismo só durou um álbum", diz Dorrian, referindo-se à banda de Leicester cuja estreia, "Sacrifice", chegou no 32, em 1970, ano do festival da Isle of Wight .

"Mas havia toneladas de outros, como ZIOR, Keith Bonsor era aparentemente um ocultista fanático e havia uma história que ele foi executado em uma missa negra e nunca mais foi visto. Não sei se isso é verdade.

As pessoas sempre mencionam o COVEN, também, e bandas italianas como Jacula e Antonius Rex, levaram a coisa do ocultismo mais a sério. Mesmo Mick Ronson, um de seus singles solo tem um lado B chamado "Powers of Darkness", e isso é um mega hit oculto pra balançar pistas.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

BLACK WIDOW reuniu em 2007, após um hiato de 34 anos e estão divulgando um novo álbum de estúdio, "Sleeping with Demons".

Eles permanecem muito como sendo os padrinhos do rock oculto, e seu hino "Come to the Sabbat" é a única música da primeira era que teve algum impacto perceptível sobre o mainstream .

Sobre a má sorte do "BLACK WIDOW" e o abandono do tema oculto, o próprio front man da banda, Clive Jones, tenta se explicar.

"Após o Sacrifice", tivemos de mudar de direção e eu não queria fazer isso, mas nós tínhamos tido muita má sorte", lembra ele. "Fomos proibidos pela BBC e que não iria tocar nossas musicas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Estávamos indo para uma turnê na América, mas Charles Manson fez o que fez, de repente, não fomos mais autorizados. A nossa produção cuidava também do Black Sabbath e enviou-os em nosso lugar. Agora estamos de volta à magia negra, mas desta vez queríamos mostrar que a magia negra pode ser divertida. Não é só a adoração ao diabo e sacrificio de ovelhas. "

Na verdade, o rock oculto realmente nunca morreu, mas foi se tornando uma força mais visível nos últimos anos. Uma nova onda de bandas que compartilham muitas das características musicais e filosóficas das bandas ocultistas originais - liderada por GHOST, da Suécia, e DEVIL'S BLOOD, da Holanda - começaram a atrair uma nova geração de fãs, predominantemente da cena do metal . Seus nomes por si só - ANCIENT VVISDOM, HEXVESSEL, BLOOD CEREMONY, DEVIL - apontam para uma etapa focada volta à idade de Wheatley e da Hammer.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal, é claro, foi até a cintura no satanismo e temas de horror sobrenatural, durante décadas, desde o estouro do Black Sabbath até a agressão infernal de Slayer, sobre a queima de igrejas pelo culto negro de metal da Noruega no início dos anos 90.

O que essas novas bandas parecem oferecer, no entanto, é uma rejeição mais arredondado da idade moderna, com a música que evita excesso tecnológica em favor de tons analógicos quentes e psicodelia sem restrições.

Apesar de não exibir qualquer desejo real de desviar-se do conforto do subterrâneo sujo do metal, o Ghost começou a desenvolver uma reputação formidável e tornaram -se, para o desespero de seus admiradores incondicionais, uma espécie de "buzz banda" nos círculos de rock tradicionais. Isso certamente ajuda que os suecos foram aprovados publicamente por figuras importantes como James Hetfield e ex-vocalista do Pantera Philip Anselmo.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Cuidadosamente construído como uma banda sem imagem real, sem rosto, figuras anônimas, sombrios, liderados por um mascarado demônio , também garante que eles se destacarão das massas em série do metal.

"Ghost, como um conceito, o que estamos fazendo não é realmente para gerar uma homenagem à música progressiva oculta do passado", afirma o Nameless Ghoul, porta-voz oficial da banda. "Tem havido uma fixação por esta onda occult rock que está acontecendo, e eu acho que é muito focado na ideia de que é uma coisa retro. Esperamos que o Ghost seja apreciado como um fenômeno teatral de occult rock elétrico."

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Alexander Milas, da revista Metal Hammer completa:

"Heavy metal e o macabro não são estranhos um para o outro, mas é realmente sentido o teatro do Ghost, que é uma homenagem ao Kiss, King Diamond, Alice Cooper e os artistas de vaudeville que os inspiraram, que dirige o seu apelo entre os fãs de metal," ele diz. "Eles são o somatório de tudo o que tem impulsionado o apelo do metal desde que o Black Sabbath atingiu um acorde com os fãs de música que não poderia entrar em ressonância com o espírito da época hippie e ansiava por algo mais sombrio e mais pesado. ".

Claro, parte da razão pela qual o rock oculto teve um impacto tão grande há 40 anos é que naqueles dias parecia genuinamente assustador, da mesma maneira que os filmes da Hammer eram filmes de terror reais, ao passo que agora eles vêm transversalmente como período de kitsch. Nas décadas extremas, porém, artes e entretenimento tenham atingido o que teria sido impensável em 1970. Bandas como Ghost não são susceptíveis de chocar, independentemente se eles são percebidos como verdadeiros servos de Belzebu ou não.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Cremos no diabo? A coisa mais importante é que o diabo acredita em nós". "Há uma aura blasfema que envolve o que fazemos. Nós queremos ser percebidos quase de uma maneira cinematográfica, assim como alguém vai ao teatro para ver "The Omen" ou "O Exorcista".

Quer se trate de uma expressão sincera de crenças diabólicas ou simplesmente uma boa desculpa para usar uma máscara assustadora e irritar alguns cristãos, o rock oculto dificilmente pode deixar de fornecer um antídoto bem-vindo a um mundo de música cada vez mais perverso e cínico onde prêmios lucram mais que a atmosfera, e perfeição sobre o poder. Talvez mais importante, seus mais novos expoentes parecem ter abandonado táticas de choque em favor de uma abordagem sutil, persuasivo digno da própria serpente do Éden.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

"Se você não está realmente no universo do metal e você olhar para o Ghost em uma revista, você poderia pensar que eles vão soar muito melévolos e extremos", diz Dorrian. "Mas o que eles fazem é muito bonito, classic rock com grandes melodias. Tudo sobre eles é contraditório, mas funciona. Eles têm uma verdadeira magia sobre eles. Abraçando o oculto está prestes a ser tomado por alguma força esotérica, e é assim que boas músicas se tornam grandes obras, não é?"

Acompanhe nosso trabalho sobre occult rock na comunidade:
https://www.facebook.com/OccultRockBrasil?fref=ts

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

[an error occurred while processing this directive]

Sobre Nino Lee Rocker

Nino Lee Rocker é músico, produtor, pesquisador, colecionador e amante do rock em todas suas vertentes e tempos. Atualmente se dedica a pesquisa de novas bandas a nível mundial. Criador do blog Garimpeiro das Galáxias e da camiseteria Contra Grife. Contate-o pelo Facebook.

Mais matérias de Nino Lee Rocker.