Kiko Loureiro: contando como foi chamado pelo Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bruce William, Fonte: Diario de Pernambuco
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em entrevista ao Diário de Pernambuco, Kiko Loureiro fala da Megadeth e a volta do Angra ao Recife, onde a banda se apresentou no dia 30 de maio, confira abaixo um trecho:

1700 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosVeraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileira

É impossível te entrevistar e não falar sobre tua entrada no Megadeth. Como se deu a aproximação da banda contigo? E até que ponto o fato de morar em Los Angeles contribuiu para esse contato?

Tive um contato com o David Ellefson. Depois o Dave Mustaine ligou para mim. Meio assim sem saber o que estava rolando, só estava conversando com eles por email e telefone. Falei bastante com o Ellefson pelo telefone, ele contando como era o lance. Porque, até então, eu não sabia direito como era o lance da escolha, não sabia se eles tinham vários guitarristas, se eu era um dos finalistas. Enfim, como é que era o negócio. Aí, eu fiz vídeos. Eles não pediram exatamente, mas comentaram que seria legal se eu fizesse vídeos. Então, eu fiz, para eles verem eu tocando as músicas do Megadeth mesmo. Porque, hoje em dia, você entra no YouTube e pode ver, facilmente, como eu toco. Então, não tem esse lance de fazer um teste mesmo. Eles já sabiam do meu estilo, coletaram informações - só depois fiquei sabendo que eles coletaram informações com managers, outros músicos perto deles, sobre mim. Mas, sei lá, como exatamente de onde surgiu a escolha deles. Depois, já fechei o esquema, eles mostraram como ia ser o contrato. E foi tudo muito rápido. Eles anunciaram meu nome, fui para lá, fiquei um mês e meio em estúdio, já me enturmando. Eu gravei as guitarras em duas semanas, mas fiquei basicamente mais um mês me enturmando, aprendendo as músicas - as composições já estavam feitas - e fazendo amizade com o Chris Adler, o batera que também entrou, os produtores, a família do Dave Mustaine - a filha, a mulher, que conheci. Então, foi tudo muito rápido, em um mês e meio eu me enturmei e gravei o disco.

Por falar no Mustaine, pelo que você conheceu dele até agora, o que pode nos falar acerca da fama de controlador que ele tem?

O clima foi muito bom cara. Ele sabe o que quer. Essa fama de centralizador eu acho que não. Não e sim, né? Na real, quando você tem uma banda, por mais que você esteja há muitos anos e os músicos mudam, qualquer negócio que você tenha… Vamos supor, você tem uma loja e contrata outros caras para gerenciar a loja e o cara não vai chegar e fazer do jeito que ele quer. Se a loja tem um sucesso, ele tem um esquema, tem um conceito e o cara tem que entrar nesse jogo. O Megadeth é uma banda de sucesso com certa cara, com certo esquema. Quando você entra, seja produtor, seja roadie, tem um esquema. E eles, o David Ellefson, o Mustaine, vão falar qual é o esquema. Eu acho que isso é mais do que natural e é fundamental. Então, assim, eu acho que tem que ser um cara que dá as ordens, as diretrizes de como funciona a banda. Mas, ele está aberto a sentar e ouvir. Eu falei várias coisas. Mas, claro, muitas coisas que eu falo, ou que eu sugeri, ele pensa e fala ‘mas isso não é bem Megadeth’. Eu não digo nem musicalmente, mas no geralmente. Megadeth é Megadeth. É que nem tipo tocar Motörhead. Motörhead é Motörhead. AC/DC é AC/DC. Você não pode colocar um solo do John Petrucci no som do AC/DC. Bandas têm conceitos e têm cara e é preciso ser assim. Acho natural e gosto que seja assim.

Leia a entrevista completa no link abaixo:

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2015/...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 01 de junho de 2015
Post de 06 de julho de 2015

MegadethMegadeth
Dave Mustaine classifica os guitarristas da banda

1700 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa484 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3448 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MetallicaMetallica
Dave Mustaine resenha o "Hardwired... To Self-Destruct"

E Se...E Se...
Sua banda favorita mudasse de gênero musical?

Whatculture!Whatculture!
Site elege dez maiores discos de Thrash Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"0 acessosTodas as matérias sobre "Kiko Loureiro"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Veraneio VascaínaVeraneio Vascaína
Uma ácida crítica à polícia na letra do Capital Inicial

Zakk WyldeZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista

BeatlesBeatles
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosQuem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?5000 acessosLoudwire: as 10 melhores músicas do Nirvana5000 acessosRockstars: as esposas mais lindas do rock - 1ª parte5000 acessosPra discutir: os 100 melhores discos do rock brasileiro5000 acessosDream Theater: riff de música foi usado pelos Mamonas Assassinas?

Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online