Judas Priest: Richie Faulkner não tem espaço para hesitação

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Metal Blast conduziu uma entrevista com o guitarrista do JUDAS PRIEST, Richie Faulkner. Um trecho está disponível abaixo.

Simone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"Krisiun: "Edu Falaschi não viveu o underground"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

MB: Para o bem ou para o mal, bandas como JUDAS PRIEST e IRON MAIDEN tendem a ter fãs bem possessivos e protetores. Considerando que você estava substituindo alguém com uma trajetória como a de K.K. Downing, você estava nervoso? Você estava preocupado sobre como as pessoas iam reagir?

Richie: "Eu não estava realmente preocupado, não. Você não pode deixar isso ficar no seu caminho, você recebeu uma oportunidade. Sempre vão existir pessoas aí fora que não gostam de você e vão preferir outras pessoas. É a beleza da música, nós sempre temos opiniões. Há o ceticismo, claro, após 40 anos tem um cara novo aparecendo, então as pessoas sempre temem o pior. Acho que é saudável, já que isso mostra paixão dos fãs pela banda. Eles se importam tanto com isso que ficaram céticos. Foi o mesmo quando Rob Halford saiu do grupo. Se eles não se importassem, eles não teriam uma opinião. Eu entendo. Foi o mesmo quando Ritchie Blackmore deixou o DEEP PURPLE ou quando Michael Shcenker deixou o UFO. Mas eu recebi uma oportunidade pela qual trabalhei muito duro e eu estava pronto para agarrar pelos chifres. Eu conhecia a banda, eu sabia onde estava pisando, e eu sabia o que K.K. representava. Eles sempre defenderam aquilo em que acreditavam, mesmo na face de adversidade. Se por acaso fosse ter problemas, seria com esses caras que eu iria aprender. K.K. foi um dos professores dessa filosofia e as pessoas podem não gostar de você, mas você vai lá e faz o seu trabalho. Se eu tivesse dúvidas, ficasse nervoso ou com hesitação, não acho que estaria honrando a tradição do metal e do JUDAS PRIEST. Eu sabia que poderia fazer o trabalho, então não ia deixar meus nervos ou dúvidas ficarem no caminho. Eu peguei a oportunidade e parece que foi a abordagem certa a se tomar."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Judas Priest"Todas as matérias sobre "Richie Faulkner"


Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Jimmy Page: relembrando o show do Iron Maiden no BrasilJimmy Page
Relembrando o show do Iron Maiden no Brasil


Simone Simons: Rammstein me faz querer mexer a bundaSimone Simons
"Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Krisiun: Edu Falaschi não viveu o undergroundKrisiun
"Edu Falaschi não viveu o underground"


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor