Deep Purple: Blackmore atirou macarronada na cara de Gillan em 93

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Esteves, Fonte: DVD The Ritchie Blackmore Stor
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em 2015, o lendário RITCHIE BLACKMORE (DEEP PURPLE, RAINBOW, BLACKMORE'S NIGHT) lançou o DVD 'The Ritchie Blackmore Story', falando sobre sua longa carreira e, enfim, contando o seu lado da história em tantos assuntos sobre os quais havia muitas sombras. Sem papas na língua, o guitarrista não fugiu de nenhum assunto e foi muitas vezes chocantemente sincero sobre tantos outros, em especial sua relação de ódio mútuo com o cantor do DEEP PURPLE, IAN GILLAN.

Bruce Dickinson: veja-o cantar Deep Purple com orquestra em tributo a Jon LordIron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao falar sobre a última turnê que participou ao lado da banda que ajudou a fundar, BLACKMORE revelou o clima de frangalhos que havia entre ele e o Silver Voice e que chegou ao ápice durante um almoço no meio da turnê. De acordo com o homem de preto, Gillan o desrespeitou propositadamente e recebeu como resposta uma bela macarronada na cara, o que ajudou a levar a vaca definitiva e irremediavelmente para o brejo.

BLACKMORE conta que o álbum 'The Battle Rages On' começou a ser gravado em 1992, depois que Joe Lynn Turner foi demitido dos vocais. O grupo começou a gravar bases em estúdio e procurar um novo cantor. Logo após, chegou ao conhecimento do guitarrista que Gillan, a partir de uma movimentação da gravadora, havia feito gravações de vocais de três das canções do futuro álbum, o que já irritou o temperamental músico logo de cara.

O desempenho foi sofrível segundo ele. 'Foi um lixo. Soaram mal, para mim. Foi de matar', atacou. Logo após, uma proposta oficial da BMG foi feita ao guitarrista, que poderia pedir o quanto quisesse para voltar aos palcos e gravar com GILLAN. Ele, porém, não planejava juntar forças novamente com o cantor e decidiu fazer uma pedida impossível de ser coberta para não ter de passar pelo inconveniente de dizer 'não' e ficar como o vilão da história.

O tiro, porém, saiu pela culatra. 'Fiz uma proposta que era muito exagerada. Assim, eu deixava isto para trás e saia procurando um outro cantor. Então a BMG voltou e disse 'ok, vamos te pagar isto se você trabalhar com GILLAN'. Então eu disse 'ahh... agora, estou ferrado'. Obviamente, eu não estava feliz na turnê. Não podia mais fazer isso. Estava vendendo a minha alma, isto é horrível. Era medonho', relembrou.

O capítulo mais tenso da treta ocorreu na cidade de Cleveland, EUA. Em um hotel à espera de uma apresentação, na hora do almoço um dos roadies da banda vinha ao encontro do guitarrista com uma macarronada preparada especialmente para ele, mas foi interpelado pelo cantor. Após descobrir que a refeição era para o desafeto, Gillan sugeriu encher o prato com ketchup.

A refeição chegou até seu destinatário, que obviamente ficou sabendo o que ocorrera para haver ingrediente indesejado na sua comida. Obviamente, foi tirar satisfações. 'Perguntei: 'você fez isto à minha comida?'. Ele disse 'sim'. Nesta hora, eu vi Jon Lord fazendo assim [movimenta-se como quem sai fora discretamente] e todos foram embora, como em 'High Noon' [um faroeste clássico]. Eu disse 'sério? Hmmm'. Então peguei a macarronada e atirei na cara dele.'

Houve também mais um desentendimento sério na turnê, quando Blackmore abandonou o retornou a um concentro na Inglaterra por diversas vezes, episódio que foi registrado no show-documentário 'Come Hell Or High Water'. Lá, é possível ouvir o ponto de vista dos sobreviventes do grupo, bastante irritados pelo comportamento pouco profissional do guitarrista na ocasião. BLACKMORE não participa com nenhum depoimento na fita.

Ainda havia alguns compromissos a serem honrados na turnê de 1993, mas BLACKMORE só aguentou fazer parte do grupo até 17 de novembro daquele ano, quando o PURPLE tocou em Helsinque, na Finlândia. O músico convocou o empresário Bruce Payne para uma conversa e explicou que não seguiria o grupo no Japão para o restante da turnê e escreveu uma carta aos ex-colegas para explicar como se sentia. Segundo BLACKMORE, só o baterista apareceu para dizer adeus no hotel antes da partida, pois todos os outros fugiram.

'Disse adeus a IAN PAICE. Ele me disse 'tome boas decisões' e foi embora. JON LORD estava muito envergonhado para dizer alguma coisa'. JOE SATRIANI o substituiu nas apresentações finais. O homem de preto refundou o Rainbow e, depois, embarcou no BLACKMORE'S NIGHT com sua mulher, CANDICE NIGHT, onde está até hoje.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Deep Purple"


Bruce Dickinson: veja-o cantar Deep Purple com orquestra em tributo a Jon LordBruce Dickinson
Veja-o cantar Deep Purple com orquestra em tributo a Jon Lord

Zakk Wylde: o riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocarZakk Wylde
O riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocar

Regis Tadeu: Deep Purple, os plágios do Black Sabbath e muito maisHeavy Lero 134: Whitesnake por Gastão e Clemente (vídeo)Entrevista: Martin Popoff, a máquina de escrever do rock/metal

Deep Purple: Ritchie Blackmore nunca cresceu, diz Ian GillanDeep Purple
Ritchie Blackmore nunca cresceu, diz Ian Gillan

Kiss FM: as 500 mais tocadas pela rádio em 2008Kiss FM
As 500 mais tocadas pela rádio em 2008


Iron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo HorizonteIron Maiden
Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte

Eddie Van Halen: Eruption foi um acidenteEddie Van Halen
"Eruption foi um acidente"


Sobre Lucas Esteves

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336