Clube da Esquina: garotos da capa processam Milton Nascimento, Lô Borges e gravadora

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Folha de S. Paulo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo revelou que Antônio Carlos Rosa de Oliveira (o Cacau) e José Antônio Rimes (o Tonho) processaram os cantores Milton Nascimento e Lô Borges, bem como a gravadora EMI e a editora Abril, por uso indevido de imagem e danos morais. A dupla passou décadas sem saber que aparecia na capa do disco "Clube da Esquina", lançado em 1972.

Maquiagem, spikes e sorrisos: conheça o Happy Black MetalRockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmes

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A ação tramita desde 2012 na Justiça e a indenização pedida é de R$ 500 mil. Cacau e Tonho declaram que só descobriram que estavam na capa do álbum após a jornalista Ana Clara Brant fazer contato para entrevistá-los. Na época, o jornal para o qual ela trabalhava, "Estado de Minas", estava produzindo uma reportagem sobre os 40 anos do "Clube da Esquina".

A imagem foi produzida em 1971, em uma área rural próxima a Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. O autor da foto é Cafi, falecido em 2019. Muitos acreditavam que o clique retratava Milton Nascimento e Lô Borges quando crianças.

De acordo com a "Folha", já faz um ano que o processo está parado. Os envolvidos transferem responsabilidades: Milton Nascimento e Lô Borges, bem como a Abril (que relançou o trabalho), dizem que a EMI (hoje, integrada à Universal) deve responder, enquanto a gravadora aponta Ronaldo Bastos, um dos compositores do Clube da Esquina, como o responsável, já que ele teria cedido, em contrato no anod e 2007, os direitos relacionados ao material gráfico do disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Milton Nascimento e Lô Borges se defendem alegando que o caso já prescreveu e que eles não são responsáveis pelas imagens do encarte: apenas foram contratados para gravar as músicas. A EMI, por sua vez, afirma que o valor de indenização cobrado é "astronômico", que os danos apontados na ação não trazem nenhum sofrimento moral e que a imagem dos então meninos não representam quem eles são hoje.

Leia a reportagem na íntegra no site da "Folha de S. Paulo".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Milton Nascimento"


Milton Nascimento: Música brasileira está uma m..., diz cantor, que esclareceu depoisMilton Nascimento
"Música brasileira está uma m...", diz cantor, que esclareceu depois


Maquiagem, spikes e sorrisos: conheça o Happy Black MetalMaquiagem, spikes e sorrisos
Conheça o Happy Black Metal

Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmesRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adClio336 adClioIL adClio336