Matérias Mais Lidas

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas

imagemJon Bon Jovi: quando ele levou um fora de Bruna Lombardi

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

Bruna Lombardi: quando ela foi assediada por Jon Bon Jovi e Donald Trump

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemEpisódio de Stranger Things 4 relembra Ozzy Osbourne e a "mordida do morcego"

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte


Stamp

Roberto Barros decepou dedo da mão da palhetada em acidente no começo da carreira

Por Gustavo Maiato
Em 18/01/22

A vida do guitarrista Roberto Barros é, sem dúvidas, um exemplo de superação. Antes de se tornar o braço direito de Edu Falaschi, o músico passou por diversos obstáculos, mas sua força de vontade o impediu de desistir. Prova disso foi uma situação que aconteceu bem no começo de sua carreira, em que um acidente arrancou um dedo de sua mão da palhetada. Roberto Barros comentou sobre o episódio durante uma entrevista ao jornalista musical Gustavo Maiato.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Não lembro exatamente o ano, mas acho que foi em 2002. Fui para a Expo Music, eu estava sentado perto do portão de entrada. Eu estava com dois alunos, não tinha ninguém ainda. Então, sentei e coloquei a mão para trás. Eu não vi, mas estava com a mão em cima do trilho do portão. Um bombeiro que estava chegando para trabalhar abriu o portão e cortou na hora a ponta do meu dedo do meio da mão direita. Dá para ver agora que ele ficou todo deformado. Esse dedo foi amputado, mas aí o mesmo cara que abriu o portão me socorreu, colocaram a ponta do dedo no gelo. Fui levado para o hospital, fiquei três meses lá", explicou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De acordo com Roberto Barros, o acidente infeccionou e os médicos disseram que seu braço inteiro estava comprometido. "Tive uma infecção na mão e no antebraço. Tive até risco de perder o braço. Foi terrível! Depois, voltei para casa e fiquei em tratamento por três anos. Hora ou outra dava infecção, tinha que fazer raspagem. Na fase final era mais fisioterapia. Fiquei três anos sem tocar guitarra com a mão direita. Só usava a esquerda. Não dava! Eram três pinos que ficavam na minha mão. Até hoje eu não mexo o dedo, é uma pedra. Ao fim do tratamento, abandonei, vi que não teria mais jeito. Percebi que meu dedo não ia mexer mais. Vi que não ia sentir mais a ponta. Era muito doloroso o tratamento. Então depois me adaptei", comentou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, em um grande exemplo de superação na vida, Roberto Barros voltou a tocar guitarra e acabou se tornando uma das referências no Brasil quando o assunto é palhetada alternada.

"Depois de três anos sem tocar, voltei e no começo foi terrível! Minha técnica de mão direita estava totalmente atrofiada. Comecei um trabalho... Falei "vou ficar bom nisso de novo!". Botei na cabeça. Virou uma meta, fiquei alucinado com isso. Hoje, para muitas pessoas virei uma referência na palhetada alternada. É muito louco, ao fim desses três anos, minha técnica de qualidade era ridícula! Perdi toda a coordenação motora. Fiquei alucinado para voltar e virou uma obsessão. Graças a deus, vinte anos depois, as pessoas me consideram como referência. É legal, uma história de superação. Eu e minha família sofremos muito na época. Não tínhamos muitas condições. Moro em Cubatão, tinha que subir a serra para chegar no hospital Mandaqui. Era uma grana que não tínhamos, mas tudo isso vem para fortalecer", completou o músico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Edu Falaschi: resposta a Jack Endino na íntegra


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, fotógrafo de shows, youtuber e escritor. Ama todos os subgêneros do rock e do heavy metal na mesma medida que ama escrever sobre isso.

Mais matérias de Gustavo Maiato.