As Aventuras da Blitz (Rodrigo Rodrigues)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Adriana Farias
Enviar correções  |  Comentários  | 


Lembra daquela banda de rock brasileira que embalou todo o país com uma única frase musical: “OK, você venceu!”, e uma certa canção, “Você não soube me amar”, causou estranheza, mas ao mesmo tempo encantamento e grudou como chiclete nos ouvidos de toda uma geração de adolescentes e também de adultos dos anos 80?
5000 acessosClassic Rock: revista elege 100 melhores músicas de rock5000 acessosGuns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

Tal fenômeno se chamou Blitz e trazia em seu repertório e em sua fisionomia todo o frescor da juventude carioca. O grupo era composto por Evandro Mesquita (guitarra e voz), aquele que agora é ator global, Fernanda Abreu (backing vocal), Márcia Bulcão (backing vocal), Ricardo Barreto (guitarra), Antônio Pedro Fortuna (baixo), William "Billy" Forghieri (teclados) e Lobão (bateria), depois substituído por Juba.

A Blitz era ousada, espontânea e moderna em todas as esferas: na maneira de se apresentar, de interpretar, de se vestir e na concepção das letras: as canções vinham como numa história em quadrinhos, era uma nova linguagem gráfica e um novo jeito brasileiro de fazer rock and roll.

Dos anos 80 aos 90, até os dias atuais, a verdadeira história do fenômeno musical que inspirou indiretamente o nascimento de bandas como Paralamas do Sucesso, Titãs, Barão Vermelho, entre várias outras, finalmente tem sua biografia registrada nas páginas do livro “As Aventuras da Blitz”. Quem reparou essa injustiça foi o músico e jornalista carioca Rodrigo Rodrigues, apresentador do programa “Vitrine”, da TV Cultura.

O primeiro contato do jornalista com o grupo foi no fim de 1998, quando procurava pautas para o programa “Clip Brasil”, veiculado no circuito interno da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro. Dando uma folheada na revista “Showbusiness”, publicação trimestral onde os artistas anunciam seus serviços, ele ficou pasmo ao encontrar um singelo anúncio da Blitz. De cara Rodrigo pensou: “Ué, esses caras ainda existem?”. Na mesma hora, ele ligou para o empresário da banda, Toninho, e tratou de conferir se o contato era mesmo quente. Não deu outra, Toninho não só confirmou a existência dos highlanders do rock Brasil como prometeu uma entrevista exclusiva com o grupo.

Rodrigo, então, foi de última hora tentar com o Núcleo de Comunicação da Estácio equipamento para cobrir a aventura. Ele não teve sorte: as câmeras já estavam todas reservadas. Mas a vontade incontrolável de registrar a reunião da Blitz, que para todos, naquele fim de 1998, já estava praticamente extinta: sem gravadora, sem mídia, sem a metade dos integrantes originais e se reunindo do jeito que dava, fez com que Rodrigo bancasse do próprio bolso, mesmo sendo um estudante duro, de vinte e poucos anos, o aluguel de um equipamento completo de externa para não perder a matéria.

Desde essa época, o jornalista recebe convite para acompanhar os músicos na estrada e acabou participando mais do que esperava do dia-a-dia da Blitz. O seu registro do grupo, “As Aventuras da Blitz”, traz a história de bastidores, curiosidades, confusões, surpresas e como foi o verdadeiro fim da formação clássica da banda que virou uma febre, uma epidemia, uma verdadeira blitzmania e diziam por aí, “arrombou a porta da MPB e apresentou ao país a nova música para jovens”.

Rodrigo Rodrigues descreve, por exemplo, como o LP da Blitz de 1982, o “Aventuras”, foi lançado com duas faixas literalmente riscadas com prego, além de contar a relação do vocalista Evandro Mesquita com um filme dirigido por Mick Jagger dos Rolling Stones, bem como a ligação profissional dele com a cantora Tina Turner, fato que causou a maior ciumeira na banda.

A atriz Patrycia Travassos, que escreve a apresentação do livro, já prenuncia o que os leitores encontrarão nesta biografia: “Da noite para o dia ficaram famosos, ricos, foram reconhecidos, desejados, amados, idolatrados e imitados. Mas, poucos passam pelo portal do sucesso sem seqüelas. Com a fama vieram os interesses, os egos, as inseguranças, a competição, o ciúme, a disputa de poder, as brigas e a trilogia sexo, drogas e rock and roll”. Detalhes de como tudo isso aconteceu são contados pelos próprios integrantes e pelas pessoas que estavam por trás da banda. Depois dos discos e do show agora vem o livro!

As Aventuras da Blitz
Autor: Rodrigo Rodrigues
Editora: Ediouro (R$54,90)
Edição: 1ª edição - 2009
Numero de páginas: 304
Formato: Brochura
Tamanho: 21,05 x 21.05 cm

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Blitz"

Rock NacionalRock Nacional
12 discos fundamentais para explicar os anos 80

Antonio Pedro FortunaAntonio Pedro Fortuna
Parte da história do rock nacional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Blitz"

Classic RockClassic Rock
Revista elege 100 melhores músicas de rock

Guns e SabbathGuns e Sabbath
Semelhanças entre faixas clássicas das bandas

Total GuitarTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

5000 acessosDavid Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco5000 acessosOlavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburrece5000 acessosCourtney Love: "Essa música é sobre minha vagina, sabia?"5000 acessosSlayer: 20 fatos sobre a banda que talvez você não saiba5000 acessosMegadeth: os álbuns da banda, do pior para o melhor4292 acessosKing Diamond: Seus fãs, Metallica, satanismo e Brasil em entrevista exclusiva

Sobre Adriana Farias

Nascida em São Paulo, Adriana Farias é jornalista pela PUC-SP e autora do livro-reportagem ¨London Calling - histórias de brasileiros em Londres¨. A jornalista já foi produtora na RedeTV! e repórter da emissora PlayTV na área cultural, locais em que coleciona entrevistas importantes com grandes nomes do heavy/rock nacional e internacional, como Joey DeMaio (Manowar), David Bryan (Bon Jovi), Crashdïet, Kings of Leon, The Dickies, Kid Vinil, Angra, Sepultura entre outros. Com apenas 16 anos a autora deu início a sua colaboração ao Whiplash!, entre suas reportagens mais importantes constam os textos analisando a grande imprensa no quesito heavy/rock e a cobertura de mega shows no Brasil e na Europa. Atualmente, a jornalista tem uma dupla jornada como editora de texto na TV Cultura e repórter na Folha de S.Paulo. Entre em contato com a jornalista no blog meonthestreet.

Mais matérias de Adriana Farias no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online