NOT - Entrevista exclusiva com a banda paulista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

N .O .T é mais uma banda nacional que aposta todas suas fichas no cenário heavy metal. Nasceu em Taubaté (São Paulo) e lançam seu primeiro álbum independente (Searching for the Eternal Life) e como todas as bandas iniciantes, passaram por muitas dificuldades inclusive, mudanças constantes de formação. Atualmente, sua formação conta com Eduardo Cabral (lead guitar/vocals), Júlio Lourenço (bass/vocals), Alex Rivera (vocals), Carlos "Cajú" Schildberg (lead guitar/vocals), Wellington Amorim (drums/vocals) e Octávio Vasconcellos(keyboards). Porém, não se trata de uma banda tão nova, porque já existem desde 1990 mas passaram um bom tempo desaparecidos quando em 1997, se reuniram e entraram em estúdio para lançar com tamanha inteligência, um álbum conceitual. Leia a seguir toda a história contada pelos integrantes da banda.

O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger Waters

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash! / O NOT surgiu em 1990 e após o lançamento dA segunda demo, em 1994, se desfez. O que fez a banda se desfazer e logo após, em 1997, retornar ao cenário?

Cabral / Os velhos problemas pessoais, como falta de tempo para se dedicar a banda, de reais objetivos e falta paciência também. Quanto a 1997, conseguimos reunir pessoas que realmente estavam afim de desenvolver um trabalho serio então resolvemos "ressuscitar" N.O.T.

Whiplash! / O NOT é uma das poucas bandas iniciantes a apostar em um material conceitual com tamanho profissionalismo. Como foi o trabalho para narrar a jornada de um homem em busca de uma lenda, a vida eterna?

Alex / Essas músicas foram compostas originalmente em 1991, pela primeira formação, todas as letras foram escritas por mim ,e na época nos gostamos muito do resultado final, então quando voltamos resolvemos utilizar o material para este CD.

Whiplash! / De que maneira a banda procurou integrar o conteúdo das letras no contexto sonoro?

Cabral / Eu sempre procurei compor a partir de letras já prontas, o que na minha opinião facilita em muito o processo de composição. Na época eu e o Marco Aurélio, criamos as músicas a partir das letras do Alex, e depois no ensaio tudo mundo ajudou a "arrumar". Quando fomos re-arranjar (1997) já com a nova formação, foi mais ou menos a mesma coisa, eu mostrei para os caras como as músicas eram, a minhas novas idéias, e cada um colocou um pouco de si nos novos arranjos, principalmente o Octávio, tendo em vista que quando as músicas foram compostas nós "imaginávamos" os teclados, porem naquela época nos não tínhamos tecladista.

Whiplash! / Muitas bandas de heavy metal atuais se parecem entre si. O NOT manteve passagens variadas no álbum. Na hora de gravar, vocês se pressionaram para não soarem repetitivos ou tudo fluiu naturalmente?

Cabral / Não, como eu te falei as músicas estavam prontas desde 1991, elas só foram re-arranjadas, e no nosso caso são seis cabeças com as mais variadas influencias, eu diria que a gente acaba parecendo com tudo sem parecer com nada.

Wellington / Diria que a intenção da banda foi de fazer um som próprio e com qualidade profissional, sem se preocupar com o estilo a ser seguido. Talvez seja isso.

Whiplash! / O som da banda é melódico mas não deixa de ter o peso do heavy metal tradicional. Instrumentalmente, como o NOT trabalhou para obter este nível?

Cabral / Ensaiamos muito para que as coisas fossem assim e depois de muito trabalho, a banda encontrou seu som, o mais legal e justamente a diferença de idade entre os membros das banda. Fato esse que reflete diretamente nas influencias pessoais, (Eu tenho 28, o Alex 30, o Júlio 20, o Octávio 18, o Wellington 19 e o Caju 23).

Whiplash! / O vocal de Alex Rivera soa bem natural, as guitarras são pesadas e sincronizadas e a bateria tremendamente variada. Foi difícil chegar a este ponto?

Wellington / Não, se levarmos em conta que 90 % das músicas já estavam prontas, ou seja, já existiam. Mas sendo 6 músicos com idéias e estilos diferentes acredito que alcançamos mais que a nossa própria expectativa, apesar dos problemas que envolvem a nossa quase total falta de experiência em estúdio.

Cabral / Tivemos um grande apoio do Maurício (proprietário do Estúdio e meu amigo pessoal) e do Clovis (funcionário do estúdio), apesar de toda falta de experiência, na época, ficamos muito satisfeitos com o resultado das gravações, porem devido o tempo decorrido entre gravações e prensagem, começamos achar um monte de "defeitos", coisa que poderíamos ter feito melhor, mas enfim valeu como experiência.

Whiplash! / Como foi a junção dos teclados ao conteúdo sonoro e lírico do álbum?

Cabral / Como eu lhe disse, tínhamos uma vaga idéia do papel do teclado nas musicas, inclusive algumas "frases" eram feitas na guitarra, foi só falar para o Octávio mais ou menos as idéias, e a partir dai ele desenvolveu, inclusive hoje já foram incorporadas algumas novas "frases" que não estão no CD.

Whiplash! / Já existem planos e idéias para o próximo álbum?

Alex / Já estamos compondo novas músicas que já tem muitas características novas e mais ecléticas, mas ainda falta uma gravadora e a figura do empresário pois queremos uma abordagem mais profissional para nossa apresentações e para o próximos CDs.

Whiplash! / Como a crítica e os fãs tem recebido "SEARCHING FOR THE ETERNAL LIFE"?

Wellington / Houve uma receptividade muito boa, muita gente vem dizer que gostou , que curtiu o som, e o mais interessante e que alcançamos uma parte do publico que em geral não gosta desse estilo de musica, mas ainda estamos divulgando o CD., e aguardando uma maior repercussão.

Whiplash! / O que a banda tem conseguido a nível nacional e internacional? Alguns shows e contatos?

Cabral / Estamos batalhando, mas falta espaço com qualidade que abra as portas para nosso estilo de som, que ainda e visto com muito preconceito, e em geral isso é muito ruim para banda. Quanto ao exterior, graças a internet temos feitos muitos contatos (principalmente na Europa), estamos aguardando os resultados.

Whiplash! / Cada vez mais as bandas nacionais estão concebendo álbuns com excelentes produções. O NOT não fugiu disso. Vocês acham que os estúdios brasileiros já estão aptos para o rock/heavy?

Cabral / Sim, acho que quase sempre o que falta é grana, e pessoas especializadas no estilo.

Whiplash! / Quais as influências de cada integrante da banda?

ALEX / Bandas dos anos 70 e 80, principalmente DEEP PURPLE, BLACK SABBATH (TODAS AS FASES), LED ZEPPELIN e demais bandas derivadas.

Caju / Gosto muito de Bandas como: Iron Maiden, Scorpions, AC/DC e Rock'n'Roll em Geral.

Cabral / Metallica (Kill'Em'All, Ride the Lightining e o Master of Puppets), Iron Maiden (Antigo, ate o Seventh Son, mas quem sabe agora com a volta do Bruce e do Adrian eles voltam a produzir um bons álbuns como antes), também gosto muito da mistura metal/clássico, os dois primeiros do Malmsteen são ótimos..., O Theather of Fate do Viper, e o Angel's Cry do Angra também são muito legais.

Júlio / Sepultura, Megadeth, Metallica, Pantera, Também gosto muito de Ramones e Pink Floyd.

Octavio / Dream Theater, Savatege (fase nova), Helloween, etc.

Wellington / Toda boa música é bem vinda, gosto de tudo, do Clássico ao Heavy metal, Progressivo, enfim, quase tudo, com exceção dos "modismos" (AXÉ, PAGODE e SERTANEJO, BLERGH!!!)

Whiplash! / O que vocês acham das bandas e do cenário heavy metal nacional?

Cabral / Existem grandes bandas, e realmente uma pena que não haja mais apoio para as bandas, nem só de Angra e Sepultura vive o Brasil (Não que eu tenha algo contra essas bandas, pelo contrario, eu as respeito muito, mas seria muito bom que mais bandas também tivessem oportunidade, quem sabe um dia.)

Whiplash! / Deixem um recado para o Brasil e ao Whiplash!.

Cabral / Bom, primeiramente um grande abraço a você e a todas as pessoas que fazem a WHIPLASH "funcionar", eu realmente fiquei impressionado com a qualidade do Site, vocês estão de parabéns. Quanto ao "Brasil", esperemos que um dia a União entre a galera que curte o Metal, independente de estilos, possa fazer desse "pais do samba e pagode" um pais MAIS ROCK, com condições para todas as bandas mostrarem seu valor, e ir para frente....

Para contactar o N.O.T., escreva para not@uol.com.br , em breve também disponível nossa Home Page, aguarde!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Not"


O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?O lado escuro do rock
Você acredita em magia negra?

Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters


adClio336|adClio336