Forrest Gump: uma trilha sonora de clássicos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em 1993, TOM HANKS encarnou o epifenômeno do preconceito da época; no papel do advogado gay (e, remetendo à expressão corrente na época, aidético), demitido em razão da doença, o ator americano esbarrava perigosamente no terreno que exaltaria ou soterraria carreiras ao longo dos anos, retratando a polêmica numa época em que a AIDS era praticamente solo virgem na sétima arte. O papel em "Filadélfia" não só colocou HANKS na galeria dos astros da então nova geração agraciados com o prêmio da academia, como lhe deu legitimidade o suficiente para assumir empreitas ainda mais desafiadoras em sua carreira - cujo auge o fez prender, sozinho, a atenção do espectador em "Naufrágo"(2001).

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuPhil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De toda a filmografia de HANKS, o protagonista em "Forrest Gump" representou, para muitos, o ápice de sua carreira. Baseado no romance homônimo de WINSTON GROOM, a "trajetória do acaso" do Cândido contemporâneo amarrada à fatos históricos e um romance improvável, sintetizou o equilíbrio ideal entre o drama e a comédia leve conduzida com maestria por ROBERT ZEMECKIS. "É uma jornada emocional. Você ri e chora. Ele faz o que filmes devem fazer: fazer você se sentir vivo", lucidamente sintetizou a roteirista WENDY FINERMAN; raciocínio próximo à seu colega de produção, STEVEN TIRSCH - "Forrest Gump não é sobre política ou valores conservadores. É sobre a humanidade, respeito, tolerância e amor incondicional."

Se o tempo se encarregou de conferir à película o status de clássico, a trilha sonora nem se arriscou. Abrangendo o período de 1944 a 1982, a compilação consegue o raro feito de revisitar standards sem cair na vala comum. Do classicismo cinquentista de "Hound Dog" à "Agains the Wind" de 1980, a banda sonora original (que foi objeto de versões diferentes) cai tão bem quanto a fotografia de uma América fagocitando sua própria ambição nos episódios do Vietnã ou no caso Watergate.

"Como o filme, a trilha sonora de Forrest Gump tem êxito no seu resgate histórico - no filme - revisita-se tudo, desde a desagregação e a Guerra do Vietnã às tendências egoístas dos anos 70 - e, na trilha sonora, ouvimos os hits pela enésima vez - embora, a trilha sonora não banaliza o que recicla" afirmou o crítico WILLIAM RUHLMANN. Segundo o produtor ALAN SILVESTRI, um dos responsáveis pela trilha, "queríamos ter um material muito identificável períodos de tempo sem interferir com o que estava acontecendo cinematograficamente". Inobstante ao repertório que concilia o soul pancadeiro de WILSON PICKETT com a lisergia do JEFFERSON AIRPLANE, a associação entre imagem e áudio dá o tom adequado à chegada de helicóptero no Vietnã embalada por "Fortunate Son"; a obviedade de "Blowin in the Wind" é elidida pela contextualização com a abrupta retirada do palco de uma acuada JENNY CURRAN - a Helena de Tróia do improvável herói do filme.

A trilha de "Forrest" foi responsável pelo alcance da segunda posição na Billboard no ano de seu lançamento; como se não bastassem os clássicos aqui reunidos, faixas como "All Along the Watchtower" (DYLAN na versão de HENDRIX) e "Love Her Madly" (THE DOORS) ainda ficaram de fora. Se ainda não ouviu, faça isso imediatamente.

1. "Hound Dog" performed by Elvis Presley - 2:16
2. "Rebel Rouser" performed by Duane Eddy - 2:21
3. "(I Don't Know Why) But I Do" performed by Clarence "Frogman" Henry - 2:18
4. "Walk Right In" performed by The Rooftop Singers - 2:33
5. "Land of 1000 Dances" performed by Wilson Pickett - 2:25
6. "Blowin' in the Wind" performed by Joan Baez - 2:49
7. "Fortunate Son" performed by Creedence Clearwater Revival - 2:18
8. "I Can't Help Myself (Sugar Pie Honey Bunch)" performed by The Four Tops - 2:43
9. "Respect" performed by Aretha Franklin - 2:27
10. "Rainy Day Women #12 & 35" performed by Bob Dylan - 4:35
11. "Sloop John B" performed by The Beach Boys - 2:56
12. "California Dreamin'" performed by The Mamas & the Papas - 2:39
13. "For What It's Worth" performed by Buffalo Springfield - 2:38
14. "What the World Needs Now Is Love" performed by Jackie DeShannon - 3:13
15. "Break on Through (To the Other Side)" performed by The Doors - 2:38
16. "Mrs. Robinson" performed by Simon & Garfunkel - 3:51
Disc two
1. "Volunteers" performed by Jefferson Airplane - 2:04
2. "Let's Get Together" performed by The Youngbloods - 4:36
3. "San Francisco (Be Sure to Wear Flowers in Your Hair)" performed by Scott McKenzie - 2:58
4. "Turn! Turn! Turn! (To Everything There Is a Season)" performed by The Byrds - 3:54
5. "Medley: Aquarius/Let the Sunshine In" performed by The 5th Dimension - 4:48
6. "Everybody's Talkin'" performed by Harry Nilsson - 2:44
7. "Joy to the World" performed by Three Dog Night - 3:16
8. "Stoned Love" performed by The Supremes - 2:59
9. "Raindrops Keep Fallin' on My Head" performed by B. J. Thomas - 3:00
10. "Mr. President (Have Pity on the Working Man)" performed by Randy Newman - 2:46
11. "Sweet Home Alabama" performed by Lynyrd Skynyrd - 4:43
12. "It Keeps You Runnin'" performed by The Doobie Brothers - 4:13
13. "I've Got to Use My Imagination" performed by Gladys Knight & the Pips - 3:30
14. "On the Road Again" performed by Willie Nelson - 2:29
15. "Against the Wind" performed by Bob Seger & the Silver Bullet Band - 5:33
16. "Forrest Gump Suite" composed and conducted by Alan Silvestri - 8:49




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Curiosidades

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuAnos 80
Bandas nacionais que o tempo esqueceu

Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racistaPhil Anselmo
Vocalista explica e se retrata por episódio racista


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

adGoo336