Guns N' Roses: DJ Ashba fala sobre sua infância sofrida

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Tavares, Fonte: Bullyville.com, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em um post datado de 16 de abril de 2012 no site www.bullyville.com, um site onde pessoas postam seus casos de bullying, abusos e experiências do gênero e falam como conseguiram seguir em frente na vida, como um grande grupo de auto-ajuda, o guitarrista D.J. Ashba (Guns N' Roses, SIXX A.M.) contou sobre os abusos que sofrera quando criança. Leia a tradução de seu post abaixo.

3404 acessosGuns N' Roses: em 2° lugar no ranking dos que mais faturaram em 20165000 acessosResenha - Sgt. Peppers - Beatles

Meus anos de crescimento em uma casa amorosa, repleta de sonhos e esperanças, foram cortados em pedaços a partir do dia em que nasci. Tudo que consigo lembrar é ficar petrificado quando criança, não apenas para a minha segurança, mas para a de minha mãe também. Todo momento de todos os dias dependiam do humor de meu Pai. A maior parte do meu tempo era passada escondido atrás de meu armário, tendo convulsões como se de alguma forma eu dançasse ao som da violência vindo da sala ao lado.

Ao invés de um abraço e um beijo, meu despertar nas manhãs consistia no punho de meu Pai batendo contra a porta do armário, similar a Jack Nicholson em “O Iluminado”. A parte louca sobre tudo isso é que eu passei minha juventude tentando constantemente ganhar seu respeito. Eu cheguei a ir longe a ponto de colocá-lo em um pedestal, fazendo dele algum tipo de herói em minha mente não desenvolvida, apenas para tê-lo me batendo uma vez após outra. Eu não consigo contar os incontáveis dias que caminhava de volta da escola, morrendo de medo de entrar pela porta da frente de casa. O medo era tão forte que eu literalmente mijaria em minhas calças.

A verdadeira heroína era minha mãe, eu não posso lhes dizer o quão incrível ser humano ela é. Olhando para trás agora e percebendo que ela arriscou sua própria segurança para meu bem estar. Ela era a verdadeira heroína, colocando-se sem medo na linha de fogo, “indo em direção à granada” por assim dizer. Meu pai usava-me como moeda de troca contra ela simplesmente por saber que eu era seu mundo. Para ele, eu era seu pior erro. Ter meu pai fazendo tudo em seu poder para me tirar de casa, inclusive puxar-me por um braço e minha mãe tentando impedí-lo puxando-me pelo outro, é algo completamente distante de um passeio divertido na Disneylândia. Minha vida inteira desde então, eu vivi sendo fisicamente e mentalmente abusado. Eu vivi com problemas de abandono. Eu passei minha vida inteira sem derramar uma lágrima devido a uma queda acidental da escada em uma manhã de Natal. Quando eu tinha cerca de 3 anos, eu tropecei da escada e caí na sala onde estava meu pai sentado em frente à lareira e comecei a chorar.

Meias penduradas na lareira e luzes brilhantes na árvore de natal. Meu pai levantou-se do sofá e comandou firmemente que homens não choram. Ele disse “Você quer ser um bebê chorão, lhe darei um motivo para chorar.” enquanto ele me batia. Então, eu deveria ir para a escola e tentar esconder as marcas de suas mãos perfeitamente desenhadas em meu corpo. Depois de tudo isso, eu ainda ficaria sentado esperando na janela como um filhote batido, esperando que ele chegasse em casa todas as noites. Isto é, até a noite em que ele nunca voltou para casa novamente. Eu virei o chefe da casa, jovem demais para a vida de qualquer um. Eu cresci em uma pequena cidade no meio do nada chamada Fairbury sem TV em minha casa, então eu sou a prova viva que qualquer um pode sobreviver a qualquer coisa na vida e ainda alcançar seus sonhos. De alguma forma fui capaz de guardar todo meu ódio e usá-lo para minha motivação. Motivação para fazer o que for que eu tivesse de fazer para não tornar-me igual a meu pai. Se eu o odeio por tudo que fez conosco? Não, eu o perdoei, mas sempre viverei pelos seus erros e continuarei a me tornar uma pessoa melhor.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 23 de abril de 2012
Post de 07 de março de 2017

Guns N RosesGuns N' Roses
Em 2° lugar no ranking dos que mais faturaram em 2016

1411 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's1561 acessosFabio Lima: 13 músicas pelo Guns N' Roses1761 acessosGuns N' Roses: turnê com rappers N.W.A. quase rolou; Axl era fã0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Guns N RosesGuns 'N' Roses
"Ninguém ama estar viciado", diz McKagan

SlashSlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Guns N RosesGuns N' Roses
Lucros das turnês serão divididos entre os três

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"0 acessosTodas as matérias sobre "Sixx A.M."

Sgt. PeppersSgt. Peppers
Tudo sobre o mais importante álbum da história do rock

AC/DCAC/DC
Setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose

5000 acessosAlice in Chains: mensagem subliminar na capa de "The Devil Put Dinosaurs Here"5000 acessosMetallica: a regressão técnica de Lars Ulrich5000 acessosGhost: Nergal revelou a identidade de Papa Emeritus II?5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e Miguel Falabella5000 acessosBill Ward: a receita para sobreviver no ramo da música5000 acessosKiss: o Brasil acreditava que a banda matava pintinhos nos shows

Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D

Mais informações sobre Rafael Tavares

Mais matérias de Rafael Tavares no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online