Rage: uma fortaleza do Heavy Metal germânico

Resenha - Wings Of Rage - Rage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar correções  |  Ver Acessos

Peter "Peavy" Wagner é um símbolo de obstinação, um músico e compositor realmente apaixonado e comprometido. O RAGE passou por diversas mudanças de formação em sua longa e exitosa trajetória, o que, entretanto, nunca o impediu de opor-se às adversidades e às descrenças, colocando-o como o único membro original até o momento, firme e forte na sua infindável luta para prosseguir lançando discos e mais discos, primando, incessantemente, pela qualidade, não importando o momento ou o line-up.

Rage: olhando para o passado em novo discoHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Wings Of Rage", vigésimo quarto trabalho de estúdio e terceiro com a atual formação, lançado no dia 10 de janeiro de 2020, via Steamhammer/SPV, apenas comprova toda essa força e retidão do power trio germânico, que tem quase trinta e sete anos de carreira. As carismáticas linhas vocais do líder e também contrabaixista "Peavy" Wagner, como sempre, são puro deleite, daquelas que realmente empolgam, trazem um espontâneo sorriso ao rosto e "colam" na mente. Com ganchos e refrãos memoráveis, banda coesa, entrosada e dinâmica (completada por Marcos Rodriguez (guitarra, vocais adicionais) e Vassilios "Lucky" Maniatopoulos (bateria e vocais adicionais), integrantes desde 2015), temos um álbum que nos transporta para a sonoridade mais clássica, crua e direta do RAGE, não deixando, contudo, de experimentar e explorar o lado mais erudito em alguns temas. O som soa renovado, vibrante, honesto e enérgico. Contando com doze faixas, inclusive com uma nova versão do clássico hit "Higher Than The Sky" (originalmente lançado em "End Of All Days" (1996)), aqui, rebatizado de "HTTS 2.0", Wagner e sua trupe apresentam um play que flui muito bem. Músicas como "True", "Let Them Rest In Peace", "Chasing The Twilight Zone", "Tomorrow", a faixa-título e "Don't Let Me Down", só para apontar alguns exemplos, escancaram a faceta mais tradicional do grupo, enquanto que "A Nameless Grave" e a tocante balada "Shine A Light" expõem o direcionamento mais sinfônico e atmosférico.

"Wings Of Rage" se mostra um disco muito equilibrado, de agradável e aprazível audição, especialmente caso a sua preferência seja o Heavy/Speed/Power Metal. Certamente, um acréscimo de respeito ao longo e respeitável catálogo dessa incansável instituição do Heavy Metal alemão.

Formação atual:

Peter "Peavy" Wagner - Vocal/Contrabaixo
Marcos Rodriguez - Guitarra/Vocais Adicionais
Vassilios "Lucky" Maniatopoulos - Bateria/Vocais Adicionais

Lista de músicas:

1. True
2. Let Them Rest In Peace
3. Chasing The Twilight Zone
4. Tomorrow
5. Wings Of Rage
6. Shadow Over Deadland (The Twilight Transition)
7. A Nameless Grave
8. Don't Let Me Down
9. Shine A Light
10. HTTS 2.0
11. Blame It On The Truth
12. For Those Who Wish To Die


Outras resenhas de Wings Of Rage - Rage

Rage: olhando para o passado em novo disco



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rage"


Rage: olhando para o passado em novo discoRage: trio divulga Wings of Rage, 24° álbum de sua discografia; ouçaRage: banda divulga detalhes do novo álbum e nova música; confira

Wacken 2019: assista a todos os shows do festival que tiveram transmissãoWacken 2019
Assista a todos os shows do festival que tiveram transmissão

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002

Avenger: o disco que deu origem ao RageRage: o disco de estreia de uma lenda do metal alemãoRefuge: banda com membros do Rage lança novo disco, Solitary MenRefuge: Banda de membros do Rage libera singles do debutRage: Em São Paulo, um ótimo show, porém, muito curto

Anos 90: 10 shows pouco comentadosAnos 90
10 shows pouco comentados

Terrana: Nunca um computador limpará minha bunda!Terrana
"Nunca um computador limpará minha bunda!"


Heavy Metal: cinco discos necessários dos anos setentaHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

Beavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?Beavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.

adClio336 adClioIL