Arch/Matheos: mantendo o ótimo nível de estreia

Resenha - Winter Ethereal - Arch/Matheos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar Correções  

publicidade

Dá pra classificar o Arch/Matheos como uma espécie de dream team do prog metal. Liderado pelo vocalista John Arch (que gravou os três primeiros álbuns do Fates Warning e saiu em 1987) e pelo guitarrista Jim Matheos (que continuou no Fates Warning, um dos pilares do metal progressivo norte-americano ao lado do Dream Theater), a banda é completada por Frank Aresti (também guitarrista do Fates Warning), Joey Vera (baixista experiente e que chegou ser cotado para assumir o posto de Cliff Burton no Metallica, e que construiu carreira no Armored Saint e com o Fates Warning) e Bobby Jarzombek (baterista com longa rodagem e discos gravados com Riot, Halford, Sebastian Bach, Demons & Wizards e mais uma turma, e atualmente no Fates Warning). De modo geral – e literal -, o Arch/Matheos é o Fates Warning com John Arch no lugar de Ray Alder, atual vocalista da banda.

Fates Warning: vocais para o próximo disco já foram gravados, confirma vocalistaRock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionais

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Winter Ethereal" é o segundo álbum do grupo e o sucessor de "Sympathetic Resonance", estreia do projeto e aclamado como um dos grandes discos de 2011. Esse segundo capítulo segue pelo mesmo caminho. Trazendo o refinamento instrumental e a inquietude características do progressivo, devidamente unidas por um vocalista muito acima da média e que sabe dosar interpretações mais delicadas com momentos mais agressivos, "Winter Ethereal" é um daqueles discos que você pode usar como exemplo para apresentar um estilo – no caso, o prog metal – para um novo ouvinte.

A abertura com as mudanças de dinâmica de "Vermilion Moons" mostra que o nível será altíssimo. Matheos segue despejando riffs em "Wanderlust", e dá o tom do nível melódico do trabalho ao lado de Arch. O peso é uma constante e não é nada sutil. A sensibilidade assume o protagonismo na ascendente "Tethered", enquanto o lado metal do projeto toma a frente em "Straight and Narrow", a faixa mais curta do disco, onde o destaque é Jarzombek. O encerramento, com a longa suíte "Kindred Spirits", atesta o ditado de que se a primeira impressão é a que fica, a última é a que segue com a gente.

Talvez "Winter Ethereal" não tenha o mesmo impacto de "Sympathetic Resonance", afinal o disco de 2011 marcou o reencontro entre John Arch e Jim Matheos após uma longa separação. Mas o fato é que, musicalmente, trata-se de um disco similar ao debut e um dos grandes álbuns de prog metal lançados nos últimos anos.

Se você é fã do gênero – e do Fates Warning -, encare sem medo.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Fates Warning: vocais para o próximo disco já foram gravados, confirma vocalista

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1985Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1985

Bateristas: alguns que usam a pegada tradicional para tocarBateristas
Alguns que usam a pegada tradicional para tocar


Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionaisRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais

Jared Leto: a reação ao se ver no papel do CoringaJared Leto
A reação ao se ver no papel do Coringa


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor