Liam Gallagher: apresentando "algo a mais" em seu álbum solo

Resenha - As You Were - Liam Gallagher

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Aleff Jefferson
ENVIAR CORREÇÕES  

No dia 6 desse mês de outubro, o ex-OASIS LIAM GALLAGHER lançou seu primeiro álbum solo. Antes disso, e após o fim do OASIS, LIAM havia lançado dois álbuns com o BEADY EYE, que era uma banda formada pelos membros remanescentes do OASIS. Já seu irmão NOEL, lançou dois álbuns com seu projeto solo NOEL GALLAGHER'S HIGH FLYING BIRDS. Porém, na opinião deste que vos escreve, tanto os álbuns do BEADY EYE quanto os do projeto solo de NOEL tiveram músicas boas mas faltou aquele 'algo a mais' que, nem mesmo o OASIS vinha apresentando em seus últimos álbuns. Por 'algo a mais' entendam músicas cativantes que tenham melodias marcantes e deixem aquela vontade de repetir o disco após acabar. E eis que LIAM, tido por muitos como sem-talento devido às composições de seu irmão NOEL nos anos dourados do OASIS, surge com um álbum que tem esse 'algo a mais'. Vamos aos comentários faixa-a-faixa:

WALL OF GLASS:
Primeiro single do álbum e composta com a colaboração do produtor GREG KURSTIN. Essa faixa é enérgica do início ao fim! Desde a introdução com a gaita ao refrão, a música gruda na cabeça do ouvinte, que logo se pega cantarolando. O instrumental soa bem moderno e o timbre e a distorção da guitarra nessa música me agradaram muito!

BOLD:
Aqui temos uma composição exclusiva de LIAM. E, pra ser sincero, uma ótima composição. Tem uma melodia agradável com um refrão simples que cativa o ouvinte. A letra tem um tom bem intimista assim como a maioria das letras no álbum.

GREDDY SOUL:
Uma música simples, agressiva e direta. Algo na linha de Bring It On Down do OASIS. Um detalhe legal é que, nessa música, LIAM, além de ser o autor, toca a parte de violão da versão de estúdio. Mas esse é o tipo de música que funciona melhor ao vivo e, inclusive, já existem vídeos ao vivo dela divulgados pelo canal do cantor no Youtube. O único defeito da versão de estúdio é trocar, em algumas partes, as guitarras distorcidas por um violão.

PAPER CROWN:
Aqui temos uma composição de LIAM e GREG KURSTIN. É uma faixa mais melódica com um arranjo instrumental muito bem-feito e um refrão muito bonito. Uma das melhores baladas do álbum.

FOR WHAT IT'S WORTH:
Essa música é um dos pontos mais altos, talvez o mais, do álbum. Um arranjo instrumental fantástico, melodias lindas e um performance vocal como LIAM não entregava há muitos anos. Além disso, a letra é bem intimista e gerou várias suposições. Alguns dizem ser direcionada a NOEL, outros dizem ser para a sua filha Molly. Mas o que temos é o resultado final que é, talvez, a melhor entre todas as composições dos irmãos GALLAGHER após o fim do OASIS. Se uma música desse álbum for virar um clássico no futuro, eu aposto que será essa!

WHEN I'M IN NEED:
Um som arrastado com um refrão bom e uma letra muito legal. É uma boa música mas se destaca pouco talvez por vir logo depois de uma das melhores músicas do álbum.

YOU BETTER RUN:
Essa é uma música que, na minha opinião, se encaixaria bem em um dos 2 primeiros álbuns do OASIS. Soa agressiva, sarcástica e empolgante. Só peca por usar guitarras com pouco peso que, pelo menos na versões ao vivo, são compensadas.

I GET BY:
Nessa LIAM é creditado sozinho. Em termos de melodia, é mais simples que a anterior. Acho que caberia bem em um álbum como o Standing On The Shoulder Of Giants do Oasis. Uma música boa, mas sem tanto brilho.

CHINATOWN:
O álbum chega a mais um de seus pontos altos nessa música. A letra, que não é creditada a LIAM, aborda temas existenciais e sociais. No entanto, mesmo sem ter composto a música, LIAM se destaca aqui por sua performance vocal que remete aos bons momentos do OASIS nos anos 90.

COME BACK TO ME:
Outro ponto alto! Aqui ouvimos uma melodia muito marcante, principalmente, nas estrofes. O trabalho de guitarras é fantástico e a atmosfera da música, mais uma vez, remete aos bons tempos do OASIS.

UNIVERSAL GLEAM:
Essa é uma composição creditada exclusivamente a LIAM que, nessa faixa, canta e toca violão. Aqui podemos ouvir uma influência descarada dos BEATLES. É mais uma das provas de que NOEL, apesar de ser extremamente talentoso, não ficou com todo o talento da família.

I'VE ALL I NEED:
Mais uma composição de LIAM. A letra é bem positiva com trechos como "I've all i need and more" e "There's no time for looking back" e o refrão gruda na cabeça. O violão nessa faixa também é tocado por Liam.

DOESN'T HAVE TO BE THAT WAY (BÔNUS):
Soa bem diferente do resto do álbum. Bem moderna com direito a samples eletrônicos, distorções incomuns e um solo de guitarra cheio de efeitos. Alguns podem torcer o nariz pra essa faixa por ser moderna demais, mas me agradou muito.

ALL MY PEOPLE / ALL MANKIND (BONUS):
Outra obra de LIAM onde ele canta e toca violão. O arranjo de violão nessa faixa é um pouco melhor do que nas outras onde ele toca. Mais uma vez, é nítida a influência dos BEATLES. É uma música bem cadenciada com melodias agradáveis.

I NEVER WANNA BE LIKE YOU (BÔNUS):
E para fechar o trabalho, mais uma composta e tocada por LIAM. Mais uma vez no álbum, a influência de BEATLES é forte. Nessa faixa se destaca o arranjo de violão e fica uma indagação. Será que esses vários "I never wanna be like you" repetidos no final da música são um recado para NOEL? Isso foca a cargo de nossa imaginação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A impressão final é de quem LIAM GALLAGHER entrega aos fãs um de seus melhores trabalhos em muitos anos. Tanto em aspectos de composição quanto de performance vocal, ele mostrou seu talento. O álbum, apesar de algumas vezes soar semelhante ao OASIS, não se limita a isso. Então se você for ouvir esperando apenas aquelas guitarras cheias e aqueles refrões apoteóticos dos primórdios do OASIS, vai se decepcionar. Agora se quiser ouvir um álbum de rock moderno e bem-feito que, em alguns momentos, lembra os dias de glória de LIAM no OASIS, aí vai encontrar um prato cheio.

Tracklist:

1. Wall of Glass;
2. Bold;
3. Greedy Soul;
4. Paper Crown;
5. For What It's Worth;
6. When I'm in Need;
7. You Better Run;
8. I Get By;
9. Chinatown;
10. Come Back to Me;
11. Universal Gleam;
12. I've All I Need;

Deluxe edition bonus tracks:

13. Doesn't Have to Be That Way;
14. All My People / All Mankind;
15. I Never Wanna Be Like You.

Comente: Ouviu o disco? O que achou?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Protesto: indústria musical dos EUA fará dia em silêncio em homenagem a George FloydProtesto
Indústria musical dos EUA fará dia em silêncio em homenagem a George Floyd

Caio Coppolla: vídeo da banda do comentarista político viraliza na webCaio Coppolla
Vídeo da banda do comentarista político viraliza na web

Capas de discos: fãs estão recriando artes de álbuns clássicos durante isolamentoCapas de discos
Fãs estão recriando artes de álbuns clássicos durante isolamento


Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Caio Coppolla: vídeo da banda do comentarista político viraliza na webCaio Coppolla
Vídeo da banda do comentarista político viraliza na web


Galeria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N RollGaleria de fotos
13 motivos para gostar de Rock N Roll

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia


Sobre Aleff Jefferson

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280