Helloween: apontando para um novo e refrescante futuro

Resenha - 7 Sinners - Helloween

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nilton Rodrigues
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O Helloween com Deris sempre me atraiu. Era um grande passo em meio aos castratis de cabelos sedosos um vocalista que apostava numa interpretação mais rasgada e autoral do que um pastiche do próprio passado da banda. Além disso, suas composições, muitas vezes simples e melódicas na medida certa, caiam como uma luva para os meus ouvidos. Mas mesmo assim, o gênero que eu gostava lá pelos meus 16 anos (sim, o metal melódico) nunca cresceu. Ficou estagnado em meio a bumbos duplos e temáticas líricas de gosto duvidoso. Era como aquele nerd que foi seu colega na quinta série, e quando você o encontra de novo, anos mais tarde, o dito cujo continua usando a mesma camiseta dos Cavaleiros do Zodíaco. Contrangedor, para dizer o mínimo.

Metallica: Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era ricoElectra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como falei, o que me fazia ainda gostar do Helloween era em grande parte o vocalista, mas ainda assim, uma pulga me incomodava, faltava alguma coisa. Faltava inovação.

Foi quando escutei o novo disco "7 Sinners". Para abrir o álbum uma faixa arrastada e quem nada tem das tradicionais músicas de abertura. "Where The Sinners Go" já mostra o groove de guitarra que vai permear todo a obra. E é aí que eu me refiro. Em todo o disco, o bom e velho Helloween está lá, mas é como se tivesse usando uma roupa nova, penteado o cabelo e colocado perfume. "Are You Metal?", a famigerada música de trabalho dos abóboras aposta numa performance mais true, mas sem se levar a sério demais.

E durante quase uma hora, a formação bem entrosada faz questão que o ouvinte não desligue o dedo da tomada. Seguindo com "Who is Mr. Madman?", sequência do clássico "Perfect Gentlemen", e "Raise The Noise" com um estranho solo de flauta (?) que, por incrível que pareça, ficou harmônico e bem inserido na música.

A faixa seguinte, "World of Fantasy", é a resposta para quem acha que uma banda com mais de 25 anos de estrada não consegue mais escrever hits. Uma letra poderosa, com um riff moderno sem soar modernoso, a faixa gruda longo na primeira audição, perfeita para shows.

"Smile of the Sun" é a típica composição do Mr. Deris. Com piano, refrão fácil e pronta para entrar em qualquer set list daqui uns anos. Mas talvez a música mais experimental do disco seja "Long Live the King". Um riff e uma performance na velocidade da luz do baterista Dani Loeble, mostra que o melódico também pode caminhar no limite do thrash. Talvez por isso, seja a faixa que mais destoe do disco, causando um certo desconforto nos fãs mais xiitas.

Com "If a Mountain Could Talk", a banda segue com o pé no acelerador. Com um refrão avassalador, é certeza de cabeças cabeludas e balançantes nos shows. "The Siege, the Fool, the Sinner" tem aquela atmosfera mais "happy" que não tem erro. "My Sacrifice" é a mais sem expressão do disco. Apostando no peso, a canção se perde na falta de uma marca registrada. A Pink Floydiana "Noy yet Today" serve como uma introdução para a sensacional "Far in the Future", que mostra toda a criatividade do guitarrista Sascha Gerstner.

Enfim, um disco importante e crucial para esse atual momento da banda. Mostrando entrosamento, e o que eu chamo de "velocidade criativa", "7 Sinners" é um disco obrigatório para os fãs e simpatizantes da banda alemã. Uma obra que aponta para um novo e refrescante futuro.

Ah, e voltando a falar do Mr. Deris, "7 Sinners" talvez seja sua renascença. Mostrando um vocalista mais experiente e sabendo administrar deficiências e potencializar qualidades, Deris entrega uma interpretação magistral. Se essa agressividade ouvida em sua voz nos últimos tempos é culpa do cigarro, aí vai uma dica para o Mr. Andi Deris (e espero que ninguém do Ministério da Saúde seja fã do Helloween): continue fumando, meu caro!

O Heavy Metal cresceu e as abóboras ainda estão germinando muito bem.

Tracklist:

1.Where The Sinners Go
02. Are You Metal?
03. Who is Mr. Madman?
04. Raise The Noise
05. World Of Fantasy
06. Long Live The King
07. The Smile Of The Sun
08. You Stupid Mankind
09. If A Mountain Could Talk
10. The Sage, The Fool, The Sinner
11. My Sacrifice
12. Not Yet Today
13. Far In The Future


Outras resenhas de 7 Sinners - Helloween

Helloween: Mais peso e menos Happy Happy Helloween em 7 Sinners

Helloween: Claramente o melhor registro recente da bandaHelloween
Claramente o melhor registro recente da banda

Helloween: após mais de 25 anos, um novo estilo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Helloween"


Andre Matos: vídeo de cover de Helloween com orquestraAndre Matos
Vídeo de cover de Helloween com orquestra

Uli Kusch: Michael Jackson utilizava ingredientes do Metal em seu trabalhoUli Kusch
"Michael Jackson utilizava ingredientes do Metal em seu trabalho"


Metallica: Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era ricoMetallica
Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era rico

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave MustaineElectra Mustaine
A linda filha do Sr. Dave Mustaine


Sobre Nilton Rodrigues

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336