Lita Ford: descartou-se o carismático Hard Rock do passado

Resenha - Wicked Wonderland - Lita Ford

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

2


Tá maus, Lita, tá maus... A Lita Ford é, acertadamente, considerada como uma das pioneiras do (em vias de extinção) sexo frágil que se aventurou pelo Rock´n´Roll nos anos 1970 e conquistou o sucesso como vocalista e guitarrista no boom do gênero na década seguinte. Posteriormente, a garota se recolheu ao ambiente familiar juntamente com o gigantesco marido Jim Gillette (do excêntrico Nitro, lembram-se?) para criar sua prole.

Prole criada, 51 anos nas costas, e eis que a loirinha retorna – com o marido ao lado, naturalmente. Pois, além de Gillette co-escrever o repertório, ele assumiu a maioria das vozes de fundo e, em muitas faixas, a coisa até funciona bem. Mas, musicalmente, descartou-se o carismático Hard Rock do passado, optando pelas não tão novas tendências modernosas do mercado musical norte-americano.

publicidade

O pesadíssimo "Wicked Wonderland" encerra uma reclusão que durou 15 anos e mostra Lita Ford investindo pesado em um turbilhão de efeitos eletrônicos e ruídos que, corajosamente, tentam criar algo novo e diferente. Mas o que realmente conseguem é sufocar os interessantes riffs das guitarras e as linhas vocais, tendo como desastroso resultado um repertório ausente de uma dinâmica minimamente interessante.

publicidade

Como se fosse pouco, existe como agravante o apelo sexual das letras, cuja vulgaridade é simplesmente ridícula em vários trechos, a ponto de se ficar imaginando a cara dos filhos da Lita ao ver a mamãezinha deles cantando esse lixo. Mas, em tempos de esmiuçar o lixo para tentar reciclar algo, com boa vontade dá para encontrar em "Piece (Hell Yeah)" umas guitarras bem sacadas, além de todo o projeto gráfico, tão rico em detalhes que te faz esquecer momentaneamente o horror musical que é este disco.

publicidade

Talvez os fãs do desmiolado Marilyn Manson tenham algum interesse em "Wicked Wonderland"... Sua vibração é Rock´n´Roll, mas transmutado de forma tão radical e desesperado que não deu certo mesmo. E, longe de querer ser um sentimental saudosista, encerro com algo já dito em algum momento destas linhas: Tá maus, Lita, tá maus...!

Contato:
http://www.myspace.com/litaford
http://www.litaxx.tv

publicidade

Formação:
Lita Ford - voz e guitarra
Jim Gillette - voz
Greg Hampton - baixo
Michael T Ross - teclados
Chris Collier - bateria
Stet Howland - bateria

Lita Ford - Wicked Wonderland
(2009 / JLRG Entertainment - importado)

01. Crave
02. Piece (Hell Yeah)
03. Patriotic SOB
04. Scream For Me
05. Inside
06. Wicked Wonderland
07. Indulge
08. Love
09. Betrayal
10. Sacred
11. Truth
12. Everything
13. Bed
14. Garden
15. Push




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lemmy: Bill Ward, Kiko Loureiro, Zakk Wylde e Lita Ford comentam morteLemmy
Bill Ward, Kiko Loureiro, Zakk Wylde e Lita Ford comentam morte

Lita Ford: cantora admite suruba com Bon Jovi e Richie SamboraLita Ford
Cantora admite suruba com Bon Jovi e Richie Sambora


Pink Floyd: Perguntas e respostas e curiosidadesPink Floyd
Perguntas e respostas e curiosidades

The Voice: candidato faz power metal cantado em portuguêsThe Voice
Candidato faz power metal cantado em português


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin