Resenha - Feel Euphoria - Spock's Beard

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Com mais de dez anos de carreira, o Spock's Beard é uma das maiores referências do rock progressivo na atualidade. Este é o seu sétimo álbum de estúdio e o primeiro sem o vocalista Neal Morse. Depois da ousadia de Snow (2002) a banda retorna com um disco menos pretensioso, mas igualmente instigante.

Presença de Palco: dicas para iniciantesGuns N' Roses: funkeiro assassina clássico máximo da banda

Sem se limitar ao progressivo, o Spock's Beard realizou um disco bastante diversificado, que vai do hard rock guiado por teclados bem sacados ao prog metal cheio de quebradeiras. Ao longo das treze faixas de Feel Euphoria (15 na versão digipack) se ouve um pouco de diversos estilos. O grande destaque é, sem nenhuma sombra de dúvida, o incrível trabalho de Alan Morse nas guitarras. São timbres bem escolhidos e solos muito bem executados. Embora a banda se perca algumas vezes em meio a um amontoado de experimentalismos que podem soar desconexos à primeira vista, as guitarras de Morse e os teclados de Ryo Okumoto não permitem que Feel Euphoria seja chato ou complexo demais para ouvidos pouco habituados às viagens do progressivo.

"Onomatopoeia" abre o disco e é perfeita para isso. A mais direta das treze faixas do disco, ela tem uma atmosfera instigante e uma das levadas mais legais do disco todo. É a mais Dream Theater do disco, embora isso não queira dizer que faltou personalidade ao Spock's Beard na hora de compor. Ao contrário. Os vocais de Nick D'Virgilio são muito versáteis e a levada de guitarra é genial. Na seqüência, "The Bottom Line" e "Feel Euphoria" são músicas mais típicas do grupo. A primeira tem riffs maravilhosos e linhas de teclado lindíssimas. A segunda tem um clima meio Pain of Salvation, cheia de experimentalismos e quebradeiras. A baladinha pop "Shining Star" é bem fraquinha, mas não chega a comprometer a qualidade do trabalho. "East of Éden, West of Memphis" (título genial!) é bem estranha, lembrando um pouco AC/DC (!) em alguns momentos, mas sem perder a cadência progressiva em nenhum momento. Talvez seja a música mais setentisa do disco. O grande destaque é a suíte denominada "A Guy Named Sid". São seis faixas que alternam momentos melódicos lindíssimos e passagens mais pesadas para contar uma "velha história" (só ouvindo para saber). Encerrando Feel Euphoria, temos a linda balada (agora sim, uma digna de ostentar essa denominação) "Carry On", cuja letra "pra cima" e o arranjo belíssimo, envolvendo uma sessão de instrumentos de sopro e cordas dão o desfecho perfeito para a nova empreitada deste quarteto norte-americano.

A produção limpa e competente - responsabilidade da própria banda - contribui para transformar Feel Euphoria num dos melhores trabalhos da banda até o momento. Nesta época em que tão pouca gente está fazendo progressivo de verdade, sem apelar para a auto-indulgência ou para as armadilhas sedutoras do mainstream, o Spock's Beard conseguiu produzir um disco agradável não apenas aos fãs do estilo, mas a todos os apreciadores de música feita com qualidade e sem maiores preocupações comerciais.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Spocks Beard"


Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivoMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo


Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Guns N' Roses: funkeiro assassina clássico máximo da bandaGuns N' Roses
Funkeiro assassina clássico máximo da banda


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336