Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"


Stamp

Resenha - Under My Skin - Avril Lavigne

Por Rafael Carnovale
Em 17/06/04

Nota: 7

Juro que tinha dúvidas se Avril passaria do primeiro cd. Afinal ela representa tudo o que a moda musical americana gosta: teen, menina, com voz, mexendo com som pesado e ao mesmo tempo radiofônico. Ou seja, uma "bad-girl" que pode muito bem tocar em rádios. Por isso ela estourou como um furacão nos Estados Unidos, embora seu primeiro cd tivesse sim músicas boas. Agora resta ver o teste do segundo cd, que geralmente costuma fritar os artistas passageiros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas Avril insiste que veio para ficar. Ao invés de cair na tentação de fazer músicas mais pops e acessíveis, ela investe no peso, como em "Take Me Away", que abre o cd. Já "Togheter" é a música para tocar em rádios, embora seja pesada. Algumas baladas obrigatórias ("Don´t Tell Me", a acústica "How Does It Feel", a suave "Forgotten" e "Slipped Away") aonde Avril despeja sua voz suave, contrastam com rocks pesados e agressivos como "He Wasn´t" e momentos mais pops como "Nobody's Home". Avril só pisa na bola descaradamente ao colocar no cd duas faixas totalmente desnecessárias como "My Happy Ending" e "Freak Out", que tentam soar pesadas com o adendo de elementos industriais, mas soam chatas e cansativas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Até que Avril conseguiu fazer um cd legal, que pode ser ouvido sem cansar muito o ouvinte. Mas não creio que ela consiga se manter estável com a fórmula rock-pesado-meloso-industrial-newmetal. Em todo caso, vale conferir.

Site Oficial: http://www.avrillavigne.com

Lançamento em 2004 pela BMG Records.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.