Resenha - Live In Chicago 12.19.98 - Dave Matthews Band

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar Correções  

10


Depois de reclamações por parte dos fãs mais antigos pelo lançamento do "acessível" "Everyday" a DMB resolve lançar em outubro de 2001 esse "Live in Chicago".

publicidade

Mas porque esse lançamento? O show é de 98, até mesmo anterior do que o último duplo ao vivo oficial, o multiplatinado "Listener Supported", o set list não traz nenhuma música das famosas "Lillywhite Sessions" (que seriam muito bem vindas), muito menos de "Everyday", e além de tudo isso a maioria das faixas é bastante conhecida pelos fãs, visto que os shows da banda sempre trazem os set lists mais diversos.

publicidade

Isso tudo foi feito exatamente para saciar os mesmos fãs que reclamaram do lançamento de "Everyday" : um show da turnê do álbum "Before These Crowdred Streets" , com músicas de todas as fases da banda até a época e algumas surpresas como "The Maker" e "Christmas Song".

Depois da "intro", a pesadíssima "The Last Stop" (perfeita para abertura de shows) faz o estádio ir a baixo, com Dave cantando a letra parecendo um demônio com raiva de tudo de errado que está acontecendo no mundo hoje em dia. A execução é perfeita, a participação do público é latente e essa versão ainda é imendada com a "outro" do disco "Before These Crowded Streets". Perfeita. Para continuar com o clima tenso, a DMB entra com a também pesada "Don’t Drink The Water" (será que ainda tinha alguém vivo na platéia??), que aparece aqui muito melhor que na versão de "Listener Supported", com Tim Reynolds marcando presença nas guitarras (ele toca o show inteiro com a banda).

publicidade

"#41" dispensa apresentações e traz um convidado à altura da música: Victor Wooten, considerado um dos melhores baixistas do mundo na atualidade.

Matthews ainda faz uma pequena versão da rara "#40", abrindo espaço para "Lie In Our Graves", com destaque total para o solo de Leroi Moore.

Em "What Would You Say" (que pela primeira vez tem sua versão ao vivo em um lançamento ao vivo oficial da banda), Maceo Parker entra em cena com um solo maravilhoso.

publicidade

O primeiro CD ainda traz as já clássicas "Pantala Naga Pampa", "Rapunzel" e "Stay".

Hora de trocar o CD e tomar um pouco de ar, porque depois que o "play" é apertado a linda cover de Daniel Lanois "The Maker" começa com participações de Victor Wooten e Mitch Rutman, e por si só já vale a compra do CD, com uma interpretação brilhante de toda Dave Matthews Band. O show segue com o "hit" "Crash into Me" ( com "Dixie Chicken"), seguido de "Jimi Thing" (com mais de 10 minutos e destaque para o violino de Boyd Tinsley), "So Much to Say" imendada com "Too Much" culminando na belíssima "Christmas Song", com praticamente só Dave Matthews e seu violão. A apresentação fecha com "All Along the Watchtower", o clássico de Bob Dylan.

publicidade

Precisa mais?

"Live in Chicago" é essencial, diria até vital, para qualquer pessoa que gosta de boa música, verdadeira, tocada com emoção, sem se prender a estilos, clichês ou modas. E de quebra você ainda ouve alguns dos melhores músicos do planeta fazendo o que eles fazem melhor: música. Como sempre, emocionante.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rockMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

LA Weekly: as 20 piores bandas de todos os temposLA Weekly
As 20 piores bandas de todos os tempos


Separados no nascimento: Sarah Jessica Parker e o mascote EddieSeparados no nascimento
Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie

Slipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?Slipknot
Como são os membros da banda sem as máscaras?


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin