Resenha - Demolition - Judas Priest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Danilo Halliwell
Enviar Correções  

7


Missão um tanto delicada essa, fazer um review do disco novo do Judas Priest... Me considero um tanto suspeito, porque Priest é uma das minhas bandas favoritas, e cresci ouvindo-o em alto e bom som...

publicidade

Porém, vamos ao disco. A minha primeira impressão, foi meio estranha, um tanto ‘modernoso’ (até um tanto new metal) aqui e umas guitarras um tanto diferentes ali. O vocal de Tim ‘Ripper’ Owens com uma variação de voz maior, com ênfase em timbres graves e médios. Contudo, após algumas ouvidas, comecei a gostar (ou entender) do disco. O Judas evoluiu, e não se prendeu à antiga fórmula que o mesmo usara por tantos anos.

publicidade

Demolition talvez seja a mais natural evolução partindo do Jugulator, com guitarras pesadas, vocais agressivos e bateria avassaladora (apesar da maioria de seus membros terem quase 50 anos!). O Priest a cada disco, fica mais moderno, mais forte, com um olhar sempre à frente.

Olhar pra frente é perigoso mas o Priest o fez de forma consciente. O disco, produzido pelo próprio Glenn Tipton, traz uma bela qualidade sonora. Sobre as músicas: "Hell Is Home" é excelente com seu clima meio melancólico, "One On One" é uma música muito forte, com um pé no ‘moderno’, "Devil Digger" tem um clima bom lembrando o disco anterior (Jugulator), "Machine Man" (o novo single) poderia facilmente fazer parte do Painkiller! "Close To You" e "Lost And Found" são belas baladas como a tempos não se ouvia, "Bloodsuckers’ é muito contagiante e ‘In Between’ tem um grande feeling.

publicidade

O disco não decepciona. Scott Travis ainda é um baterista de primeira, o baixo seguro, as guitarras de Glenn e KK estão afiadas como sempre, e Ripper se estabeleceu como o homem certo para o posto de vocalista, com um estilo mais solto e característico ‘seu’ no disco (não se preocupem, as notas agudas estão ainda no disco, e estão mais fortes e altas do que nunca!)

publicidade

É o mesmo Priest de sempre mas com uma ‘nova cara’. Talvez os puristas radicais não gostem. Se você gostaria de ouvir uma aula de heavy metal moderno, pode comprar sem susto.

Tracklist:

01- Machine Man
02- One On One
03- Hell Is Home
04- Jekyll And Hyde
05- Close To You
06- Devil Digger
07- Bloodsuckers
08- In Between
09- Feed On Me
10- Subterfuge
11- Lost And Found
12- Cyberface
13- Metal Messiah

publicidade


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin