Blog Cultura Pop Br: Discos fundamentais de estreias de vocalistas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Hananias Souza Santana, Fonte: Blog Cultura Pop Br
Enviar correções  |  Ver Acessos

Já reparou que muitos discos de estreia de um novo vocalista em uma banda é um disco diferenciado? Claro, obviamente o disco vai soar diferente do que os anteriores por ter alguém novo nos vocais, mas o que quero dizer é que não são só diferentes, mas um destaque na carreira da banda, um sucesso com os fãs e a crítica e considerado um dos melhores senão o melhor disco da banda em questão.

Rob Halford: Uma resposta educada a comentários de DickinsonRoadrunner: os melhores frontmen de todos os tempos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nesse momento o caro leitor deve estar pensando em alguns exemplos. Mas qual a razão disso? Será que existe algo em comum nesses casos que explique esse fenômeno? Vamos analisar alguns casos de discos que marcam a entrada de um novo vocalista em uma banda que já tem um tempo na estrada, e verificar se existe alguma conclusão sobre isso.

The Number of the Beast - Iron Maiden

Esse disco é não só um dos maiores clássicos do Iron Maiden como está em qualquer lista de principais álbuns da história do metal. Quando lançado em 1982, chegou ao primeiro lugar nas vendas do Reino Unido e é o maior sucesso comercial da banda até hoje. The Number of the Beast é o primeiro trabalho de Bruce Dickinson como vocal do grupo, substituindo Paul Di'Anno.

Di'Anno que fora demitido da banda, dentre outras razões, por seus problemas com drogas. Musicalmente, a influência do punk que o antigo vocalista carregava foram deixadas de lado, e Steve Harris adotou um enfoque diferente nas composições, aproveitando-se da voz de Bruce Dickinson, que por sua vez, ajudou nas composição de algumas músicas do álbum, embora não assine nenhuma delas. Ora, o grupo já tinha um reconhecimento por seus trabalhos anteriores, mas com Dickinson eles alcançaram um novo patamar, não que Paul fosse um mal vocalista, mas a voz e o estilo de Bruce faziam ele o cara perfeito para estar ali.
Esse disco é a prova disso, canções como "Children of the Damned", "Run to the Hills" e "Hallowed Be Thy Name" sacramentaram o Iron Maiden como uma das principais bandas da história.

Heaven and Hell - Black Sabbath

Os anos de ouro do Sabbath tinham passado e a situação com o icônico vocalista Ozzy Osbourne estava insustentável. Após sua saída era preciso encontrar alguém que pudesse assumir o vocal a altura e ajudar o grupo a voltar ao nível de qualidade de álbuns anteriores, pois os dois últimos haviam sido altamente questionados.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Podemos tranquilamente dizer que a resposta a essa questão saiu melhor do que a encomenda. Ronnie James Dio, ex-vocalista das bandas Elf e Rainbow, assumiu os vocais e o resultado foi essa obra prima do heavy metal, Heaven and Hell. Lançado em 1980, foi um sucesso de público e crítica, levando o Sabbath de volta ao topo.

Nesse caso observamos o quanto o novo cantor foi importante na criação do disco; Dio escreveu todas as músicas e teve uma atuação memorável no vocal. Seu estilo deu uma cara nova a banda, foi um refresco necessário a um grupo que precisava se reinventar. É importante frisar a diferença na sonoridade da banda em comparação a era Ozzy, pois este cantava como que acompanhando os riffs de Iommi, enquanto Dio tinha uma forma diferente de cantar, o que influenciou os riffs que foram compostos em Heaven and Hell.

O disco de estreia de Dio é considerado um dos melhores da carreira da banda, e foi muito influente no estilo nos anos seguintes.

The End of Heartache - Killswitch Engage

The End of Heartache é o terceiro disco de estúdio do Killswitch Engage e é considerado um dos melhores e mais influentes discos de metalcore já feitos, assim como o melhor da banda (fama essa dividida com o Alive or Just Breathing, que é o preferido de outra parte dos fãs e crítica). Lançado em maio de 2004, tem a estreia do vocalista Howard Jones que substituiu Jesse Leach (antecessor nos vocais do Killswitch) a altura, com uma grande atuação assim como o resto dos músicos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Embora Howard estivesse mais habituado a um tipo de metal mais sujo do que o som que o Killswitch fazia, ele se adaptou muito bem ao novo estilo e foi importante no trabalho que a banda fez em The End of Heartache. Ele foi bem recebido pela maioria dos fãs, apesar de uma parcela não ter aprovado a mudança, parcela essa que deve ter comemorado o retorno de Jesse Leach para a banda em 2012.

Queensryche - Queensryche

Entre 2012 e 2013 os fãs do Queensryche assistiam uma situação no mínimo inusitada; Com brigas internas a banda não podia mais continuar unida, de um lado o vocalista Geoff Tate, do outro os demais integrantes. O problema foi que os dois lados reivindicavam o nome da banda.

Enquanto o imbróglio continuava, os dois grupos que se intitulavam Queensryche lançaram discos no ano de 2013. O grupo formado por Geoff Tate lançou o álbum Frequency Unknown, e os demais integrantes convidaram Todd La Torre para assumir os vocais e lançaram o disco homônimo.

Queensryche (2013) foi um disco extremamente elogiado pela crítica, e também agradou os fãs. É considerado um dos melhores discos da banda, que desde os clássicos Operation: Mindcrime e Empire não conseguia repetir seus momentos mais inspirados. Os últimos discos com Tate inclusive são considerados decepcionantes por boa parte dos fãs. O fato é que Todd La Torre foi uma excelente escolha para vocalista e teve uma grande performance em seu primeiro trabalho com o grupo.

O direcionamento musical tomado com o disco homônimo agradou ao público; sabemos que um dos motivos da saída do antigo vocalista eram as divergências em relação ao som da banda, o que pode ser percebido ouvindo Frequency Unknown, um disco bem diferente do lançado pelos antigos companheiros de Tate. Posteriormente os envolvidos entraram em acordo e a versão oficial do Queensryche é formada hoje por Michael Wilton Scott Rockenfield, Eddie Jackson, Parker Lundgren e Todd La Torre.

Back in Black - AC/DC

Após a morte de Bon Scott o AC/DC precisava seguir em frente. Back in Black foi lançado em julho de 1980, com Brian Johnson a frente dos vocais, e não é nada menos do que um dos discos mais importantes para a história da música. Um sucesso colossal, vendeu a quantia obscena de mais 51 milhões de cópias até hoje. É o álbum de rock mais vendido de todos os tempos e segundo no geral, só perdendo para Thriller, de Michael Jackson.

Substituir Bon Scott não seria uma tarefa fácil mas Brian Johnson se provou mais do que competente para manter o nível do vocalista anterior. Suas contribuições em Back in Black ajudaram a banda a cumprir a também dificílima tarefa de manter o nível astronômico de qualidade de seu disco anterior, Highway to Hell.

Não tem muito mais a falar desse disco que todos já não saibam, é um clássico absoluto e o maior exemplo dessa lista, com uma responsabilidade enorme o novo vocalista cumpre as expectativas e a banda lança um disco muito elogiado que é um marco para a carreira dos caras e para a história do rock.

Existem exemplos de discos de estreia de vocalistas que marcaram bandas brasileiras, como Rebirth, Seaquake e Depois da Guerra.

Rebirth - Angra

É verdade que nesse caso não só o vocalista é novo como também metade da banda, mas Edu Falaschi se mostrou um grande vocal e esse disco é realmente muito bom, foi bem recebido pelo público, Nova Era e a música tema são clássicos da banda. A turnê e o DVD tiveram grande repercussão, eu mesmo conheci a banda nessa época.

Seaquake - Stauros

Com a saída Celso de Freyn do Stauros, César assumiu o posto e em 2000 a banda lançou o excelente Seaquake, um disco ainda mais técnico do que o anterior, primeiro trabalho do grupo cantado em inglês, foi bem elogiado pela crítica e levou a banda a ser conhecida também no exterior.

Depois da Guerra - Oficina G3

Considerando o melhor disco da banda e um dos melhores do metal nacional na década passada, Depois da Guerra foi um marco na carreira do Oficina, a banda foi até premiada com um Grammy latino por esse álbum. Mauro Henrique substituiu Juninho Afram como voz principal do grupo, é importante frisar que quando Henrique entrou para a banda o disco já estava quase finalizado, porem ele ainda pôde contribuir, inclusive trazendo a música incondicional para a banda, além de sua grande performance no vocal.

Como já era de se imaginar, não existe uma formula que justifique o disco de estreia de um vocalista ser um marco na carreira do grupo, cada caso tem suas particularidades. O fator novidade com certeza ajuda a alavancar as vendas, os fãs querem saber como o grupo vai soar.

Em cada exemplo vemos situações diferenciadas, inclusive em momentos diferentes da carreira de cada banda, porem a qualidade desses trabalhos é sempre algo a se destacar.

De qualquer forma a estreia de um membro tão importante para qualquer banda como o caso do vocalista será sempre um acontecimento especial para o grupo e para os fãs.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Iron Maiden"Todas as matérias sobre "AC/DC"Todas as matérias sobre "Angra"


Iron Maiden: O significado oculto de Hallowed Be Thy Name (vídeo)Iron Maiden
O significado oculto de "Hallowed Be Thy Name" (vídeo)

Bruce Dickinson: O Iron Maiden é melhor que o MetallicaBruce Dickinson
"O Iron Maiden é melhor que o Metallica"


Rob Halford: Uma resposta educada a comentários de DickinsonRob Halford
Uma resposta educada a comentários de Dickinson

Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos


Sobre Hananias Souza Santana

Hananias Souza Santana, nascido em 1990, estudante de administração na Universidade do Estado da Bahia, guitarrista, por ser negro, morar na periferia de Salvador e ser cristão batista, tinha tudo para curtir rap, pagode ou gospel, mas como o amor a música foge a rótulos, se tornou headbanger desde a adolescência. Os estilos de sua preferência são o Hard Rock e Heavy Metal anos 70 e 80, mas ouve um pouco de tudo dentro do rock and roll.

Mais matérias de Hananias Souza Santana no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280